ASSINE

Coronavírus: Ufes não tem prazo para retornar com as aulas presenciais

Universidade vai manter a suspensão das aulas, cujo prazo vencia no próximo dia 30

Publicado em 27/04/2020 às 20h47
Atualizado em 28/04/2020 às 00h07
Data: 05/01/2020 - ES - Vitória  - Reitoria da Ufes- Editoria: Cidades - Ricardo Medeiros - GZ
Reitoria da Universidade Federal do ES. Crédito: Ricardo Medeiros

Não há prazo definido para a retomada das aulas presenciais na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). A suspensão das atividades, estabelecida para até o próximo dia 30, será prorrogada para uma nova data, acompanhando as medidas do governo do Espírito Santo em relação ao calendário estadual.

De acordo com o reitor Paulo Vargas, a universidade deverá acompanhar as medidas de controle da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) adotadas pelo governador Renato Casagrande, e ainda pelo município de Vitória. 

“Assim que houver uma manifestação do governador, defino a nova data limite para a suspensão das atividades presenciais na universidade. Uma decisão que será submetida ao Conselho Universitário, posteriormente”, explicou.

Em relação ao calendário acadêmico do primeiro semestre de 2020, o reitor informou que ele será mantido, estando suspensas apenas as atividades presenciais.

“Existem outras atividades realizadas, com as limitações impostas pela pandemia, como orientação de trabalhos finais, de teses, de dissertações de mestrado, atividades de pesquisa. Existem várias atividades no âmbito acadêmico que não foram interrompidas”, assinalou.

A expectativa, segundo ele, é de que o calendário possa ser retomado ao final desta fase de isolamento social. “Ele pode ser estendido, readequado nos prazos para incluir a reposição das aulas. Vamos ter que acompanhar as próximas decisões da área de saúde, em relação à pandemia, para avaliarmos”, explicou.

Ele observa que a Ufes precisa continuar funcionando, destacando o papel social que possui, com pesquisas e trabalhos sendo desenvolvidos durante a pandemia. “É importante mobilizar os estudantes na discussão de vários temas, como iniciativas de apoio a prevenção e ao combate à Covid-19. Todos precisam colaborar e buscar soluções e a universidade é um centro de conhecimento e excelência”, ponderou. 

PESQUISA

A universidade também avalia a realização de uma pesquisa com o corpo de alunos e professores sobre o período de isolamento social. De acordo com o reitor, a decisão de suspender as atividades presenciais sem o oferecimento de aulas à distância veio da constatação de que nem todos os estudantes estavam prontos para um novo modelo de aprendizagem.

Vargas relata que parte dos alunos da universidade não possui condições tecnológicas para uma educação à distância, que inclui internet adequada, equipamentos e espaço para estudar.

A pesquisa também deve avaliar ainda outras questões relacionadas à pandemia e ao isolamento social. “Qual a real percepção deles do isolamento social? Como estão lidando com a situação? Qual a disponibilidade e meios dos estudantes para participar de ações de ensino à distância? São algumas das questões que precisam de respostas”, pondera o reitor.

As informações  vão ajudar a universidade  após período crítico da pandemia passar. “Não se pode imaginar que tudo voltará a ser igual após o isolamento social. Talvez seja necessário adotar turnos, com revezamento, para não manter todos os alunos em sala de aula. Teremos que ter novas condutas para o convívio social. Questões que ainda estão sendo discutidas e que vão demandar muitas informações”, assinalou.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.