ASSINE

Empresas do ES mudam rotina por causa do coronavírus

Algumas companhias passaram a disponibilizar álcool em gel para funcionários, enquanto outras até proibiram viagens internacionais

Publicado em 06/03/2020 às 17h19
Atualizado em 13/03/2020 às 09h02
Companhias compraram até máscaras para os funcionários. Crédito: Reprodução | Freepik
Companhias compraram até máscaras para os funcionários. Crédito: Reprodução | Freepik

Diante do aumento no número de casos de coronavírus (Covid-19) no país, que já somam 13 confirmados até esta sexta-feira, (06)sendo um deles no Espírito Santo, empresas capixabas estão mudando suas rotinas. Algumas companhias passaram a disponibilizar álcool em gel para funcionários, enquanto outras proibiram ate viagens internacionais para evitar contágio.

Os impactos econômicos da doença já se espalharam por todo o globo. O Brasil já colocou a China, epicentro da epidemia, a Itália, país mais aferado da Europa, e mais 25 outros países entre os monitorados por apresentarem transmissão local do vírus.

Em todo o mundo, 80 países já confirmaram infecções por coronavírus, sendo que em 38 ele já há transmissão local. A difusão da doença vem afetando até a chegada de produtos para as indústrias nacionais.

A confirmação do primeiro caso de coronavírus no Estado, na tarde da última quinta-feira (05), vem deixando as empresas em alerta e, com isso, elas começaram a adotar medidas para prevenir o contágio. Desde meados de fevereiro, a EDP, empresa responsável pela distribuição de energia em 70 municípios do Estado, acentuou seus protocolos de higiene da companhia. 

A limpeza de itens acessados por muitas pessoas, como botões de elevadores, maçanetas de portas, corrimãos de escadas, veículos da frota da empresa, equipamentos de informática e telecomunicações, foi intensificada. Além disso, viagens a trabalho para os países mais afetados pelo coronavírus foram proibidas. Há  orientação para reduzir as viagens aos demais países, sendo que quem for viajar terá mascara disponível.

Ainda segundo a EDP, equipes de campo como eletricistas e operadores de call centers vão receber álcool em gel. A empresa também vai distribuir preventivamente 5 mil máscaras entre os cerca de 3 mil colaboradores que tem.

Vanderlei Ferreira

Diretor de Gestão de Risco da EDP no Brasil

"Uma possível disseminação do coronavírus seria um grande teste de gestão de crise para as empresas que atuam no Brasil. Por isso, a EDP se antecipou e está preparada para que os efeitos dessa crise afetem o mínimo possível nossa operação e nossos colaboradores"

Para evitar a possível disseminação do coronavírus em seus escritórios, a EDP anunciou que a partir do dia 16 de março vai adotar um rodízio semanal preventivo. Todos os colaboradores da holding, na capital paulista, e das distribuidoras de São Paulo e do Espírito Santo serão divididos em três grupos: os dois primeiros grupos serão divididos entre dois escritórios com endereços diferentes e um terceiro ficará em home office. A cada semana, haverá uma rotação e um grupo diferente ficará em home office. 

A ideia, de acordo com a empresa, é dividir os times para, caso haja algum caso confirmado em um dos sites, os demais colaboradores que não estiverem no local possam dar continuidade à operação sem interrupções.

VIDEOCONFERÊNCIA

Outra empresa que tem orientado os empregados a evitar viagens ou escalas em regiões com surto de coronavírus é a ArcelorMittal Tubarão. A orientação é priorizar realização de encontros via videoconferência ao invés de ir a esses países. "A empresa também tem promovido campanhas internas orientativas e fornecido informações atualizadas regularmente, com recomendações sobre boas práticas de higiene, dentre outros", informou a Arcelor, em nota.

Já a Viminas, empresa que fabrica vidros, está fazendo campanha de conscientização entre os funcionários, com dicas de prevenção na televisão do refeitório e envio de comunicados por WhatsApp. Ela também instalou dispenser de álcool 70% em locais estratégicos da companhia, como próximo a escadas e catracas.

VACINAÇÃO CONTRA H1N1

A Loga Internet, operadora capixaba de internet por fibra óptica,  antecipou compras de equipamentos da China, instalou mais suportes de álcool em gel, comprou 1,5 mil máscaras cirúrgicas para os funcionários e vai vacinar empregados contra H1N1. De acordo com a gerente de Recursos Humanos da emrpesa, Célia Helena Rodrigues de Mendonça, o calendário de treinamentos foi revisado, restringindo a circulação dos empregados para Estados onde existem casos confirmados ou suspeitos.

A empresa também elaborou um plano de contingência para viabilizar o trabalho em modelo home office de áreas essenciais, caso isso se torne necessário. Ela ainda antecipou a compra de equipamentos importados da China visando a minimização de riscos de parada dos atendimentos em um possível cenário mais hostil da epidemia.

Já a Vale informou, por nota, que está seguindo as recomendações emitidas pelas organizações de saúde, especialmente a Anvisa, e monitora de perto os desdobramentos da situação.

O São Bernardo Apart Hospital, hospital central em Colatina, na região noroeste do Estado, está realizando simulações de atendimento a casos suspeitos de Covid-19 e a equipe multidisciplinar do hospital foi orientada como proceder nesses casos, desde o acolhimento do paciente no Pronto Socorro, assistência médica, coleta de amostra e notificação do caso suspeito as autoridades competentes.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Coronavírus empresas Coronavírus no ES

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.