ASSINE

Covid-19: projeto da Ufes desenvolve teste com diagnóstico em 15 minutos

Diferente dos testes já disponíveis, a tecnologia envolve espectroscopia de infravermelho coletado na saliva

Publicado em 18/06/2020 às 19h24
Atualizado em 19/06/2020 às 08h05
Swab para teste de Covid-19
Cotonete estéril será utilizado para a testagem. Crédito: Pixabay

Um projeto da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) trabalha para concluir um estudo que deve possibilitar resultado dos testes para a Covid-19 em 15 minutos. Diferente dos testes já disponíveis, a tecnologia envolve espectroscopia de infravermelho coletado na saliva. Segundo pesquisadores, a técnica é de baixo custo e não invasiva. A iniciativa da Ufes acontece com a colaboração de outras universidade do Brasil e uma da Inglaterra.

Após a coleta, realizada no Hospital Universitário, por meio de um cotonete estéril, também conhecido como swab, o material é analisado por um software capaz de identificar alterações feita pelo vírus no corpo humano. A luz infravermelha interage com as estruturas moleculares da amostra, gerando um sinal.

Durante o CBN Cotidiano, da Rádio CBN Vitória, desta quinta-feira (18), aos jornalistas Fábio Botacin e Lucas Valadão, o médico e professor da Ufes, José Geraldo Mill, conta que o estudo está sendo elaborado a partir de materiais dos pacientes que testam positivo e negativo para o novo coronavírus.

"Estamos coletando materiais de quem tem e quem não tem o vírus para que os profissionais ensinem o software a identificar os sinais de uma presença do vírus. Modificações que sejam características do vírus", relata.

O professor ainda diz que o equipamento para a identificação da presença do vírus custa cerca de R$ 7 mil. Segundo Mill, não se pode concluir sobre uma maior margem de acerto, já que "nenhum teste é 100% seguro". A diferença é que o infravermelho é mais simples e pode ser aplicada, caso tenha sucesso, para outras doenças, como influenza.

Segundo o médio, o projeto "nasceu antes da pandemia". Um grupo com mais de 10 colaboradores da Ufes "trabalha com testes de diagnóstico. Todos voltados para a identificação de uma molécula", explicou.

Responsável por milhares de mortes no Brasil, a pandemia do novo coronavírus, desde o início do seu avanço, tem gerado uma ansiedade por uma vacina e uma forma de imunização.

Diante do medo de ter ou não contraído o vírus, podendo colocar outras pessoas em risco, os testes, mesmo que com preço alto, são procurados por parte da população. A alta demanda preocupa entidades de saúde e governos, que não estão preparados para um programa de alta testagem, recomendado ao redor do mundo.

Segundo José Geraldo Mill, o projeto pode "diminuir a sobrecarga" quanto a procura do RT-PCR.

Sobre as mutações do vírus, que afetou grande parte do mundo, o médico alerta para suas variações.

"O espectro da doença é muito variável. Ele pode ser considerado com alta capacidade de infecção e o que chamou atenção é o tempo de permanência da partícula, seja no ar ou em superfícies. É uma doença novo e que conhecemos muito pouco", completou.

Ao passo que amostras são contabilizadas, a equipe de informática trabalha para adaptar o software ao objetivo do projeto. Segundo José Geraldo Mill, dentro de um mês, o sistema de tecnologia será finalizado. A conclusão não garante a testagem imediata.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde UFES Hospitais Coronavírus Coronavírus no ES Covid-19 medicina tecnologia Ciência Hucam

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.