ASSINE

Aumento de casos de Covid no ES coloca 35 cidades em risco moderado

Crescimento no número de infectados pelo coronavírus pressiona o sistema de saúde, elevando a taxa de ocupação de leitos de UTI e, consequentemente, o risco

Vitória
Publicado em 27/11/2020 às 19h11
Atualizado em 28/11/2020 às 00h40
33º mapa de risco da Covid-19 no ES
O novo mapa de risco para a Covid-19 engloba toda a Grande Vitória e alguns dos municípios mais populosos no interior do ES. Crédito: Governo do ES

O aumento no número de casos de Covid-19 no Estado, que vem sendo registrado desde outubro, coloca agora 35 municípios em risco moderado de transmissão da doença no mapa do Espírito Santo. Além de Vitória, Cariacica, Viana, Barra de São Francisco e Ecoporanga, que já estavam neste estágio durante esta semana, mais 30 cidades registraram piora em seus indicadores e deixaram o risco baixo de contágio. Os dados foram apresentados pelo governador Renato Casagrande em pronunciamento no início da noite desta sexta-feira (27). 

"Praticamente todos os dias o número de casos identificados está sempre acima de 1.000. A média é de 1.100, nos últimos 14 dias. Quando você tem mais pessoas identificadas, você passa a ter mais pessoas internadas. Parte dessas pessoas precisa de atendimento hospitalar e, infelizmente, há um aumento no número de pessoas que perdem a vida. É o que temos assistido nas últimas semanas. Chegamos a ter a oito ou nove óbitos de média de 14 dias; agora estamos próximos de 15. Quase dobramos. Isso mostra que estamos tendo uma segunda fase da onda. Há uma nova pressão", enumera Casagrande. 

O novo mapa de risco, que terá vigência de segunda-feira (30) a domingo (6), engloba toda a Grande Vitória e outros grandes municípios no interior do Estado, como Cachoeiro de Itapemirim (Sul) e Linhares (Norte), ou seja, mais da metade da população capixaba em situação de maior vulnerabilidade diante da Covid-19.

A classificação de risco é representada por cores e, depois de um curto período em que o verde ocupava praticamente todo o mapa, agora o Espírito Santo voltou a "amarelar", como ressalta o governador, indicando que a possibilidade de transmissão da doença aumentou. 

"O mapa começou a amarelar. Ele estava praticamente todo verde há 15 dias. Isso mostra que a pandemia está crescente", frisa Casagrande.

33º mapa de risco da Covid-19 no ES - comparativo semanal
O número de cidades em risco moderado salto de cinco para 35 no Espírito Santo . Crédito: Governo do ES

A mudança significativa no mapa é resultado do aumento da pressão sobre o sistema de saúde, uma vez que, com o crescimento do número de infectados, mais pessoas têm sido internadas. A taxa de ocupação dos leitos de UTI é um indicador de vulnerabilidade que, associada a três tipos de ameça nos municípios - casos ativos, média móvel de óbitos e testagem da população -, determina a classificação de risco das cidades. 

"Nos hospitais gerenciados pelo governo do Estado chegamos a ter 280 pessoas internadas em UTI. Hoje, já estamos com 367. Quase 100 pessoas a mais. Isso fez com que nós passássemos dos 50% de ocupação dos leitos potenciais. Sempre que passamos desse nível, a nossa matriz de risco muda, por causa da vulnerabilidade. Estamos com mais de 51%", aponta Casagrande.

Em ocupação abaixo de 50% dos leitos potenciais (total da oferta a que o Estado pode chegar), o Espírito Santo é classificado como adequado; de 50 a 80%, passa-se ao alerta; de 80 a 90%, situação crítica; e, acima desse índice, chega-se ao plano de crise. No auge da pandemia, o Estado alcançou o terceiro estágio. Em reportagem na última segunda-feira (23), A Gazeta já alertava para a possibilidade de mudança no mapa de risco devido a taxa de utilização das UTIs.  Na semana passada (20), o indicador estava em 49,2 e, nesta sexta, chegou a 51,33. 

Taxa de contaminação da Covid-19
 Taxa de contaminação da Covid-19 na Grande Vitória. Crédito: IJSN/NIEE

TAXA DE TRANSMISSÃO

A taxa de transmissão do novo coronavírus do Estado alcançou a marca de 1,16, que indica que dez pessoas podem contaminar outras 12. Apesar da queda em relação à semana anterior, ela tem se mantido estável acima de 1, de forma mais significativa, pela quarta semana consecutiva.

No interior do Espírito Santo a taxa de contágio foi de 1,5 para 1,31, o que representa dez pessoas contaminando outras 13. A situação da contaminação não é diferente na Grande Vitória, onde o indicador passou de 1,32 para 1,02.

Taxa de contaminação da Covid-19
Taxa de contaminação da Covid-19 em todo o Estado. Crédito: IJSN/NIEE

Pablo Lira, diretor de Integração e Projetos Especiais do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), observa que o indicador estar acima de 1 indica o contágio da doença. “Há uma estabilização da taxa, com pequenas alterações, mas acima de 1”, diz, destacando que o cálculo da taxa de transmissão considera os dados consolidados de duas semanas passadas.

Com isto, os casos confirmados da doença e os óbitos, que estão em tendência de crescimento nos últimos quinze dias, ainda não refletiram no indicador. “Com o número de casos confirmados em ascensão e a tendência de crescimento de óbitos, na próxima semana a tendência é de uma taxa de transmissão mais elevada, mostrando a velocidade do contágio”, explica.

As projeções do avanço da doença, para as próximas semanas, indicam que no dia 12 de dezembro o Espírito Santo estará em um cenário que contempla uma faixa de casos confirmados da Covid-19 variando entre 205 mil a 215 mil. Cenário que considera, segundo Lira, a referência das últimas semanas.

Lira destaca que antes em setembro a taxa de transmissão da doença estava abaixo de 1, com um ritmo de contágio diminuindo. “Mas nas últimas quatro semanas a taxa chegou a 1,3, a 1,4, o que indica que a está aumentando a velocidade do contágio”, observa.

Só para se ter uma ideia, nas projeções feitas para o dia 28 de novembro apontavam que nesta data estaríamos em um cenário com casos confirmados variando entre 179 mil a 183 mil. Segundo as informações do painel Covid desta sexta-feira (27), o Espírito Santo já possui 186.574 casos confirmados, entrando no pior cenário projetado, quando estaríamos na faixa entre 184 mil a 189 mil casos.

Projeção de óbitos da Covid-19 para 12/12
Crédito: IJSN/NIEE

MORTES

Em relação aos óbitos, as projeções apontam que em 12 de dezembro deveremos chegar a faixa entre 4.402 a 4.472 mortes. Hoje, segundo as informações do painel Covid desta sexta-feira (27), o Espírito Santo já possui 4.224 mortes.

Dentre os fatores que levaram ao aumento do contágio, destaca Lira, está a ampliação da testagem. Mas ela sozinha não foi a responsável pelo crescimento dos casos confirmados.

"Houve um reflexo expressivo dos períodos de feriados prolongados e a campanha eleitoral. “O aumento do contágio foi impulsionado pelo feriado de prolongado de 7 de setembro, na sequência, o de 12 de outubro, e ainda pelos eventos ligados ao processo eleitoral, que ampliaram a aglomeração de pessoas”, destaca Lira.

Lira avalia que estamos em um momento de muita atenção para manter o controle da doença. “É preciso todo cuidado para frear o aumento dos casos confirmados da doença, que já está pressionando o sistema de saúde, com o crescimento de leitos de UTIs ocupados. Eles podem repercutir ainda no aumento do número de óbitos, que já apresenta uma tendência de crescimento”, assinala.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.