ASSINE

Aplicativo para auxílio emergencial de R$ 600 pode não alcançar todos

Famílias das regiões mais periféricas podem encontrar dificuldade de acesso aos canais digitais ou a impossibilidade do saque presencial

Publicado em 07/04/2020 às 20h56

aplicativo lançado nesta terça-feira (7) que possibilita o cadastro para recebimento do auxílio emergencial pode não alcançar todos os possíveis beneficiários, afirmam especialistas.

Data: 08/02/2018 - Pagamento - Dinheiro - Notas de cem reais - Editoria: Economia - Foto: - GZ
Auxílio é para trabalhadores informais, mas nem todos podem conseguir percorrer os caminhos necessários para obter a ajuda emergencial. Crédito: Arquivo/A Gazeta

Apesar de a medida ser voltada para os autônomos que não estão no Cadastro Único do governo e de também possibilitar o saque por meio das lotéricas, trabalhadores e famílias das regiões mais periféricas do país podem encontrar dificuldades no acesso ao aplicativo -seja pela dificuldade de acesso aos canais digitais ou pela impossibilidade do saque presencial.

Segundo o coordenador do centro de estudos em microfinanças e inclusão financeira da FGV (Fundação Getulio Vargas), Lauro Gonzalez, é preciso pensar em canais alternativos de distribuição para esses recursos.

"Não dá para contar só com conta corrente. Tem que pensar em contas de pagamento e instituições de microcrédito para conseguir ampliar a porcentagem de alcance. Mesmo assim, a medida ainda não vai alcançar todo mundo", disse.

Segundo ele, caso os recursos cheguem à todas as pessoas necessitadas, o potencial de alcance chega a um terço da população ocupada do país.

"O primeiro desafio é encontrar essas pessoas. O segundo é a distribuição efetiva de recursos com a cautela necessária para evitar aglomerações ante o atual cenário [de coronavírus]", disse.

Para a presidente da Abcred (Associação Brasileira das Entidades Operadoras de Microcrédito e Microfinanças) Claudia Cisneiros, métodos de auxílio para o cadastro também são necessários.

"Colocamos todos os nossos assessores à disposição para auxiliar nesse cadastro. Muitas têm dificuldade com canais digitais, outros são semianalfabetos. É preciso pensar nessas pessoas", disse.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.