ASSINE

Arroz e óleo ficam mais baratos, mas inflação dos alimentos segue alta no ES

Abacaxi, tomate e cebola foram os vilões da inflação na Grande Vitória em janeiro. Produtos que vinham em alta, como arroz, óleo, leite e carnes tiveram uma leve queda nos preços, mas não o bastante para segurar novo aumento do índice no ES

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 09/02/2021 às 16h14
Atualizado em 09/02/2021 às 16h14
cebola, tomate
Cebola, tomare e batata-inglesa estão entre os vilões da cesta básica. Crédito: Siumara Gonçalves

O consumidor vem sentindo no bolso, desde o ano passado, o avanço da inflação sobre o preço dos alimentos. O ano virou e ela não deu trégua. De acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país medida pelo IBGE, os alimentos e bebidas ficaram 0,9% mais caros na Grande Vitória em janeiro, com destaque para os custos com a alimentação em domicílio, que subiram 0,7%. Esses resultados ajudaram a inflação do Espírito Santo a ter alta de 0,44% no mês.

O aumento veio apesar da queda nos preços registrada em janeiro em produtos que vinham sendo os vilões da cesta básica em 2020. O preço médio do arroz caiu 1,91% e o do óleo de soja reduziu 2,1% no mês. Também ficaram mais baratos no mês itens como carne de porco (-3,34%), leite longa vida (-3,68%) e ovos de galinha (-5,22%).

 Por outro lado, as maiores altas do mês vieram principalmente frutas, legumes e vegetais. O abacaxi (46,81%), o tomate (24,93%), a cebola (19,78%), a manga (15,5%) e a batata-inglesa (15,44%) foram os cinco itens que mais subiram de preço no Estado no primeiro mês de 2021. Veja a lista completa no final da matéria

A alta do IPCA da Grande Vitória em janeiro foi a sexta seguida. Essa sequência inflacionária já vem apertando o orçamento das famílias desde o início do ano passado. Ao longo de 2020, apenas dois meses foram de deflação - fevereiro (-0,37%) e julho (-0,95%). No acumulado do ano, o custo da alimentação em domicílio no Estado cresceu 22,18%.

Enquanto itens essenciais no dia a dia das famílias brasileiras caíram de preço, como o arroz e o açúcar, outros continuam subindo. É o caso do açúcar cristal (5,12%), do feijão-preto (4,32%) e do macarrão (1,23%).

Itens da cesta básica no supermercado
Arroz em prateleira de supermercado: redução nos preços. Crédito: Fernando Madeira

INFLAÇÃO ACUMULA ALTAS

No acumulado de 2020, a inflação da alimentação em casa chegou a 22,18% no Estado. Alguns alimentos chegaram a dobrar de preço, como foi o caso do tomate (137,47%). Outros produtos básicos também foram às alturas, como o óleo de soja (84,81%), a batata-inglesa (84,13%), o abacaxi (73,29%) e o arroz (72,4%).

Apesar da deflação em alguns itens da cesta básica em janeiro deste ano, o preço deles precisaria cair muito ao longo de 2021 para que, minimamente, voltem aos patamares de janeiro de 2020, por exemplo.

Esse é o caso de farinha de mandioca, óleo de soja, arroz, carnes, feijão-preto e macarrão, que ao longo do ano passado subiram acima da média.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.