ASSINE

Kefir e Kombucha: bebidas antes caseiras ganham espaço nas prateleiras

Bebidas milenares que costumavam a ser produzidas em casa começam a ganhar espaço no mercado, apostando na ideia de uma vida mais saudável

Tempo de leitura: 4min
Kefir melhora memória de idosos com Alzheimer, aponta pesquisa capixaba
Kefir melhora memória de idosos com Alzheimer, aponta pesquisa capixaba. Crédito: Shutterstock

Tão antigas que se torna difícil marcar a origem. Assim são as bebidas feitas à base de Kefir e Kombucha, colônias de bactérias benéficas para o corpo humano. As teorias mais antigas apontam que os chineses bebiam chás de Kombucha há 4 mil anos e o Kefir era considerado a "bebida dos profetas" nas montanhas do Cáucaso.

Milênios depois, com o aumento de um público que busca uma vida mais saudável, algumas marcas da agroindústria se empenham em popularizar as bebidas e colocá-las nas prateleiras dos mercados, no cardápio dos restaurantes e nas feiras livres.

Os benefícios das bebidas estão, principalmente, na recomposição da microbiota intestinal, que acaba regulando o intestino e trazendo uma sensação de bem-estar em todo corpo, conforme explica o biólogo e fungicultor, Haloísio Mozzer Vagas. Dono da página Cultura Fungo, no Instagram, o biólogo dá cursos sobre a cultura de fungos e bactérias, entre eles o Kefir e a Kombucha,

Este vídeo pode te interessar

"As colônias abrangem cerca de 20 a 30 organismos entre fungos e bactérias benéficas. O intestino pode abrigar até 300 microrganismos desses, que estabelecem um equilíbrio na flora intestinal.  Alguns estudos apontam que o intestino é conhecido como segundo cérebro, por estar ligado aos outros órgãos do corpo e também fazer controle hormonal, por isso o equilíbrio traz um bem-estar para todo corpo", assinala.

Marca carioca de Kefir
Marca carioca de Kefir que está ganhando mercados do ES. Crédito: Reprodução/Facebook Keiff

A partir dos anos 70 e 80, explica Vagas, a cultura dessas colônias começou a se popularizar. Tradicionalmente, as pessoas cultivavam os microrganismos em casa e faziam a própria bebida. É comum grupos em redes sociais em que se encontra pessoas dispostas a doar a cultura para que outras comecem o processo.

Nos últimos seis anos, no entanto, empresas brasileiras começaram a investir na produção e comercialização das bebidas. A ideia é oferecer uma alternativa para quem não tem a prática de fazer o cultivo em casa e, ainda, investir em um controle de qualidade dos produtos.

Uma pesquisa realizada em 2019 pela Ganeden, empresa norte-americana que desenvolve produtos baseados em probióticos, mostrou que a América Latina era a região que mais consumia produtos probióticos no mundo, sendo que o Brasil representa 52% do consumo.

Mesmo com um produto ainda pouco conhecido, marcas como Keiff, Piá, e Kefiran Spitz, apostaram no Kefir para concorrer com gigantes do mercado de probióticos, como Yakut e Danone. A Keiff, por exemplo, deu um salto na produção quando chegou às prateleiras dos supermercados e cresce 100% ao ano, conforme mostrou O Globo.

Tanto as bebidas a base de Kefir quanto as Kombuchas são conhecidas por seu sabor suave e equilibrado. As marcas acrescentam frutas e essências e, com isso, é possível encontrar diversos sabores como maracujá, manga, uva, hibisco, limão. "Dá para brincar bastante e experimentar diferentes sabores e formas de produzir", pontua Vargas.

A Kombucha é produzida no Brasil por cerca de 49 produtores e representa um faturamento próximo aos R$ 11 milhões, segundo o site da Associação Brasileira de Kombucha. A projeção da entidade para 2021 é que se produza 2 milhões de litros da bebida, um crescimento de 33% em relação ao ano anterior.

MARCAS CAPIXABAS APOSTAM NA KOMBUCHA

Em terras capixabas, empreendedores já apostam na popularização e comercialização da Kombucha há alguns anos. Presidente da Associação Brasileira de Kombucha, o capixaba Jovan Demoner produz as bebidas desde 2015 e se orgulha ao dizer que a marca Kombucha Viva o Dia foi a primeira no Estado a se cadastrar no Ministério da Agricultura e conseguir o selo de qualidade orgânica.

Kombucha Viva o Dia, marca capixaba
Kombucha Viva o Dia, marca capixaba. Crédito: Instagram/KombuchaVivaoDia

A produção foi "pegando" aos poucos e Demoner precisou visitar outros produtores no Sul e Sudeste do país para apostar na industrialização do produto. Atualmente, vende em supermercados, lojas de produtos naturais, padarias, cafeterias de dentro e fora do Estado. Antes da pandemia, abria as portas da fábrica para visitas.

"O grande desafio é fazer com que as pessoas conheçam os benefícios da bebida, que é muito agradável, é saborosa. Ela é o equilíbrio entre o doce e azedo e levemente gaseificada. Além disso, a riqueza e o potencial probiótico é muito grande. Fizemos uma análise de DNA para entender quais são as bactérias que estão em nosso produto e, só para ter uma noção, enquanto marcas grandes tem duas, três cepas (de microrganismos), nós estamos falando de 60 cepas no nosso produto", afirma.

Izabella mostra uma de suas garradas de Kombucha
Izabella mostra uma de suas garradas de Kombucha. Crédito: Instagram/Kombuchabellavida

Também no mercado das Kombuchas, a capixaba Izabella Moraes começou a produzir a kombucha em casa há três anos, depois que ganhou uma "muda" de Scoby – como é chamada a colônia da Kombucha – de uma amiga canadense. A bebida fez sucesso entre os amigos, que incentivaram a profissionalização da produção.

Atualmente, toda a renda de Izabella e mais dois sócios vêm da venda dos produtos. A fábrica fica em Guarapari, mas ela vende para dentro e fora da Região Metropolitana. "Cada vez mais têm pessoas que estão nos procurando, principalmente por indicação de pessoas. Nosso produto não tem nada de conservante, adoçante, e tem a vantagem de ter os probióticos", afirma.

Além da venda em restaurantes, a marca Bella Vida apostou em uma modalidade de venda que tem ganhado espaço no último ano. Izabella criou um Clube Bella Vida, para vender as bebidas em combos mensais. O cliente se inscreve no grupo, escolhe um tipo de combo que quer receber e, mensalmente, as caixas são entregue à domicílio. 

São quatro tipos de combo e todo mês o cliente recebe um sabor exclusivo. Os valores vão de R$ 94 a R$ 192 reais, dependendo do plano escolhido.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Agronegócio Kefir Kombucha Comércio Supermercados

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rapido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.