ASSINE

Covid-19: ES reduz intervalo da dose de reforço em idosos com mais de 60 anos

Nova dose será administrada cinco meses após a data da última aplicação. Isso vale tanto para quem tomou duas doses ou a dose única, da fabricante Janssen

Vitória
Publicado em 14/09/2021 às 19h41
Vacina Astrazeneca
Dose extra poderá ser aplicada cinco meses após segunda dose ou dose única . Crédito: Carlos Alberto Silva

O governo do Espírito Santo reduziu para cinco meses o intervalo de tempo de aplicação da dose de reforço contra a Covid-19 em idosos a partir de 60 anos. A medida vale tanto para quem tomou duas doses da vacina quanto quem tomou a dose única, da fabricante Janssen. Até então, a dose de reforço era destinada para a população acima de 70 anos, com intervalo de seis meses após a última aplicação.

A decisão foi publicada por meio de resolução da Secretaria do Estado de Saúde (Sesa) nesta segunda-feira (13). O anúncio também foi feito pelo governador Renato Casagrande (PSB) nas redes sociais.

De acordo com a resolução, a mudança considera a “elevada vulnerabilidade da população idosa”, que apresenta as “maiores taxas de incidência e letalidade” da Covid-19 mesmo após a vacinação. Segundo o texto, a dose de reforço é uma forma de amplificar a resposta imune dessa faixa etária.

“Os idosos apresentaram menor proteção pelo esquema padrão da vacinação aos mais diversos tipos de imunizantes e com a dose de reforço há a possibilidade de amplificar a resposta imune com doses adicionais de vacinas Covid-19”, diz um trecho do texto, que é assinado pelo secretário de Saúde em exercício, José Maria Justo.

O documento ainda indica que a vacina a ser utilizada na dose de reforço deve ser, preferencialmente, a da fabricante Pfizer. Como alternativa, podem ser usadas as vacinas da Janssen ou Astrazeneca.

A diferença entre os imunizantes é a forma como eles são produzidos. A Pfizer utiliza uma tecnologia de replicação de sequências de RNA, o que deixa o processo mais barato e mais rápido. Já a Janssen e a Astrazeneca são vacinas de vetor viral, que usam uma versão enfraquecida do vírus (mas que não causa a Covid-19) para produzir proteínas do coronavírus.

Todas as vacinas são aprovadas pela Anvisa e têm eficácia comprovada.

VACINAÇÃO DE ADOLESCENTES

Em uma outra resolução, a Sesa também aprovou o início da vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos. Nessa faixa etária, a imunização segue a seguinte ordem de prioridade:

  1. Adolescentes de 12 a 17 anos com deficiências permanentes, com comorbidades, privados de liberdade, gestantes, puérperas e lactantes;
  2. Adolescentes de 15 a 17 anos sem comorbidades.

A vacina utilizada deve ser exclusivamente a Pfizer. Os adolescentes de 12 a 14 anos sem comorbidades vão ser vacinados após a conclusão desses grupos prioritários.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.