ASSINE

Dia do Rock: Hugo Bonemer relembra trajetória com o gênero

Ator já protagonizou em "Rock in Rio - O Musical" além de participações em filmes e apresentações do gênero no Show dos Famosos, na Globo

Publicado em 13/07/2020 às 09h46
O ator Hugo Bonemer
O ator Hugo Bonemer. Crédito: Gabriel Felix

Dia 13 de julho, celebrado neste ano nesta segunda-feira (13), é celebrado o dia mais importante para os amantes da música e do rock: o Dia Mundial do Rock. O rock sempre esteve muito presente junto a outras manifestações culturais no Brasil, no cinema, televisão e ultimamente nos musicais.

Entre os musicais, um dos mais famosos é “Rock in Rio – o Musical”, estrelado por Hugo Bonemer e Yasmin Gomlevksy/Thati Lopes, que ficou em cartaz em 2013, além de ter ganhado apresentações especiais em 2014, 2015 e 2016. A de 2016, em Portugal, foi durante o Rock In Rio Lisboa em uma versão de 50 minutos que abria todos os dias dessa edição do festival.

"As apresentações aconteceram no Palco Mundo e abríamos os shows para as bandas do dia. Foi emocionante e apavorante, nos apresentávamos para 70 mil pessoas", relembra Bonemer.

O ator Hugo Bonemer
O ator Hugo Bonemer. Crédito: Gabriel Felix

Aliás, Hugo teve sua carreira ligada de diferentes formas ao estilo. Além do musical, ele esteve frente a outros projetos onde o rock se fez presente. Em 2018 foi convidado para dublar Rami Malek, que vivia Freddie Mercury, no longa Bohemian Rhapsody. Posteriormente Malek foi premiado como melhor ator no Oscar 2019.

"Foi um trabalho bem artesanal. A interpretação do Rami Malek era muito sutil e trazia vozes muito graves e muito agudas. Acho que isso trouxe um prazer ainda maior", ressalta o artista.

Ainda no cinema, em 2018, o ator deu vida ao cantor Bobby Darin no longa “Minha Fama de Mau”. O personagem é baseado no cantor norte-americano homônimo de grande sucesso na década de 1960. Na ocasião, Hugo gravou duas músicas a pedido da produção do longa. Uma delas é o clássico do rock dos anos 60: “Splish Splash”.

"Entrei para substituir o ator que havia desistido de fazer o Roberto Carlos, mas ele voltou atrás e a direção decidiu me manter em uma participação. Mesmo pequena ela foi muito prazerosa para mim, porque se desdobrou em duas trilhas para o filme", completa.

Visto que o estilo esteve bastante presente em trabalhos que fez no cinema, teatro e televisão, o ator faz uma reflexão sobre a sua relação com o gênero. "Ter feito diferentes trabalhos em vários segmentos me proporcionou poder experimentar mais e o rock é um dos estilos que melhor me receberam nessa trajetória. Sou muito agradecido por esses momentos especiais que pude desfrutar tanto com as músicas quanto com a história desse gênero tão especial", finaliza.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.