ASSINE

Por que o ES ainda não adotou o lockdown para conter a Covid-19?

Medida é prevista quando Estado chegar a 91% das UTIs potenciais ocupadas; taxa de ocupação atual está em 79,01%. Secretário Nésio Fernandes ressaltou que adoção não é por mera opinião

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 08/03/2021 às 18h12
Com suspensão de aulas por causa do coronavírus, várias ruas da Grande Vitória tem uma movimentação menor
Lockdown é uma das medidas previstas para os municípios que atingirem o risco extremo no ES. Crédito: Ricardo Medeiros

Diante do agravamento da pandemia no país, capixabas têm questionado o Governo Estadual sobre a adoção de lockdown – fechamento das atividades não essenciais e restrição máxima à circulação de pessoas – para conter o avanço do coronavírus no Espírito Santo. Mas por que o Estado não adotou a medida?

Durante o pronunciamento feito na tarde desta segunda-feira (8), o secretário de saúde Nésio Fernandes respondeu a essa pergunta, lembrando que a matriz de risco utilizada no Estado prevê a adoção dela em casos extremos e que colocá-la em prática não depende de opiniões políticas ou sanitárias.

Nésio Fernandes

Secretário de Saúde do Espírito Santo

"Foi definido um gatilho de ocupação dos leitos de UTI. Não realizar o lockdown não é uma decisão de opinião sanitária ou de política pública"

Conforme esclarecido anteriormente por A Gazeta, o lockdown pode virar realidade se a taxa de ocupação das UTIs potenciais do Estado chegar ao patamar de 91%. No entanto, outros indicadores individuais a cada cidade também precisam estar altos, como o número de casos ativos e de óbitos por Covid-19.

79,01%

é a atual taxa de ocupação dos leitos potenciais de UTI no ES

"Essa medida é prevista a partir do momento em que estivermos em uma situação de pré-colapso da rede hospitalar. Ao longo do ano, como não chegamos a esse cenário, o Estado conseguiu administrar a evolução da pandemia com o dimensionamento dos leitos", explicou Nésio Fernandes.

Nésio Fernandes

Secretário de Saúde do Espírito Santo

"A adoção do lockdown exige um alto grau de coesão social e medidas econômicas que apenas a União é capaz de suportar"

Sobre a complexidade de adotar a medida, o secretário destacou os impactos econômicos. "Para sustentar o fechamento de amplas atividades por, pelo menos, três ou quatro semanas, os países sempre contaram com o acompanhamento de agendas econômicas de lideranças nacionais", afirmou.

"Nós, no Brasil, não temos essas condições e fatores. Restrições amplas, como o lockdown, por três dias ou uma semana não são efetivas para combater a pandemia e interromper a curva de casos. Por isso, a decisão do nosso Governo é manter a aplicação da matriz de risco", esclareceu Nésio Fernandes.

MATRIZ DEVE MUDAR NAS PRÓXIMAS SEMANAS

No final de agosto do ano passado, o Governo Estadual passou a trabalhar com uma nova matriz de risco. O objetivo era permitir a "convivência" com a pandemia da Covid-19, classificando os municípios em risco baixo, moderado, alto ou extremo – cada classificação com regras específicas.

No entanto, essas definições acerca do que pode ou não funcionar devem sofrer mudanças nas próximas semanas. De acordo com o secretário Nésio Fernandes, haverá revisão nas medidas transversais (que valem para todo o Estado) e nas qualificadas (que valem para cada nível de risco).

"Para isso, teremos um amplo diálogo com a população, com técnicos e especialistas. O fato concreto é que essa nova fase de expansão da pandemia necessita de medidas para controlar a explosão potencial de casos no nosso Estado, a fim de que a gente continue sem colapsar", afirmou.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo SESA Coronavírus Coronavírus no ES Covid-19 espírito santo nesio fernandes Pandemia Lockdown

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.