Prefeituras da Grande Vitória adiam volta às aulas para depois de fevereiro

Decisão foi assinada pelos secretários de Educação de Vitória, Cariacica, Serra e Vila Velha; fatores como a necessidade de adaptação ao protocolo sanitário justificam a decisão

Vitória
Publicado em 14/01/2021 às 21h15
Atualizado em 15/01/2021 às 20h12
Decisão foi tomada durante reunião de secretários de Educação dos municípios nesta quinta (14)
Decisão foi tomada durante reunião de secretários de Educação dos municípios nesta quinta (14). Crédito: Divulgação/Sedu Serra

As secretarias de Educação de VitóriaCariacicaSerra e Vila Velha decidiram por não retornar às aulas presenciais nas escolas públicas municipais em fevereiro. A decisão foi tomada em reunião envolvendo os secretários das pastas dos municípios nesta quinta-feira (14).

O secretário de Educação da Serra, Alessandro Bermudes, afirmou que, a partir da próxima semana, um comitê será formado reunindo novamente os secretários das pastas, além de representantes de órgãos como o Ministério Público Estadual e outras entidades competentes. Esse comitê, segundo ele, fará reuniões semanais para debater o retorno das atividades escolares.

Bermudes ainda reiterou que o curto tempo de preparo das novas gestões municipais, que tomaram posse no dia 1º de janeiro, em relação à pandemia do coronavírus, dificulta uma tomada de decisão imediata em relação ao assunto. Ele explicou também que cada município tem sua particularidade e, por isso, o retorno às aulas presenciais demanda mais tempo.

"A realidade desses municípios é diferente do resto do Estado. Na Serra, 15 escolas municipais estão em condições precárias. Precisamos de tempo para trabalhar com os professores como será essa volta, se será híbrido, tudo isso requer tempo. As gestões começaram agora, então requer tempo", afirmou o secretário.

A decisão, assinada pelo secretários Juliana Rohsner (Vitória), José Roberto Aguiar (Cariacica), Fabiana Kauark (Vila Velha) e Alessandro Bermudes (Serra), aponta fatores como a adequação dos espaços físicos ao protocolo sanitário, formação de profissionais e quantidade limitada de vacinas para o não retorno às atividades presenciais em fevereiro. Confira a nota na íntegra:

Considerando que, os insumos adquiridos para adequar as escolas para volta presencial, não serão entregues no mês de janeiro;

Considerando a adequação dos espaços físicos para o atendimento dos protocolos sanitários;

Considerando a necessidade de formação dos profissionais da educação, para o desenvolvimento do continuum curricular;

Considerando que o mês de fevereiro tem apenas 13 dias letivos;

Considerando que a produção das vacinas tem um quantitativo limitado e que mesmo priorizando os profissionais da educação existe um tempo para que se concretize;

Ficou definido pelos secretários de educação dos municípios de Vitória, Serra, Cariacica e Vila Velha, que o retorno presencial não ocorrerá em fevereiro.

Ficou definido que as condições para o retorno serão dialogadas com um comitê unificado, envolvendo as instituições representativas de classe, Conselhos Municipais de Educação, Fóruns de diretores, MP-ES e representantes da saúde bem como o acompanhamento do mapa do risco.

VITÓRIA PREVÊ CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES

Diante do cenário de pandemia do coronavírus, a Prefeitura de Vitória ainda terá que fazer melhorias nas estruturas das escolas, para que se adaptem aos protocolos de saúde previstos pela Secretaria do Estado de Saúde (Sesa), como tótens de álcool em gel, instalação de mais pias, dentre outras medidas. Além disso, a secretária municipal de Educação Juliana Rohsner destacou que os professores também terão que ser capacitados para se adaptar à nova realidade. Isso, inclusive, acontecerá já em fevereiro.

"A gente pensa que os professores precisam ter formações pedagógicas e orientações para como lidar com esse cenário. As prefeituras precisam de um tempo de retorno, para que os professores se adaptem a esse novo normal. Em fevereiro os professores retornam no presencial com formações, orientações e adequação aos espaços físicos. Será um período de repensar o currículo, analisar o período remoto. O retorno, mesmo quando for presencial, vai ser híbrido, pois vai ter que ter um revezamento", afirmou.

Juliana Rohsner ainda ressaltou que a educação básica é um serviço essencial e que não pode esperar muito tempo para retornar, por isso não deve depender apenas da chegada da vacina.

"Os professores têm um espaço no grupo de prioridade da vacinação, mas até isso chegar aos professores, ainda que sejam prioridade, tem uma demora. Nós não poderemos esperar a vacina, é preciso que as escolas voltem, mas, presencialmente, em fevereiro, não será possível", explicou a secretária.

CARIACICA GARANTE ALCANCE DE 91% DE ENSINO REMOTO

A prefeitura de Cariacica afirmou que o retorno das atividades pedagógicas não presenciais acontecerá em fevereiro. O órgão garantiu que o ensino remoto possui um alcance de 91% dos alunos, desde a suspensão das atividades escolares, em 2020. A Secretaria de Educação do município afirmou também que a cidade é a única do Estado que dispõe de canais de TV aberta para atender aos alunos que não têm acesso à internet.

Cariacica foi outro município que também comunicou que precisa de realizar adequações na estrutura das escolas para atender aos protocolos de saúde estabelecidos pelo governo do Estado, além de capacitação dos professores. A prefeitura destacou que os servidores estão sendo preparados desde o ano passado para o cenário de ensino em meio a pandemia e terão o retorno antecipado para se adequarem às novas estruturas.

A prefeitura destacou ainda que, durante a suspensão das aulas presenciais, 70% das escolas municipais passaram por reformas na estrutura. Cariacica também reiterou que já adquiriu todas as máscaras de proteção, por meio de uma ordem de fornecimento. Mas, por conta da alta demanda - cerca de 200 mil para alunos e professores, segundo a prefeitura - os insumos ainda não foram entregues. O órgão ressalta, porém, que já há uma logística para a entrega dos materiais nas escolas do município.

VILA VELHA 

Em Vila Velha, a prefeitura reiterou que é favorável à decisão do não retorno das atividades presenciais nas escolas municipais. O órgão também informou que está fazendo um levantamento das escolas quanto à estrutura física e que algumas não possuem condições de receberem alunos, mas sem especificar quantas e nem quais são. 

A prefeitura ressaltou, entretanto, que já está tomando providências para que os colégios tenham plenas condições de funcionamento e que mais informações das diretrizes educacionais deste ano serão apresentadas em momento oportuno.

Atualização

15 de Janeiro de 2021 às 20:11

Nesta sexta-feira (15), após a publicação desta matéria, as prefeitura de Cariacica e Vila Velha responderam às demandas da reportagem. O texto foi atualizado.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.