Prefeito de Vitória, Lorenzo Pazolini anuncia o fim da Linha Verde

Vias exclusivas podem ser implementadas em outros pontos da cidade, segundo Pazolini; mais detalhes devem ser anunciados ainda no primeiro semestre deste ano

Vitória
Publicado em 27/01/2021 às 15h45
Atualizado em 27/01/2021 às 19h45
Linha Verde foi implantada em 2018 e extinta nesta quarta-feira (27)
Linha Verde foi implantada em 2018 e extinta nesta quarta-feira (27). Crédito: Carlos Alberto Silva

O prefeito de VitóriaLorenzo Pazolini, assinou na tarde desta quarta-feira (27) o decreto de extinção da Linha Verde, implantada em 2018 pelo então prefeito Luciano Rezende. A ação já estava prevista no plano de governo de Pazolini. 

"O modelo da Linha Verde foi imposto, o diálogo não existiu, por isso não teve sucesso. As pessoas não compraram essa ideia. Nós temos um projeto claro, que é a extinção da Linha Verde. Em um primeiro momento, nós vamos extinguir a Linha Verde, para em um segundo momento dialogar com a população",  declarou durante uma entrevista para a Rádio CBN Vitória em dezembro de 2020.

O secretário de Transportes de Vitória, Alex Mariano, também participou da reunião e afirmou que a extinção da Linha Verde será feita em duas etapas, e que a retirada dos equipamentos começa ainda nesta quarta-feira (27).

"Nós vamos dividir em duas etapas: a primeira ira tirar a sinalização vertical. Após as 22h, quando o trânsito está mais tranquilo, vamos fazer a parte da sinalização horizontal", disse.

Lorenzo Pazolini assina decreto que encerra Linha Verde em Vitória
Lorenzo Pazolini assina decreto que encerra Linha Verde em Vitória. Crédito: Daniel Pasti

Pazolini revelou que equipes já têm estudos para implantação da faixa exclusiva em outros pontos da cidade, e que a intenção é gerar fluidez no trânsito. "Essa não foi a realidade que encontramos. Essa extinção visa a ampliação para ter um debate e restabelecer a Linha Verde em outro lugar que gere melhora no trânsito", afirmou.

O prefeito de Vitória finalizou dizendo no decorrer do primeiro semestre do mandato, os capixabas já devem ter alguma informação sobre via preferencial ou exclusiva em trechos do trânsito da Capital.

"Estive pessoalmente na Central Semafórica e começamos a entender sobre isso. Essas soluções virão de lá, uma análise técnica e criteriosa, respeitando sempre a vontade da população. O modelo da Linha Verde não seguiremos, mas estamos buscando soluções para outras vias da cidade. Ainda estamos iniciando estudos, teremos ao decorrer do primeiro semestre um avanço nesta área para apresentar aos capixabas", concluiu.

ENTENDA

A Linha Verde foi criada em março de 2018 como uma faixa exclusiva para ônibus, táxis, vans e carros com três ou mais passageiros, inicialmente na Avenida Dante Michelini, por toda a orla de Camburi, em Vitória.

O objetivo, segundo a gestão da época, era priorizar o uso dos transportes públicos, além de dar agilidade aos corredores de ônibus, evitando paradas sem necessidade e também aumentando a segurança para o embarque e desembarque de passageiros dos coletivos.

Desde sua implantação, a Linha Verde dividiu opiniões de motoristas e passageiros de ônibus e virou uma polêmica na Capital. O prefeito Luciano Rezende enfrentou resistência da população, que alegou não ter sido ouvida sobre o projeto. Moradores moveram ações na Justiça, que chegou a suspender o funcionamento da faixa exclusiva.

A prefeitura chegou a testar a ampliação da linha até o Hortomercado, na Enseada do Suá, mas o projeto não foi para frente. A principal reclamação dos motoristas foi sobre os congestionamentos formados.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.