ASSINE

Após paralisação, ônibus voltam a circular na Grande Vitória

Desde o início desta sexta (10), os coletivos estavam impedidos de sair das garagens em um protesto do Sindicato dos Rodoviários (Sindirodoviários), pedindo a volta dos cobradores nos ônibus

Publicado em 10/09/2021 às 07h48
Movimentação nas ruas de Vitória nesta sexta-feira com o protesto dos rodoviários
Movimentação nesta sexta-feira com o protesto dos rov. Crédito: Fernando Madeira

Depois de pegar a população de surpresa, a paralisação dos rodoviários foi encerrada e os ônibus do Sistema Transcol voltaram a circular nesta sexta-feira (10). Desde o início da manhã, os coletivos estavam impedidos de sair das garagens em um protesto do Sindicato dos Rodoviários (Sindirodoviários), pedindo a volta dos cobradores nos ônibus.

Após paralisação, terminais e pontos da Grande Vitória amanhecem lotados

Por volta das 7h, o ato foi suspenso e os veículos começaram a sair das garagens. Até este horário, rodavam somente os ônibus que integram o sistema 'Mão na Roda' e coletivos da Viação Sanremo, que seguem com cobradores.

Ponto de ônibus em Vitória lotado
Ponto de ônibus lotado nesta sexta-feira na Vila Rubim, em Vitória. Crédito: Fernando Madeira

Durante as primeiras horas da manhã, sem a circulação dos coletivos, o que se viu pelas ruas foram pontos de ônibus com muita gente atrasada para o trabalho.

Ônibus começam a sair das garagens na manhã desta sexta-feira (10)

O Sindicato dos Rodoviários vêm realizando protestos em sequência pedindo a volta dos cobradores que foram afastados durante a pandemia da Covid-19. Nesta quinta-feira (9), uma passeata foi realizada pelas ruas de Vitória. Neste ato, saíram da sede do sindicato na Avenida Vitória e foram até o Palácio Anchieta, no Centro.

"AÇÃO DESPROPORCIONAL", DIZ SECRETÁRIO

Em entrevista à TV Gazeta, o secretário de Estado de Mobilidade Urbana e Infraestrutura (Semobi), Fábio Damasceno, criticou o ato que chamou de "desproporcional". Segundo ele, o sindicato prejudica a população fazendo manifestações como essa. 

"Mais uma vez uma ação desproporcional e sem sentido que só prejudica a população. Por que avisaram que dia 13 vai ter uma paralisação dos tanqueiros, dos caminhões, e no Sistema Transcol não existe nenhum aviso? O sindicato não tem responsabilidade fazendo esse tipo de manifestação", disse. 

Perguntado sobre a reivindicação do sindicato, que pede o retorno dos cobradores e alega que os mesmos têm a função de auxiliar o motorista durante a viagem, o secretário rebateu. Disse que isso é algo deturpado pela entidade, e que com a chegada das novas tecnologias não há mais a necessidade da função do cobrador dentro dos ônibus. Ainda assim, disse que alguns devem retornar no próximo ano e que as empresas estão oferecendo cursos de qualificação para os demais. 

"O cobrador fazia somente a cobrança da passagem. Hoje, o sindicato está deturpando essa visão, falando que o cobrador era auxiliar. O próprio sindicato nunca deixou o cobrador fazer nenhuma outra função, pois falavam que era desvio de função. Nós temos fiscais e outros auxiliares que trabalham dentro do Transcol. E hoje a tecnologia veio para auxiliar a população com mais de 300 postos de revenda. Então, você não tem a necessidade da função do cobrador propriamente dentro dos ônibus", disse. 

"NÃO VÃO VOLTAR NESTE MOMENTO", AFIRMA SECRETÁRIO 

E completou: "Não vão voltar neste momento. Nós temos um plano de ação. Precisamos fazer toda a vacinação completa. Nós falamos que temos disposição do retorno de alguns cobradores em alguns ônibus a partir do ano que vem, onde devemos ter uma redução maior da pandemia". 

Sobre a fala de representantes do sindicato de que, caso a pauta da entidade não seja atendida, novas paralisações serão realizadas, o secretário foi enfático em dizer que tanto o governo estadual quanto as empresas de transporte irão acionar a Justiça para evitar que novos protestos como esse aconteçam.

"Por meio judicial. Nós estamos junto com a Procuradoria-Geral do Estado, com as próprias empresas prestadoras de serviços, em ações judiciais para impedir esse tipo de abuso contra a população da Região Metropolitana. Nós não podemos ter isso mais aqui no sistema de transporte", concluiu.

Atualização

10 de Setembro de 2021 às 08:40

Após a publicação da reportagem, o posicionamento do secretário de Estado de Mobilidade Urbana e Infraestrutura (Semobi), Fábio Damasceno, foi incluído na matéria. 

A Gazeta integra o

Saiba mais
Sistema Transcol sindirodoviários Protestos

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.