ASSINE

Covid-19: entenda por que a variante Delta deixa o Brasil em alerta

Antes chamada de B.1.617.2, a variante é motivo de preocupação para pesquisadores e especialistas ao redor do mundo, inclusive no Brasil

Publicado em 29/06/2021 às 02h00
O vírus Sars-Cov-2, também conhecido como o novo coronavírus
Variantes indiana do coronavírus, conhecida como Delta, é mais transmissível e engana o sistema imunológico,  segundo especialistas.  . Crédito: Freepik

Detectada originalmente na índia, a variante Delta, antes chamada de B.1.617.2, foi identificada pela primeira vez em outubro de 2020. Agora, com registros em mais de 90 países, a cepa é motivo de preocupação para pesquisadores e especialistas ao redor do mundo, inclusive no Brasil, que tem apenas pouco mais de 12% de sua população totalmente vacinada.

Assim como as variantes descobertas no Brasil (P.1)Reino Unido (B.1.1.7) África do Sul (B.1351), a variante indiana apresenta uma modificação na proteína que fica na superfície do vírus, responsável por se conectar aos receptores das células humanas e dar início à infecção.

Uma variante é resultado de modificações genéticas que o vírus sofre durante seu processo de replicação. Um único vírus pode ter inúmeras variantes. Quanto mais o vírus circula – é transmitido de uma pessoa para outra –, mais ele faz replicações, e maior é a probabilidade de modificações no seu material genético.

Segundo a professora doutora em Epidemiologia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Ethel Maciel, no caso da Delta, além da maior transmissibilidade, tem outra fator que preocupa os especialistas.

Ethel Maciel

Epidemiologista

"Essa variante tem um conjunto de modificações que fazem com que ela escape ao nosso sistema imunológico. É como se ela enganasse o nosso sistema imunológico, que não consegue reconhecer essa variante como o Sars-Cov original"

Ethel acrescenta ainda que, por ser mais transmissível que as demais variantes e escapar do sistema imunológico, isso impacta diretamente no cálculo da cobertura vacinal necessária para o controle da pandemia no Brasil.

“Quando temos um vírus que é mais transmissível, temos que vacinar mais pessoas. Então, aquele cálculo inicial que foi feito Ministério da Saúde de que era necessário vacinar 70% da população para ter a pandemia controlada, precisa ser refeito. Agora, por causa da variante, vamos precisar vacinar 80 a 90% da população. Isso é uma complexidade a mais na campanha de imunização do país”, explicou.

PREOCUPAÇÃO GLOBAL

Apesar de ter sido identificada no ano passado, foi somente no dia 10 de maio de 2021 que a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a variante Delta como “preocupação global”. 

"Existe alguma informação disponível que indica uma transmissibilidade acentuada", disse a líder técnica da OMS, Maria van Kerkovh, durante anúncio.

Aqui no Brasil, o Ministério da Saúde confirmou, neste domingo (27), duas mortes causadas pela variante delta no país. Segundo a pasta, o primeiro caso foi registrado no Paraná, em abril. Trata-se de uma gestante de 42 anos, residente do Japão que veio para o Brasil.

A outra morte foi a de um homem de 54 anos que era tripulante do navio chinês MVS Shandong. Ele estava internado há 43 dias na rede privada de saúde em São Luís, no Maranhão. O paciente, segundo o Ministério da Saúde, passou a apresentar sintomas no dia 13 de maio e testou positivo para a covid-19 no dia 17.

Para Ethel, o Brasil já vive uma terceira onda da doença com influência da variante Delta no Brasil. Prova disso foi a explosão de casos de covid-19 registrados em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná nos meses de abril e maio deste ano.

Ethel Maciel

Epidemiologista

"Nós já estávamos falando que estava acontecendo alguma coisa diferente no Sul do Brasil, quando em abril e maio começou a ter um aumento de casos. Antes dessa explosão, já tínhamos alertado o Ministério da Saúde, pois a Argentina já tinha identificado casos da variante Delta e comunicado ao Brasil. No entanto, não houve nenhuma ação de vigilância nas fronteiras, principalmente nas terrestres. Dessa forma, vimos um aumento muito expressivo dos casos no Sul do país, colapsando os serviços de saúde, o que não tínhamos visto antes"

PROTOCOLOS MANTIDOS 

Segundo o infectologista Lauro Ferreira Pinto, outra preocupação é que ainda não existem estudos que comprovem a eficácia das vacinas diante das novas variantes, sendo fundamental a manutenção dos protocolos de higienização e segurança, como o uso da máscara e o distanciamento social por todos, inclusive pelas pessoas já imunizadas.

“Essas são medidas que se mostraram eficazes em qualquer lugar do mundo. A melhor prevenção é impedir a contaminação, e por isso, a máscara usada de forma correta e o distanciamento social se mostram tão eficazes”, acrescenta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Coronavírus Covid-19 Brasil Brasil Brasil Ministério da Saúde Pandemia Vacina Mutação do Coronavírus

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.