ASSINE

Tribunal determina que municípios comprem câmaras refrigeradas para vacinas

O Tribunal de Contas do Espírito Santo identificou que há municípios capixabas que condicionam imunizantes, inclusive contra a Covid-19, em refrigeradores domésticos

Publicado em 26/03/2021 às 20h05
Atualizado em 26/03/2021 às 20h05
Câmaras frias para armazenar vacinas da Prefeitura de Cariacica
Câmaras frias para armazenar vacinas da Prefeitura de Cariacica. Crédito: Prefeitura de Cariacica

Tribunal de Contas do Espírito Santo (TCES) determinou que 24 municípios capixabas substituam refrigeradores domésticos usados para armazenar vacinas, inclusive da Covid-19, por câmaras refrigeradas. O objetivo é garantir que os compostos sejam conservados de forma mais adequada e segura. A medida deve ser adotada em 20 dias. 

No decorrer do trabalho de fiscalização, na modalidade de acompanhamento, foram visitados os 78 municípios do Estado sendo fiscalizados 118 estabelecimentos. Desses, 100 realizam vacinação e 18 não realizam, atuando somente como centro de armazenamento e distribuição de vacinas.

Aos municípios de Fundão e Guarapari, que não possuem nenhuma câmara refrigerada e estão utilizando apenas refrigeradores domésticos, foi estabelecido um prazo foi de 72 horas para providenciar um suporte emergencial de energia elétrica aos equipamentos de armazenamento de vacinas.

Este vídeo pode te interessar

O relator também determinou aos municípios de PiúmaIbiraçuGuarapari e Ibitirama que deem utilidade às câmaras de refrigeração que não vem sendo utilizadas. Os secretários municipais de saúde desses municípios devem comunicar as providências adotadas em um prazo de 10 dias.

Domingos Taufner

Conselheiro do TCES

"As falhas apresentadas não estão generalizadas em todos os municípios, sendo que a maioria tem uma estrutura de vacinação razoável, mas as recomendações aqui colocadas servem de alerta para a necessidade de permanente aperfeiçoamento "

A decisão, para conceder medida cautelar, foi confirmada pelo plenário em sessão extraordinária nesta sexta-feira (26), acompanhando o entendimento do relator, conselheiro Domingos Taufner. A ação visa averiguar especialmente a conservação das vacinas, que constitui medida essencial para a manutenção de sua eficácia.

"Foram expedidas uma série de recomendações aos municípios para que adotem medidas como a proteção de disjuntores de energia de estabelecimentos de saúde, instalação de bateria ou gerador, instalação de alarme de discagem telefônica nos equipamentos e a capacitação de profissionais responsáveis pela sala de vacinação sobre a regulagem das temperaturas", diz nota divulgada pelo TCES.

Também foi feita recomendação para que os municípios de IbatibaFundãoBoa EsperançaApiacá, Irupi e São Domingos do Norte promovam adequações, execução de obras e aquisição de mobiliário em suas unidades de saúde para que o serviço de vacinação possa ser prestado de acordo com o preconizado pelo Ministério da Saúde e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Campanha de vacinação no Brasil ainda caminha a passos lentos
Campanha de vacinação no Brasil ainda caminha a passos lentos. Crédito: Torstensimon/ Pixabay

FISCALIZAÇÃO

Durante a fiscalização nas salas de vacinação, as equipes do TCES verificaram se a rede de frios dos municípios estava preparada para o armazenamento e refrigeração dos imunizantes, se as cidades possuíam computadores com internet para realizar os registros e se as instalações das salas de vacinação eram adequadas para o atendimento à população.

Em seu voto, o conselheiro Domingos Taufner mencionou que conforme manual do Ministério da Saúde, resolução da Anvisa e a Lei 6.437/1977, é necessário o uso de meios eficazes de armazenamento de vacinas, mesmo diante de falha no fornecimento de energia. 

Taufner também frisou que é importante que este trabalho preventivo seja feito agora, pois em breve é esperada a chegada de um número grande de doses de vacinas, o que necessitará de uma eficiente logística, especialmente na guarda e conservação, e que as pequenas estruturas existentes em alguns municípios podem não suportar o grande volume de imunizantes.

"Neste momento processual não há o objetivo de responsabilizar os gestores e nem há adiantamento de culpa. Entretanto, está sendo feita a identificação dos problemas, podendo ocorrer responsabilizações futuras, principalmente nos casos em que os problemas não foram corrigidos", acrescentou.

VEJA AS CIDADES NOTIFICADAS

  1. Alegre
  2. Apiacá
  3. Aracruz
  4. Brejetuba
  5. Cariacica
  6. Conceição da Barra
  7. Domingos Martins
  8. Fundão
  9. Governador Lindenberg
  10. Guarapari
  11. Irupi
  12. Jaguaré
  13. João Neiva
  14. Laranja da Terra
  15. Linhares
  16. Marechal Floriano
  17. Mimoso do Sul
  18. Muniz Freire
  19. Piúma
  20. Rio Bananal
  21. Santa Leopoldina
  22. Santa Maria de Jetibá
  23. Santa Teresa
  24. Venda Nova do Imigrante

A Gazeta integra o

Saiba mais
TCES Coronavírus no ES Covid-19 Vacinas contra a Covid-19

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.