ASSINE

Em carta, coronéis da PM falam em insatisfação e cobram diálogo com governo do ES

Documento foi assinado por 15 dos 20 coronéis do alto comando da Polícia Militar e enviado ao secretário de Segurança Pública, Alexandre Ramalho, na última quarta-feira (1°). Veja a carta

Tempo de leitura: 6min
Vitória
Publicado em 03/12/2021 às 21h27
Quartel da Policia Militar do ES
Quartel da PMES: maioria da alto comando assina carta. Crédito: Carlos Alberto Silva

Em uma carta enviada ao secretário de Segurança Pública, Alexandre Ramalho, um total de 15 coronéis, dos 20 que fazem parte do Alto Comando da Polícia Militar do Espírito Santo (PMES), relatam insatisfação com a gestão da Corporação e cobram mais diálogo com o governo do Estado.

No documento, a que A Gazeta teve acesso, destacam-se alguns pontos:

  • Desmotivação e insatisfação com a gestão da Corporação;
  • Falta de diálogo com o governo do Estado;
  • Reclamações pela não concessão de reajuste salarial pleiteado;
  • Reclamação contra a criação de legislação para que os três mais altos cargos de comando da PM sejam de ocupação mais permanente, independente do prazo de aposentadoria;
  • Não participação do alto comando nas principais decisões que envolvem a corporação;
  • Alertas para um clima de insatisfação nos quadros da Corporação que poderia levar a uma nova paralisação;
  • Utilização de escalas especiais levando a excesso de trabalho dos PMs.

Veja a carta dos coronéis da PMES

Documento enviado por 15 coronéis para o secretário de Segurança Pública do ES

Enviada ao secretário nesta quarta-feira (1º), por volta das 14h30, a manifestação foi endossada pelos seguintes gestores da PM:

  • CEL QOCPM Alessandro Juffo Rodrigues - diretor de Administração de Frota
  • CEL QOCPM Alessandro Marin - diretor de Educação
  • CEL QOCPM Carlos Alberto Bariani Ribeiro - comandante do 5° Comando de Polícia Ostensiva Regional (CPOR)
  • CEL QOCPM Carlos Ney de Souza Pimenta - comandante de Policiamento Ostensivo Especializado
  • CEL QOCPM Edmilson Batista Santos - diretor de Saúde 
  • CEL QOCPM Evandro Teodoro de Oliveira - diretor do Ciodes Metropolitano
  • CEL QOCPM José Augusto Piccoli de Almeida - controlador da PMES
  • CEL QOCPM Laurismar Tomazelli -  comandante do 6° Comando de Polícia Ostensiva Regional (CPOR)
  • CEL QOCPM Moacir Leonardo Vieira Barreto Mendonça - Corregedor 
  • CEL QOCPM Marcelo Pinto Abreu - comandante do 1° Comando de Polícia Ostensiva Regional (CPOR)
  • CEL QOCPM Marcio Eugênio Sartório - diretor de Finanças 
  • CEL QOCPM Odilon José Pimentel - comandante de Policiamento Ostensivo Noroeste
  • CEL QOCPM Oscar Paterline Mendes - comandante de Policiamento Ostensivo Norte 
  • CEL QOCPM Paulo Cesar Garcia Duarte - diretor de Logística 
  • CEL QOCPM Robson Antonio Pratti - diretor de Direitos Humanos e Polícia Comunitária

DOIS EX-COMANDANTES ASSINAM CARTA

O documento foi assinado por dois ex-comandantes da PM. Um deles é o coronel Moacir Leonardo Vieira Barreto Mendonça, que assumiu no início da administração de Renato Casagrande, momento em que foi concedida anistia aos PMS. Em novembro de 2019 ele deixou o cargo, que foi assumido pelo coronel Márcio Eugênio Sartório, sucedido quatro meses depois pelo atual comandante, Douglas Caus, em abril de 2020.

O coronel Alessandro Marin também ocupou o cargo de subcomandante. Há ainda a assinatura do coronel José Augusto Piccoli de Almeida, que em 2018, quando ocupava o cargo de diretor de comunicação da PMES, fez um discurso defendendo melhores condições de salário para a tropa, gerando uma crise na cúpula da segurança estadual.

Ele foi indicado para ser o chefe do Estado Maior da Corporação na administração do coronel Barreto como terceiro homem mais forte no comando da PM, em 2019, responsável por todas as ações estratégicas que envolvem a tropa.

Comandante-geral da PM, o coronel Barreto retorna das férias nesta segunda
Comandante-geral da PM, o coronel Barreto retorna das férias nesta segunda. Crédito: Secom

FALTA DE DIÁLOGO

Um dos trechos da carta cita a falta de diálogo com o comando: “Por inúmeras vezes, solicitamos ao Comandante Geral a abertura do diálogo e a prática da liderança junto a seus Coronéis para compartilhar os assuntos estratégicos e de interesse da Corporação. Porém, não houve êxito até o momento, com a omissão dessa assessoria ou procrastinação de soluções institucionais sugeridas”.

Cita ainda que prerrogativas do Alto Comando da PM, tem a função de assessoramento, não estariam, sendo respeitadas. “Prerrogativas do posto, concursos públicos, processos legislativos, direitos dos militares estaduais, procedimentos administrativos e operacionais, são temas proeminentes e não tratados pelo nível estratégico da PMES”.

Em outro ponto acrescentam: “Atualmente, essa atribuição tem sido menosprezada e, enquanto colegiado, estamos afastados desse processo”. Para a reportagem foi informado que no ano de 2020 ocorreram poucas reuniões e que em 2021, até o momento, nenhuma foi realizada.

"INQUIETAÇÃO"

No documento é feita menção à greve de 2017, sem citar o evento, diretamente, ao se referir ao "clima de inquietação na tropa". “Sobressalta uma inquietação em vários níveis, que tem sido vivenciada no dia a dia desse colegiado da Corporação. A preocupação maior é certamente a formação de um cenário, já presenciado em tempo pretérito, onde a ausência de diálogo conduziu a consequências inesquecíveis e danosas para toda Corporação”.

No texto são citadas as escalas extras, que vêm sendo executadas pelos militares e remuneradas pela Indenização Suplementar de Escala Operacional (Iseo). “Já se identificam queixas de excesso de trabalho e que conduzem nosso policial ao estresse e ao cansaço físico, trazendo prejuízos ao desempenho da atividade policial militar e problemas de ordem familiar”.

Há ainda reclamações em relação ao reajuste salarial. “Somos uma das polícias mais mal remuneradas do país (últimas posições em 27 estados) e com previdência divergente do Sistema de Proteção Social (lei 13.954), com abate teto consumindo a remuneração dos nossos postos, deixando no mesmo patamar um coronel aposentado e um major da ativa antigo. Um soldado está penando para pagar suas contas. Tudo isto num estado com nota A no tesouro”.

Comandante da Polícia Militar do Espírito Santo, coronel Márcio Eugênio Sartório
Ex-comandante da Polícia Militar do Espírito Santo, coronel Márcio Eugênio Sartório. Crédito: Reprodução/TV Gazeta

Outro ponto abordado faz referência a elaboração de uma legislação que permitiria a cúpula da PM permanecer no cargo, mesmo quando chegasse o momento da aposentadoria. “De forma inversa, importantes assuntos têm chegado ao conhecimento dos coronéis, por via externa corporis (redes sociais) e por subordinados dos níveis tático e operacional como exemplo a construção de legislação sobre permanência dos ocupantes dos cargos de comandante, subcomandante e chefe do estado Maior, após o término do tempo de serviço, do qual discordamos veementemente”.

E declaram a sua insatisfação: “Os coronéis que aqui subscrevem se mantêm fiéis a seu papel de assessoramento e compromisso institucional, entretanto, a forma de condução dos assuntos aqui tratados proporcionam uma desmotivação e insatisfação que se auto propaga internamente. Dessa feita, não resta outra alternativa, por condução a este estado de alerta, requerer uma reunião presencial e colaborativa com vossa excelência, em regime de urgência”.

REUNIÃO E INSATISFAÇÃO

Após o envio da carta, já às 15h30 desta quinta-feira (2), os 20 coronéis do Alto Comando se reuniram no Quartel da PM, em Maruípe. Informações obtidas pela reportagem dão conta de que a reunião não ocorreu de forma pacífica.

À reportagem foi dito que o comandante da PMES, coronel Douglas Caus, não recebeu cópia do documento, somente foi informado que uma carta seria enviada ao secretário de segurança.

Alguns militares informaram à reportagem que a ação dos 15 coronéis, com a carta, pode ser interpretada como uma transgressão à disciplina militar.

O QUE DIZ A SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

A Secretaria de Estado da Segurança Pública, por nota, informa que o documento do alto comando da Policia Militar foi encaminhado ao secretário Alexandre Ramalho, que por sua vez o destinou ao comandante-geral da PM. “Instância a qual o mesmo deveria ter sido endereçado. O conteúdo será avaliado”, informa o texto da nota.

Em relação ao reajuste, a Sesp informa que o governo está cumprindo rigorosamente o cronograma aprovado na negociação salarial em 2019.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Sesp Polícia Militar Greve da PM

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.