ASSINE

23 ideias de negócios para ter uma renda com o fim do auxílio emergencial

Veja opções de empreendimentos para ganhar dinheiro mesmo com a pandemia. Especialistas também dão dicas para evitar ficar com as contas no vermelho sem a ajuda do governo. Último lote do benefício foi pago na quinta-feira (28)

Publicado em 01/02/2021 às 02h00
Atualizado em 01/02/2021 às 02h01
Pessoa segurando notas de dinheiro
Sem o dinheiro do auxílio emergencial, trabalhadores precisarão se adaptar. Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O último lote do auxílio emergencial foi pago pelo governo federal na última quinta-feira (28). O benefício, que foi pago a 68 milhões de trabalhadores como forma de socorro econômico durante a pandemia do coronavírus, segue sem previsão de ser renovado pelo governo, apesar da opção não estar totalmente descartada

Sem esse recurso, o jeito agora vai ser arranjar outras alternativas para conseguir pagar as contas e evitar entrar no vermelho. Diante do momento de incertezas e de muitas dificuldades do mercado de trabalho, uma boa maneira agora é investir no próprio negócio. 

A pedido de A Gazeta, especialistas apontaram 23 ideias para quem quer empreender sem precisar investir muito dinheiro e que podem ser desenvolvidas até em casa. Entre as sugestões estão a revenda de produtos, serviços de entrega e de pequenos reparos, venda de alimentos ou artesanato, babá de cachorro e serviços de costura.

Para isso, o primeiro passo é identificar quais são os talentos que o profissional tem que podem se transformar em alternativa para uma nova fonte de renda. Um bom exemplo é aquela pessoa que faz bolos muito bem e é elogiada por toda a família. Por que não transformar essa habilidade em um negócio?

“O mercado é aberto a todos e resta saber onde esse trabalhador vai se encaixar. A crise traz muitas oportunidades, basta aproveitá-las. Independentemente do que o profissional for desenvolver, é preciso oferecer serviços de qualidade, isso vai garantir a sobrevivência do negócio. Se a pessoa entende de informática, porque não fazer consertos nos computadores dos vizinhos ”, comenta o conselheiro do Conselho Regional de Economia (Corecon-ES), Sebastião Demuner.

Ele cita o exemplo de alguém que não teve medo de ir às ruas para comercializar produtos. O economista conta que estava em um restaurante quando chegou uma mulher com duas bolsas oferecendo uma ampla quantidade de itens. “Em uma bolsa tinha bombons e na outra calcinha, cueca, meia, barbeador, entre outros. Isso demonstra que não basta ter um produto, é preciso ir atrás do cliente e não esperar que eles apareçam de uma hora para outra”, afirma.

O professor de empreendedorismo da UVV Rafael Galvêas, sugere como alternativa de negócios a revenda de produtos de beleza, que não requer investimento, mas que depende da habilidade do trabalhador para vender. Outras sugestões são trabalhar com a produção de alimentos fits ou doces, passeios com o cachorro do vizinho, pequenos reparos  domésticos e até serviços estéticos.

“Antes de mais nada, é importante entender do mercado. Para isso, um bom caminho é conversar com pessoas que já estão trabalhando no ramo. Se a ideia é trabalhar como motoboy, por exemplo, converse com outros que já estão no ramo há mais tempo, até para saber como é a rotina do trabalho, onde estão as oportunidades. Isso vai ajudar na hora de decidir o que fazer”, ressalta.

Na opinião do analista do Sebrae-ES Rafael Botelho, os negócios on-line estão em ascensão. Ele observa o perfil do consumidor que passou a comprar mais em plataformas digitais. Até o final do último ano, 80% dos clientes passaram a consumir por meio de redes sociais e e-commerce. Em 2019, eram 42%.

Segundo o analista, houve um aumento no número de empreendedores durante o ano de pandemia. Hoje, são 68 mil negócios, um crescimento de mais de 8 mil empreendedores em relação a 2019.

“Investir no próprio negócio se tornou uma alternativa para quem quer conseguir uma renda. No entanto, é necessário oferecer um trabalho personalizado, fazer parcerias,  ter um planejamento, entre outros pontos. Quem quer empreender e não sabe por onde começar, o Sebrae tem mais de 400 ideias que podem ser para micro e pequena empresa ou ainda como autônomo”, destaca.

O auxílio de R$ 600 e R$ 300 foi um alívio para milhões de famílias que perderam a renda por conta das restrições impostas para o enfrentamento da Covid-19. Por enquanto, ainda não há definição se o benefício será estendido. Porém, um projeto de Lei está em tramitação na Câmara dos Deputados com o objetivo de prorrogar o auxílio emergencial até abril de 2021, no valor de R$ 600.

O benefício emergencial foi criado para atender atender pessoas em situação de vulnerabilidade social durante a emergência de saúde pública provocada pela doença. O recurso começou a ser pago  em abril de 2020.

COMO EVITAR FICAR NO VERMELHO

O beneficiário do auxílio emergencial que ficou sem o recurso deve tomar cuidado para que a falta de dinheiro não comprometa as finanças da família.

“O governo já deu tempo para as pessoas se adaptarem a um novo momento. Sabemos que 2021 não será um ano fácil, mas é possível se reinventar e dar a volta por cima”, diz o conselheiro do Corecon-ES, Sebastião Demuner.

O economista orienta a fazer um diagnóstico da vida financeira, da mesma forma que se procura um médico uma vez por ano para cuidar da saúde.

“O mais importante não é verificar o quanto se ganha, mas como se gasta o dinheiro. Todos da família devem estar cientes da situação financeira e devem colaborar para evitar o desperdício. Deixar a luz acesa em um cômodo onde não tem ninguém é como rasgar dinheiro”, avalia.

Para não entrar no vermelho, Demuner sugere evitar compras por impulso, analisar se adquirir um produto é mesmo necessário, evitar dívidas no cartão de crédito, anotar todos os gastos, entre outros pontos.

“Procure comprar produtos da época. Pequenas iniciativas serão valiosas para fechar as contas no azul. Não digo que se tenha uma vida de miserável, mas sim saber gastar o dinheiro de maneira certa", finaliza.

IDEIAS DE NEGÓCIOS

  1. Distribuidora de bebidas
  2. Dogwalker (passear com cachorro)
  3. Estética
  4. Alimentos congelados
  5. Comida fit
  6. Cardápios de saladas
  7. Fabricação de doces
  8. Fabricação de bolos
  9. Fabricação de pães caseiros
  10. Confecção de bijuterias
  11. Revenda de roupa
  12. Revenda de cosméticos
  13. Conserto de celulares ou computadores
  14. Pequenos reparos e reformas como serviços de pedreiro ou eletricista
  15. Serviços de costureira
  16. Maquiagem e cabeleireiro
  17. Manicure
  18. Aula particular
  19. Motorista de aplicativo
  20. Serviços de motoboy
  21. Lanchonetes
  22. Vendedor de água de coco
  23. Churrasquinho

DICAS PARA NÃO FICAR NO VERMELHO

  1. 01

    Se reinventar

    Com o fim do auxílio emergencial, as pessoas vão precisar se adaptar a esse novo momento. A falta de recurso vai fazer com que o beneficiário se reinvente diante da crise.   É preciso pensar novas formas de ganhar dinheiro.

  2. 02

    Controle todas as suas finanças

    O primeiro passo é fazer um diagnóstico da vida financeira, verificar quais são as despesas e a receita da família.  

  3. 03

    Busque a união de todos

    Converse com a família sobre a situação financeira e que será necessário a cooperação de todos para evitar gastos desnecessários.  

  4. 04

    Gaste com inteligência

    Procure ter em mente que o mais importante não é saber quanto se ganha, mas como se gasta o dinheiro.  

  5. 05

    Evite desperdícios

    Faça uma observação de onde está sendo o desperdício de dinheiro. Uma boa medida é apagar as luzes ou o ventilador de cômodos que não há ninguém.  

  6. 06

    Evite novos gastos

    Evite comprar por impulso. Analise efetivamente o que é necessário e o que é supérfluo. Assim, você evita gastar um dinheiro que não precisava.  

  7. 07

    Cuidado com o dinheiro de plástico

    Evite compras no cartão de crédito sem ter a certeza que terá dinheiro para arcar com a dívida. Os juros do cartão estão entre os mais caros do país.

  8. 08

    Anote tudo em um caderninho

    Anote todos os seus gastos, até mesmo o dinheiro usado para pagar a passem de ônibus ou tomar um café na padaria.

  9. 09

    Aposte nos seus talentos

    Independentemente da condição social, procure identificar quais são os seus talentos e como você pode ganhar dinheiro com eles.  

  10. 10

    Novos planos

    Faça um planejamento detalhado para o seu negócio. Isso inclui prever todos os custos, receitas e despesas, compra de material, entregas, entre outros.

  11. 11

    Use da visibilidade da internet

    Aproveite para usar as redes sociais para divulgar seus produtos e serviços. Com a pandemia, o consumidor passou a comprar mais por plataformas digitais.

  12. 12

    Se qualifique

    No site do Sebrae, é possível fazer diversos cursos on-line que podem ajudar quem quer trabalhar por conta própria. As qualificações são para planejamento do negócio, marketing digital, controle de estoque, manutenção de alimentos, entre outros.

  13. 13

    Cursos

    Faça cursos de qualificação gratuitos para aprender a fazer coisas novas. Há diversas opções disponíveis no mercado em instituições como PUC do Rio Grande do Sul, FGV, Estácio, Sesi, dentre outros.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.