ASSINE

Vitória passa a oferecer teste rápido para Covid-19 sem consulta médica

A prefeitura decidiu retirar a exigência de avaliação médica, o que impedia a testagem em livre demanda. A capital agora segue orientação do governo estadual. Veja como agendar

Tempo de leitura: 3min
Vitória
Publicado em 18/01/2022 às 13h30
Teste de Covid-19
Teste de Covid-19 em Vitória passa a ter agendamento diário. Crédito: Myke Sena/MS

Prefeitura de Vitória decidiu retirar a exigência de avaliação médica para a realização de testes rápidos para a Covid-19. A partir desta terça-feira (18), é necessário apenas conseguir agendar uma das 380 vagas diárias disponibilizadas no site da prefeitura, sempre às 15 horas. Serão 13 unidades de saúde disponíveis para agendamento dos testes de antígeno. O resultado do exame sai em até 20 minutos.

Com a mudança no protocolo, quem busca o teste rápido na Capital não precisará apresentar sintoma, informar contato com um infectado ou ter uma prescrição médica em mãos. Quem quiser, pode agendar.

Como A Gazeta mostrou no dia 5 de janeiro, Vitória era a única cidade da Região Metropolitana que não oferecia a testagem por livre demanda. Agora, apesar do agendamento, a capital segue o padrão recomendado pela Secretaria de Estado da Saúde e reforçado pelo secretário Nésio Fernandes.

Este vídeo pode te interessar

COMO AGENDAR TESTE PARA COVID EM VITÓRIA

Serão disponibilizados 380 vagas por dia, todos os dias, às 15 horas. O agendamento pode ser feito pelo site agendamento.vitoria.es.gov.br ou pelo aplicativo Vitória Online, selecionando a opção Teste Covid-19. A testagem de acordo com o agendamento tem início na quarta-feira (19).

O teste rápido de antígeno será realizado nas seguintes unidades de Saúde: 

  1. Santo André
  2. Forte São João
  3. Santa Martha
  4. Jardim Camburi
  5. Santa Luiza
  6. Maria Ortiz
  7. Jabour
  8. Alagoano
  9. Ilha das Caieiras
  10. Maruípe
  11. Jardim da Penha
  12.  Conquista
  13. Tancredão

PEDIDO DO ESTADO É TESTAGEM EM LIVRE DEMANDA

A recomendação da Secretaria de Estado da Saúde é que os municípios do Espírito Santo ampliem a testagem para a Covid-19. A estratégia é importante, segundo especialistas, para rastrear os casos da doença, na tentativa de interromper a transmissão para outras pessoas.

Em uma portaria publicada no Diário Oficial do Estado no dia 30 de julho de 2021, a Sesa estabelece que a testagem no Sistema Único de Saúde (SUS) para identificação da Covid-19 "deverá ser disponibilizada a livre demanda a população, sem necessidade de prescrição médica".

Portanto, o que era adotado pela administração municipal contrariava uma publicação do Estado. Agora, não há mais necessidade de prescrição médica em Vitória.

Em coletiva de imprensa na segunda-feira (17), o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, não citou Vitória, mas afirmou que não é adequado o modelo de testagem baseado em sintomas ou avaliação médica.

Nésio Fernandes

Secretário de Estado da Saúde

"Não é adequado que municípios ainda insistam na tese de que a testagem deve ser oferecida a quem tem sintoma e somente após avaliação médica. Esses critérios restringem o acesso e não garantem a testagem oportuna a toda a população como estratégia de rastreamento para romper a cadeia de transmissão"

A tentativa do governo do Estado é ampliar a testagem com novos pontos em todo o Espírito Santo. Não há risco de escassez de testes de Covid-19. Preferencialmente, os testes de antígeno são feitos em quem procura o sistema de saúde. Há determinados casos em que o RT-PCR é usado.

Os testes de antígeno, também chamado de teste rápido, e o RT-PCR são coletados da mesma forma, com o swab, uma espécie de cotonete que entra no nariz. A diferença está na análise do material humano. Enquanto o RT-PCR é enviado para laboratório, com resultado que pode sair em até 48h, o antígeno utiliza um kit semelhante ao teste de gravidez, com resultado que não ultrapassa 20 minutos. Os dois são confiáveis, mas o RT-PCR é considerado padrão ouro por ser mais sensível.

Portaria da Sesa recomenda testagem para Covid em livre demanda

Orientação do Estado é que cidades não exijam sintomas da doença para realização dos testes

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.