ASSINE

Veja como senadores do ES votaram na PEC Kamikaze que turbina benefícios

Veja como senadores votaram. O apoio ajudou o presidente Jair Bolsonaro (PL), que busca a reeleição, a emplacar sua agenda de gastos fora das regras fiscais em ano eleitoral

Tempo de leitura: 6min
Publicado em 01/07/2022 às 10h25
Atualizado em 02/07/2022 às 09h05

O Plenário do Senado aprovou nesta quinta-feira (30) a proposta de emenda à Constituição (PEC) que institui estado de emergência até o final do ano para ampliar o pagamento de benefícios sociais (PEC 1/2022). Agora a proposta será encaminhada para análise da Câmara dos Deputados.

A PEC prevê R$ 41,25 bilhões até o fim do ano para a expansão do Auxílio Brasil e do vale-gás de cozinha; para a criação de auxílios aos caminhoneiros e taxistas; para financiar a gratuidade de transporte coletivo para idosos; para compensar os estados que concederem créditos tributários para o etanol; e para reforçar o programa Alimenta Brasil.

A medida dá aval ao governo para turbinar programas sociais até o fim do ano sem esbarrar em restrições da lei eleitoral, que existem para evitar o uso da máquina pública em favor de algum candidato. O valor não precisará observar o teto de gastos, a regra que limita o crescimento das despesas à variação da inflação, ou os dispositivos da Lei de Responsabilidade Fiscal que exigem compensação por aumento de despesa e renúncia de receita.

Senadores capixabas: Fabiano Contarato, Rose de Freitas e Marcos do Val
Senadores capixabas: Fabiano Contarato, Rose de Freitas e Marcos do Val. Crédito: Agência Senado

A proposta foi aprovada em dois turnos pelo Senado na noite de quinta-feira (30) .

QUEM VOTOU A FAVOR DA PEC:

  • Rose de Freitas (MDB-ES)
  • Marcos do Val (Podemos-ES)
  • Fabiano Contarato (PT-ES)
  • Eliziane Gama (Cidadania-MA)
  • Confúcio Moura (MDB-RO)
  • Eduardo Braga (MDB-AM)
  • Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE)
  • Giordano (MDB-SP)
  • Jader Barbalho (MDB-PA)
  • Jarbas Vasconcelos (MDB-PE)
  • Marcelo Castro (MDB-PI)
  • Nilda Gondim (MDB-PB)
  • Rafael Tenório (MDB-AL)
  • Simone Tebet (MDB-MS)
  • Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB)
  • Acir Gurgacz (PDT-RO)
  • Leila Barros (PDT-DF)
  • Weverton (PDT-MA)
  • Carlos Portinho (PL-RJ)
  • Carlos Viana (PL-MG)
  • Flávio Bolsonaro (PL-RJ)
  • Jorginho Mello (PL-SC)
  • Marcos Rogério (PL-RO)
  • Romário (PL-RJ)
  • Wellington Fagundes (PL-MT)
  • Álvaro Dias (Podemos-PR)
  • Eduardo Girão (Podemos-CE)
  • Flávio Arns (Podemos-PR)
  • Jorge Kajuru (Podemos-GO)
  • Lasier Martins (Podemos-RS)
  • Oriovisto Guimarães (Podemos-PR)
  • Styvenson Valentim (Podemos-RN)
  • Eliane Nogueira (PP-PI)
  • Elmano Férrer (PP-PI)
  • Esperidião Amin (PP-SC)
  • Kátia Abreu (PP-TO)
  • Luis Carlos Heinze (PP-RS)
  • Mailza Gomes (PP-AC)
  • Margareth Buzetti (PP-MT)
  • Zenaide Maia (PROS-RN)
  • Dário Berger (PSB-SC)
  • Dra. Eudócia (PSB-AL)
  • Luiz do Carmo (PSC-GO)
  • Alexandre Silveira (PSD-MG)
  • Angelo Coronel (PSD-BA)
  • Daniella Ribeiro (PSD-PB)
  • Lucas Barreto (PSD-AP)
  • Nelsinho Trad (PSD-MS)
  • Omar Aziz (PSD-AM)
  • Otto Alencar (PSD-BA)
  • Sérgio Petecão (PSD-AC)
  • Vanderlan Cardoso (PSD-GO)
  • Alessandro Vieira (PSDB-SE)
  • Izalci Lucas (PSDB-DF)
  • Mara Gabrilli (PSDB-SP)
  • Plínio Valério (PSDB-AM)
  • Tasso Jereissati (PSDB-CE)
  • Jaques Wagner (PT-BA)
  • Jean Paul Prates (PT-RN)
  • Paulo Paim (PT-RS)
  • Paulo Rocha (PT-PA)
  • Rogério Carvalho (PT-SE)
  • Fernando Collor (PTB-AL)
  • Roberto Rocha (PTB-MA)
  • Randolfe Rodrigues (Rede-AP)
  • Mecias de Jesus (Republicanos-RR)
  • Chico Rodrigues (União Brasil-RR)
  • Davi Alcolumbre (União Brasil-AP)
  • Eduardo Velloso (União Brasil-AC)
  • Fabio Garcia (União Brasil-MT)
  • Reguffe (União Brasil-DF)
  • Soraya Thronicke (União Brasil-MS)

QUEM VOTOU CONTRA A PEC:

  • José Serra (PSDB-SP)

O QUE DIZEM OS SENADORES DO ES

O senador Marcos do Val (Podemos) justificou o seu voto "pelo caráter humanitário da proposta". Ele disse que passou a receber em seu gabinete muitas demandas de entidades e lideranças relacionadas a pessoas passando fome, o que, segundo o senador, fez com que fosse possível perceber a situação de forma mais palpável. "A gente começa a ver além de dados. Percebemos que a situação está ficando grave e o movimento político teria de ficar de lado", ressaltou Do Val.

Ele acrescentou que foi perceptível a mudança da visão dos senadores em relação à proposta, incluindo os de oposição, depois de uma reunião com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-RO). Inicialmente vista como uma proposta que renderia protagonismo ao presidente Jair Bolsonaro (PL) na disputa eleitoral, Marcos do Val afirmou que ela passou a ser encarada pelos senadores como "um socorro emergencial para quem está passando fome".

"No início estava um movimento muito mais político do que humanitário. A gente sabia que, se votasse favorável, o presidente ganharia protagonismo. Mas como a gente começou a receber os dados de que muita gente está passando fome, passando necessidades, vimos que era importante deixar de lado as questões políticas e priorizar o lado humanitário", alegou o senador.

Questionada sobre o que a motivou a votar a favor da proposta, a senadora Rose de Freitas (MDB) respondeu com outra pergunta: "como o Brasil chegou a esse ponto?". Em nota enviada pela sua assessoria, ela afirmou que seria "absurdo negar o voto para uma solução que dê suporte ao enfrentamento dessa famigerada crise de fome e injustiça social".

Para a senadora, o voto se justifica pelo cenário atual em que a fome, o desemprego e a economia sem perspectivas de desenvolvimento contínuo excluem o povo "sofrendo à margem de tudo, sem esperança de programas acolhedores que permitam uma vida digna para hoje e para o futuro" e é uma consequência emergencial.

Negar o voto a favor da proposta, na visão da senadora do MDB, seria "negar estender a mão ou o voto que nesse momento pode pelo menos amenizar essa crise. "O que não pode é o Brasil tornar definitivas as crises se valendo de saídas emergenciais e sem planejamento de políticas públicas estruturantes que condicionam um país e seu povo a tanto sofrimento", concluiu Rose de Freitas.

O senador Fabiano Contarato (PT) também foi procurado para justificar seu voto, mas sua assessoria não deu retorno até o momento. Caso se manifeste, a matéria será atualizada.

Apesar das críticas ao caráter eleitoreiro das medidas, senadores da oposição, ligados ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e a pré-candidata Simone Tebet (MDB-MS) deram votos favoráveis à PEC (proposta de emenda à Constituição) que institui um estado de emergência e abre os cofres públicos para turbinar benefícios sociais.

O apoio dos senadores ajudou o presidente Jair Bolsonaro (PL), que busca a reeleição, a emplacar sua agenda de gastos fora das regras fiscais. O presidente tenta melhorar seu desempenho eleitoral a poucas semanas do início oficial da campanha.

Embora a medida possa beneficiar Bolsonaro, os petistas votaram em peso a favor da PEC. Todos os sete senadores da legenda disseram "sim" à proposta, entre eles Jaques Wagner (BA), integrante da campanha de Lula.

"Se a moda pega, governos, em final de mandato, vão criar caos no começo do ano, para, no final, tirar o bode da sala e tentar uma recuperação eleitoral. Então, contra isso eu já me insurjo. Mas, enfim, conceitualmente, evidentemente, isso não pode pesar mais do que a necessidade dos benefícios. Deixo isso bem claro, para que eu não seja acusado disso. É apenas um alerta", disse o líder da minoria, senador Jean Paul Prates (PT-RN), que também votou favoravelmente à PEC.

Senado aprova PEC do estado de emergência
Senado aprova PEC do estado de emergência. Crédito: Jefferson Rudy / Agência Senado

A pré-candidata Simone Tebet, que foi escolhida como o nome do bloco da terceira via, justificou o seu voto favorável à proposta afirmando que brasileiros e brasileiras estão passando fome e precisam de auxílio.

A pré-candidata votou a favor da proposta, seguindo a posição da bancada do MDB, a maior do Senado, com 12 parlamentares. Todos apoiaram a PEC de Bolsonaro.

Alvos constantes do presidente durante a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, os senadores Omar Aziz (PSD-AM), que presidiu o colegiado, e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente, também votaram a favor.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), que foi o relator da CPI, não votou porque está licenciado do cargo, mas seu suplente, Rafael Tenório (MDB-AL), também disse "sim" à proposta.

PACOTE DE BONDADES

O pacote inicialmente previa medidas para reduzir a alta dos preços dos combustíveis. No entanto, na última semana, a PEC se transformou em um pacote de bondades no ano em que Jair Bolsonaro vai buscar a reeleição.

Ela prevê medidas como elevar para R$ 600 o valor do Auxílio Brasil neste ano e zerar a fila de espera pelo benefício. Também inclui o pagamento de um auxílio de R$ 1.000 para caminhoneiros, uma ajuda para taxistas e repasse em dobro para beneficiários do Auxílio Gás.

Como antecipou a Folha de S.Paulo, o texto da PEC inclui a decretação do estado de emergência para amparar juridicamente a criação de novos benefícios e a ampliação de programas. O mecanismo busca driblar as vedações previstas na legislação eleitoral.

Atualização

2 de Julho de 2022 às 09:01

O texto foi atualizado neste sábado (2) para incluir a resposta da senadora Rose de Freitas (MDB-ES) para justificar seu voto favorável à proposta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.