ASSINE

Bebida alcoólica: pode beber depois de tomar vacina contra a Covid? Entenda

Para responder a pergunta mais feita pelos brasileiros no Google desde o início da campanha de imunização, A Gazeta ouviu especialistas para saber se o álcool reduz a eficácia das vacinas

Tempo de leitura: 2min
Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 17/01/2022 às 17h21

* Essa matéria foi originalmente publicada em 15/07/2021. O texto foi atualizado e publicado novamente em 17/01/2021.

Mesmo depois de um ano do marco inicial da vacinação contra a Covid-19 no Brasil, no dia 17 de janeiro de 2021, uma questão ainda parece gerar dúvidas: existe interação entre o imunizante e as bebidas alcoólicas? Circulam diversas vertentes sobre o assunto, havendo quem indique esperar três dias para beber e outros sugerindo uma semana ou até mais tempo de intervalo.

Segundo o portal G1, a dúvida "Pode beber depois da vacina?" foi a pergunta mais feita pelos brasileiros no Google desde o início da campanha de imunização.

Copos de cerveja brindando
Brinde com copos de cerveja. Crédito: Shutterstock

Para esclarecer sobre o tema, A Gazeta consultou especialistas da área no Espírito Santo. Para o médico infectologista Lauro Ferreira Pinto, o consumo de álcool após a vacina é seguro, desde que não seja ingerido em descontrole.

Este vídeo pode te interessar

POSSO BEBER DEPOIS DE TOMAR A VACINA CONTRA COVID?

"A ineficácia do imunizante, quando misturado às bebidas alcoólicas, é uma lenda urbana. Não existe nenhum impeditivo de uma pessoa tomar vacina da Covid e usar álcool. Claro que, em excesso, não é bom para nada, mas não existe essa história de cortar efeito ou de dar efeito colateral", afirmou.

Segundo o especialista, em vários locais do Brasil esse tipo de orientação é dada, de que não é possível ingerir álcool após a vacinação. "Isso chega para nós até em termos folclóricos, com maluquices divulgadas em relação à vacina. Não existe nenhum trabalho de interação de álcool com vacina até o momento", pontuou.

Também para Ethel Maciel, enfermeira, pós-doutora em Epidemiologia, professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e consultora da Organização Mundial de Saúde (OMS), as bulas das diferentes vacinas em distribuição não mencionam contraindicação das substâncias juntamente ao consumo de álcool.

Ethel Maciel

Enfermeira, pós-doutora em Epidemiologia e professora da Ufes

"Não há nada na bula das vacinas que contraindique o uso de álcool. O álcool diminui a nossa resposta imunológica – o uso em excesso, claro. Quando tomamos vacina, estimulamos o sistema imunológico. Acaba que alguns profissionais de saúde não recomendam o álcool não porque tenha algum efeito direto sobre a vacina, apenas devido à baixa a resposta imunológica. Mas não há contraindicação, o efeito protetor da vacina não será anulado"

Da mesma forma, para a infectologista Rúbia Miossi, o excesso de álcool, em níveis de dependência química, é que é o vilão. "Não conheço nenhuma evidência entre consumo de bebida e eficácia de vacina. O que sabemos é que as pessoas que são alcoólatras - dependentes mesmo, com cirrose — têm uma resposta vacinal pior do que quem não tem esse quadro. Mas isso é para quem bebe muito mesmo, não é para quem bebe uma tacinha de vinho. Não há evidência nenhuma de diminuição de efeito da vacina, desconheço essa relação", concluiu.

Com o avanço da vacinação, pessoas de faixa etária mais avançada ficaram mais protegidas da Covid
Especialistas afirmam que o consumo moderado de álcool não altera eficácia da vacina contra a Covid-19. Crédito: Tânia Rêgo/Agência Brasil

ANULAÇÃO DOS EFEITOS DA VACINA PELO ÁLCOOL: MITO

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), que tem a proposta de ser uma enciclopédia sobre vacinação, informou com base em estudos científicos que o consumo moderado de bebidas alcoólicas não interfere na resposta gerada pela vacina.

A entidade explicou, no entanto, que a ingestão excessiva ou o uso crônico de álcool pode ter um efeito "imunodepressor", ou seja, pode reduzir a capacidade de defesa do organismo, deixando a pessoa mais vulnerável a contrair infecções.

Então, independentemente da situação, não se deve consumir álcool em quantidade exagerada. Comportamentos responsáveis e positivos, bem como qualquer atitude de prevenção, sempre são bons para a saúde, incluindo aqui a vacinação, afirmou a SBIm.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Coronavírus Covid-19 Vacinas contra a Covid-19 Vacina Bebida Alcoólica Pandemia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.