ASSINE

Contaminados com Covid-19 no ES lotariam 5 estádios como o Kleber Andrade

Estádio localizado em Cariacica tem lotação máxima de 19.600 lugares. Doença que chegou ao Espírito Santo em fevereiro se alastrou para todas as regiões capixabas

Publicado em 17/08/2020 às 18h58
Atualizado em 17/08/2020 às 22h49
Estádio Kleber Andrade, que pertence ao governo do Estado
Estádio Kleber Andrade, localizado em Cariacica, tem  19.600 lugares . Crédito: Bernardo Bracony/TV Gazeta

Covid-19 já faz parte da história de mais de 100 mil pessoas no Espírito Santo - total da população infectada pelo coronavírus. Identificada pela primeira vez na Ásia no final de 2019, a nova doença correu o mundo e chegou ao Estado em fevereiro de 2020. Desde então, tem se alastrado para todas as regiões capixabas dividindo o grupo de doentes entre curados e mortos. 

Para se ter uma dimensão do alcance que o vírus tomou, se todos os contaminados fossem reunidos em um mesmo espaço, as 100.859 pessoas que testaram positivo para a Covid-19 lotariam pelo menos cinco estádios como o Kleber Andrade, em Cariacica, que tem 19.600 lugares.

A marca dos 100 mil casos confirmados de coronavírus foi atingida no Espírito Santo nesta segunda-feira (17). Neste mesmo dia, 2.907 mortes provocadas pelo vírus também foram contabilizadas e outras 86.214 pessoas são classificadas como curadas, segundo informações do Painel Covid-19, ferramenta administrada pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa)

Para efeito comparativo, o número de contaminados equivale ao público de 50 agremiações de uma escola de samba com a estrutura da Boa Vista, que tem em média 2 mil integrantes, por exemplo. Já o quantitativo de curados corresponde a seis vezes a  lotação máxima de setores do Sambão do Povo, em Vitória. 

VEJA COMPARATIVO

Esses números atestam o potencial nocivo da pandemia no Espírito Santo, destaca o presidente do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), Pablo Lira. Mas, segundo ele, medidas restritivas, como suspensão das aulas presenciais e o fechamento do comércio não essencial, contribuíram para que o Estado pudesse frear o ritmo de contágio.

Pablo Lira

Presidente do Instituto Jones dos Santos Neves

"Esse número representa o elevado potencial de transmissão da doença. Em abril, 10 contaminados infectavam outras 35 pessoas. Com ações restritivas do governo e a adoção de medidas por parte da população, conseguimos reduzir essa taxa"

A doutora em Saúde Coletiva e Epidemiologia e professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Ethel Maciel, também destaca a  elevada velocidade de contaminação do vírus. Na avaliação dela, 100 mil contaminados é um "número expressivo".

Ethel Maciel

Epidemiologista

"A letalidade dessa doença não é grande, o problema maior é a explosão de casos, porque ela contamina muito rápido as pessoas"

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.