ASSINE

Prefeitura vai investigar vacinação de adolescentes em Vila Velha

Os dois vacinados são estagiários da Secretaria de Educação de Vila Velha e se imunizaram indevidamente no final de semana. Não há autorização no país para vacinação de crianças e adolescentes contra a Covid-19

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 08/06/2021 às 19h45
Vacinação em Vila Velha
Vila Velha promoveu um mutirão de vacinação no final de semana, quando os adolescentes também foram imunizados indevidamente. Crédito: Letícia Siqueira / Secom PMVV

Dois adolescentes que fazem estágio na Secretaria de Educação de Vila Velha foram vacinados contra a Covid-19 no município. A situação é irregular, uma vez que os imunizantes devem ser aplicados apenas em pessoas com mais de 18 anos, conforme os critérios definidos no Plano Nacional de Imunização (PNI). Inclusive, não há garantia de segurança e eficácia de doses ministradas em menores de idade porque há poucos estudos conclusivos para a faixa etária infantojuvenil. 

O caso ocorreu no último final de semana,  com feriadão prolongado de Corpus Christi, quando houve um grande mutirão de vacinação em Vila Velha, com 22 mil vagas para atender a diversos grupos, inclusive o de profissionais da Educação, no qual os dois menores foram incluídos. 

Entretanto, para se vacinar, os trabalhadores da Educação precisam apresentar documento de identificação e uma declaração da escola em que atuam. A Prefeitura de Vila Velha, que já iniciou a investigação sobre o episódio, não esclarece em que ponto do processo houve a falha, nem o que vai acontecer com os adolescentes que se vacinaram mesmo sem ter direito. 

Em nota, a administração municipal informa que "as secretarias de Saúde e Educação, por determinação do prefeito Arnaldinho Borgo, abriram sindicância para investigar o que aconteceu e como os nomes dos dois menores (estagiários) foram parar na relação dos profissionais de educação, da ativa, que foram imunizados no último final de semana."

Considerando que, no país, não há autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para vacinação de crianças e adolescentes contra a Covid-19, há ainda uma preocupação sobre como seria a resposta dos dois estagiários à vacina. Também em nota, a prefeitura aponta que os menores estão sendo monitorados e não apresentaram reações ao imunizante. 

Os testes de vacinas em crianças e adolescentes estão em diferentes fases no mundo, a depender do imunizante, e são poucos os países que já aplicam em menores de idade, como é o caso dos Estados Unidos, onde a vacina da Pfizer pode ser usada a partir dos 12 anos. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.