ASSINE

Uso de máscara pode impedir segunda onda de coronavírus, diz estudo

Universidade de Cambridge indica que usar a proteção é importante para diminuir a taxa de transmissão e, consequentemente, aumentar a flexibilização de medidas

Publicado em 18/06/2020 às 16h16
Atualizado em 18/06/2020 às 19h22
 A Igreja de Jesus Cristo dos Últimos vai doar um total de 3 milhões de máscaras para todo o país
Se, pelo menos, metade da população usar máscara sempre, a pandemia poderia ser contida, segundo estudo. Crédito: Divulgação

Usar máscara pode ser essencial para diminuir a taxa de transmissão do novo coronavírus, achatar a curva da Covid-19 e, assim, evitar uma segunda onda da doença – o que poderia resultar, consequentemente, em menos restrições socioeconômicas. O parecer é de um novo estudo realizado pela Universidade de Cambridge, da Inglaterra.

De acordo com as informações divulgadas pela BBC, a pesquisa indica que a adoção de lockdown precisaria ser acompanhada do uso massivo de máscaras para impedir ou, pelo menos, diminuir o crescimento do número de novos casos, já que elas funcionam como uma barreira para as gotículas de saliva, um dos meios pelos quais o coronavírus é transmitido.

Richard Stutt

Coautor do estudo e pesquisador de epidemiologia da Universidade de Cambridge

"Se a população usar máscara de forma generalizada, com as medidas de distanciamento social, é possível obter um nível aceitável de controle da pandemia e retomar atividades antes do surgimento de uma vacina"

Para obter as novas evidências, os autores levaram em conta os possíveis estágios de infecção das pessoas e a transmissão do vírus pelo ar ou pelas superfícies, ambos combinados com medidas de distanciamento social. Além de considerar a taxa de transmissão, que precisa ser menor que o número 1 para que a pandemia seja contida. Aqui no Espírito Santo, por exemplo, a terceira fase do inquérito sorológico realizado pelo Governo do Estado apontou que a atual taxa de transmissão em território capixaba está em 1.6.

O resultado? Se as pessoas sempre usarem máscaras nas ruas, a transmissão do coronavírus diminui em duas vezes, se comparada ao cenário em que os indivíduos só utilizam a proteção após apresentarem algum sintoma da Covid-19. Se metade da população agir desta forma, a taxa de transmissão poderia chegar a menos de um, aponta o estudo.

1.6

é a atual taxa de transmissão do novo coronavírus no Espírito Santo

O estudo inglês também mostrou que as máscaras de pano – já exigidas no dia a dia do capixaba – são benéficas e diminuem fortemente a taxa de transmissão do novo coronavírus. “As máscaras caseiras, que retêm 50% das partículas de saliva, são uma tecnologia barata e eficaz”, defendeu o coautor Chris Gilligan.

Cientistas da Universidade de Cambridge

Ao resumirem o resultado do recente estudo

"Minha máscara protege você e sua máscara me protege"

As conclusões obtidas pela Universidade de Cambridge estão de acordo com o que mostrou outro estudo realizado pela Universidade Texas A&M, dos Estados Unidos, que também aponta que o uso de máscara, associado às medidas de distanciamento social, é uma forma de interromper a cadeia de transmissão da Covid-19.

OMS, MINISTÉRIO DA SAÚDE E GOVERNO DO ES: AS ORIENTAÇÕES

Embora no início da pandemia a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendava o uso de máscara apenas a profissionais da saúde, essa orientação mudou em abril, quando a entidade passou a defendê-lo como “parte de uma estratégia abrangente” a fim de ajudar a barrar o contágio pelo novo coronavírus.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Coronavírus Coronavírus no ES Covid-19 Pandemia Máscara de proteção facial

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.