ASSINE

Chuvas que atingiram o Espírito Santo deixam 1.745 pessoas fora de casa

Boletim da Defesa Civil Estadual, emitido na manhã desta terça-feira (11), aponta para 1.378 desalojados e 367 desabrigados após chuvas no Estado; Castelo é o município com mais afetados

Tempo de leitura: 2min
Vitória
Publicado em 11/01/2022 às 12h30
Bairro Olaria, próximo do Rio Doce, em Linhares, sofre com alagamento
Bairro Olaria, próximo do Rio Doce, em Linhares, sofre com alagamento. Crédito: Eduardo Dias

As chuvas que atingem o Espírito Santo desde o final de semana fizeram com que 1.745 pessoas tivessem que deixar as casas delas. Conforme boletim divulgado pela Defesa Civil Estadual nesta terça-feira (11), são 1.378 desalojados (quando a pessoa pode ter ido para a casa de vizinhos ou parentes) e 367 desabrigados (quando a pessoa não tem para onde ir e depende de um abrigo).

O levantamento da Defesa Civil indica que dez municípios possuem desalojados ou desabrigados. Conforme o documento, não há registro de desaparecimentos, pessoas feridas ou mortas no Estado por conta das chuvas. Castelo, no Sul do Estado, foi o município mais afetado, com 818 pessoas atingidas, entre desalojados e desabrigados.

  • Afonso Cláudio: 12 desalojados e 11 desabrigados
  • Alegre: 2 desalojados
  • Apiacá: 18 desalojados e seis desabrigados
  • Bom Jesus do Norte: 723 desalojados e 24 desabrigados
  • Castelo: 610 desalojados e 208 desabrigados
  • Colatina: um desalojado
  • Ibatiba: 60 desabrigados
  • Linhares: 26 desabrigados
  • Mimoso do Sul: 12 desalojados
  • Muqui: quatro desabrigados

Este vídeo pode te interessar

O boletim detalha também que nos municípios de Afonso Cláudio, Bom Jesus do Norte, Castelo, Linhares e Muqui já há abrigados para as pessoas afetadas.

Colatina e Linhares, porém, ainda estão em situação delicada. O boletim da Defesa Civil Estadual traz que os municípios possuem alertas de risco hidrológico muito alto. Castelo, cidade com o maior número de pessoas afetadas pelas chuvas, tem dois alertas de moderados em vigência, para risco hidrológico e risco de movimento de massas.

 Rio Doce, em Colatina, no Noroeste do Espírito Santo, ultrapassou a cota de alerta
Rio Doce, em Colatina, no Noroeste do Espírito Santo, ultrapassou a cota de alerta. Crédito: Gabriela Fardin

Das cidades que possuem pessoas desalojadas ou desabrigadas, oito possuem alertas do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) em vigência. Ao todo, há 32 avisos para municípios do Estado.

  • Colatina: risco hidrológico muito alto
  • Linhares: risco hidrológico muito alto
  • Ibatiba: risco alto de movimento de massas
  • Alegre: risco hidrológico alto
  • Castelo: risco moderado de movimento de massas e hidrológico
  • Muqui: risco moderado de movimento de massas
  • Mimoso do Sul: risco moderado de movimento de massas
  • Afonso Cláudio: risco moderado de movimento de massas e hidrológico

O boletim detalhou também que Mimoso do Sul foi a cidade no Espírito Santo com o maior acumulado de chuvas das últimas 24 horas, com 22,60 milímetros. Afonso Cláudio (20,82 mm), Guaçuí (18 mm), Colatina (13,19 mm), Santa Teresa (12,20 mm) e Iúna (12 mm) fecham a lista.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.