ASSINE

Aprenda a declarar o bitcoin ou outra criptomoeda no Imposto de Renda

Fisco está de olho nos ativos e, neste ano, criou campos específicos para que contribuinte informe sobre as moedas criadas em ambiente virtual

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 22/03/2021 às 07h28
Atualizado em 22/03/2021 às 07h28
Operações com criptoativos devem ser informadas à Receita Federal
Pessoas físicas, jurídicas e corretoras que realizem operações com criptoativos têm que prestar informações à Receita Federa. Crédito: Pexels

A baixa rentabilidade das aplicações em renda fixa e o apetite por maiores rendimentos fizeram com que o brasileiro corresse não apenas para a Bolsa de Valores, mas também para o mercado de bitcoin e outros criptoativos. E apesar de não serem exatamente considerados uma moeda legal pela legislação brasileira, quem investe tem de informar à Receita Federal no Imposto de Renda.

A obrigação de declarar é para quem tem criptoativos em valores acima de R$ 1.000. Além disso, se em algum mês de 2020 o contribuinte tiver obtido lucro em operações com bitcoins ou outras criptomoedas que, somadas, ultrapassem o piso de R$ 35 mil, esse ganho deve obrigatoriamente ser informado e tributado, pois configura ganho de capital.

A declaração já era exigida antes, mas o Fisco tem dedicado mais atenção ao assunto e, neste ano, criou campos específicos para que os contribuintes informem as aplicações.

Para fazer a declaração, o contribuinte deve ter em mãos um informe da sua movimentação dos ativos. Para isso, precisa solicitar às empresas (exchanges, entre outras) os extratos no período de 1º de janeiro até 31 de dezembro de 2020.

As somas deverão ser informadas em uma das três categorias específicas, criadas dentro da ficha de Bens e Direitos:

  • 81 - Criptoativo Bitcoin – BTC;
  • 82 - Outros criptoativos, do tipo moeda digital (altcoins como Ether, XRP, Bitcoin Cash, Tether, Chainlink, Litecoin... );
  • 89 – Demais criptoativos (payment tokens).

Antes, essas aplicações eram listadas na categoria “99 - Outros” da ficha, pois não havia um campo específico.  Após selecionar o código adequado, o contribuinte deve preencher, no espaço para descrição, a data da compra, os dados do vendedor ou da Exchange (corretora de criptoativos) com CPF ou CNPJ.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.