ASSINE

A importância do exercício físico para o tratamento do câncer de mama

A atividade física melhora a disposição do paciente, previne o aparecimento de depressão e diminui a chance de uma recorrência da doença

Publicado em 03/11/2020 às 18h02
Atualizado em 03/11/2020 às 18h02
Mulher correndo
É comprovado que praticar atividade física diminui o risco de ter câncer de mama. As pacientes em tratamento são orientadas a fazer caminhadas e corridas mais tranquilas . Crédito: shutterstock

Uma caminhada de 30 minutos, cinco vezes por semana, pode ajudar e muito a ficar longe do câncer de mama. A prática de outros exercícios também contribuem no tratamento de quem enfrenta a doença.

Segundo uma pesquisa publicada na revista Scientific Reports, do grupo Nature, uma em cada dez mortes por câncer de mama no Brasil poderia ser evitada com a prática regular de atividade física. A pesquisa teve a colaboração do Ministério da Saúde. A oncologista do Cecon/Oncoclínicas, Juliana Alvarenga, explica quais são os ganhos, através do exercício físico, para quem está em tratamento de câncer de mama. "Sabemos que a atividade física melhora a disposição do paciente, previne o aparecimento de depressão e diminui a chance de uma recorrência da doença. É muito comum que as pacientes tenham um impacto psicológico importante com a descoberta da doença e com o tratamento, e a atividade física vem ajudar nisso", diz ela.

Ela conta que o câncer de mama está relacionado ao sedentarismo e à obesidade. Como a atividade física previne a obesidade, ela atua como efeito protetor por si só e também ajuda na redução de peso.

Juliana Alvarenga,

oncologista

"Durante o tratamento a paciente pode e deve fazer exercícios físicos. A prática está relacionada a sensação de bem-estar pela liberação de endorfina e serotonina, que regulam o humor e o sono. O ideal são 150 horas semanais. Durante a quimioterapia, os exercícios também ajudam a combater a fadiga. Percebemos que pacientes que fazem atividades físicas sentem muito menos fadiga do que aqueles que não fazem", diz."

FORÇA MUSCULAR

O educador físico Francis de Carvalho, da Wellness, diz que é comprovado que praticar atividade física diminui o risco de ter câncer de mama. "Fazer academia, pedalar, caminhar ou correr, por exemplo, mantém a concentração de estrogênio (hormônio) em níveis mais adequados, fazendo o risco da doença cair". 

Ele conta que é importante reforçar que, para mulheres que já tiveram ou estão com câncer de mama, praticar atividade física moderada pelo menos três vezes por semana é uma excelente ferramenta para restaurar e melhorar o bem-estar físico durante o tratamento da doença. "Eles aumentam a força muscular e a capacidade funcional, além de auxiliar no controle do peso, reduzir os sintomas de fadiga e melhorar a autoestima e a qualidade de vida".

CUIDADOS

Para a oncologista, apesar de todos os benefícios, as pacientes também precisam tomar alguns cuidados. "Sabemos que a quimioterapia tem efeitos colaterais como a náusea, anemia, as plaquetas podem baixar e tem a propensão a infecções. O paciente deve sempre conversar com o médico. Via de regra, sempre pedimos que eles optem por uma caminhada, musculação com baixa carga ou pela dança, que são atividades mais tranquilas. Mas é muito importante fazer atividade", diz Juliana Alvarenga.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Outubro rosa câncer

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.