ASSINE

Entenda o que provocou o aumento na ocupação de UTIs na Grande Vitória

Tempo frio contribui para o aumento das internações por síndrome respiratória; transferência de pacientes com Covid-19 do interior para a Grande Vitória também está entre os motivos para a redução das vagas disponíveis neste final de semana

Publicado em 05/07/2020 às 21h22
Novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com respirador no Hospital Jayme Santos Neves, na Serra.
Leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com respirador no Hospital Jayme Santos Neves, na Serra. Crédito: Reprodução/TV

O aumento da ocupação dos leitos UTI destinados ao tratamento de pacientes com quadro grave provocado pelo novo coronavírus na Grande Vitória tem pelo menos três explicações — incluindo a chegada do inverno, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

Neste domingo (5), a taxa de lotação das UTIs na região Metropolitana de saúde chegou a 89,8%. A ocupação média no Espírito Santo está em 86%.

O primeiro fator seria a transferência de pacientes com Covid-19 do interior para a Grande Vitória, que concentra o maior número de leitos, e, de acordo com a secretaria, tem apresentado redução do número de pacientes nos Pronto Atendimentos. 

O segundo motivo é a chegada do inverno. Segundo a Sesa, a estação mais fria contribui para um aumento natural das internações em hospitais por síndrome respiratória.

Por último, conta também a redução do isolamento social nos últimos dias, que tem impulsionado o aumento no número de casos da doença no Estado.

A taxa de ocupação de leitos no Estado e na Grande Vitória se comportando com certa estabilidade nos últimos dias. Além da Grande Vitória, a região de saúde Norte também tem situação similar, com a taxa beirando os 90%. 

Censo de Leitos de Covid-19 no ES - 05/07/2020

Neste domingo, 11 dos 28 hospitais no Espírito Santo (somando públicos e os privados e filantrópicos contratados) com vagas em UTIs para atendimento pelo SUS estavam lotados.

AUMENTO PODE LEVAR AO RISCO EXTREMO

Para se ter uma ideia do risco que o índice representa, a taxa de ocupação de leitos de UTIs é o fator determinante para que o governo do Estado decrete o início das medidas de risco extremo, similares ao lockdown. Para chegar a isso, seria preciso que a taxa ultrapassasse a marca de 90%.

Questionada por A Gazeta se com o aumento do índice novas medidas restritivas já podem ser adotadas, a Sesa informou que "é necessário acompanhar o comportamento da doença nos próximos dias para avaliar a consolidação ou não da tendência de aumento da taxa de ocupação".

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.