ASSINE

Transferência para novo prédio do TRT-ES só termina no fim do ano

Obra da nova sede da Justiça do Trabalho, na Enseada do Suá, foi inaugurada após nove anos de seu início e custando aproximadamente o dobro do valor

Publicado em 18/02/2020 às 05h01
Atualizado em 18/02/2020 às 10h28
Sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), inaugurada nesta segunda-feira (17), começou a ser construída em 2011. Crédito: Ricardo Medeiros
Sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), inaugurada nesta segunda-feira (17), começou a ser construída em 2011. Crédito: Ricardo Medeiros

Com o prédio inaugurado depois de quase nove anos em construção, a nova sede do Tribunal Regional do Trabalho no Espírito Santo (TRT-ES) só deve concluir a transferência de todos os setores da Justiça do Trabalho no final de 2020. Aberto durante solenidade nesta segunda-feira (17), o novo prédio do TRT vai concentrar órgãos e departamentos que hoje estão em quatro endereços diferentes, em Vitória e Vila Velha.

No final de 2019, já houve a transferência da sala cofre, que é a estrutura que abriga o data center do tribunal, e de uma parte dos processos físicos arquivados. A próxima mudança será com a transferência da 2ª instância, com os gabinetes dos desembargadores, e dos setores administrativos, desocupando nove pavimentos do Edifício Castelo Branco, no Centro de Vitória.

O TRT ainda não detalhou quando isto irá acontecer. Segundo a assessoria, ainda está sendo elaborado um planejamento para a mudança, que dependerá da instalação de estruturas internas, como divisórias, por exemplo. Os equipamentos e mobiliário serão todos transferidos da sede antiga para a nova. A mudança será gradual, já que os serviços e o atendimento não podem ser paralisados.

Por fim, serão transferidas as estruturas onde funcionam as 14 Varas do Trabalho e o almoxarifado, que hoje estão no edifício Vitória Park, no Parque Moscoso, em Vitória, e também o restante do acervo do arquivo judicial, que ocupava dois imóveis alugados em Vila Velha. Hoje, apenas o Tribunal Regional do Trabalho do Espírito Santo e o da Bahia não têm sede própria.

Na solenidade de inauguração, a presidente do TRT-ES, desembargadora Ana Paula Tauceda Branco agradeceu o apoio dado à obra pela bancada federal capixaba, no Congresso Nacional, por meio da aprovação de um projeto de lei para a 4ª etapa do investimento.

ÚLTIMA ETAPA

Em outubro do ano passado foi aprovada a abertura de um crédito suplementar para o orçamento da União de 2019, em favor de órgãos do Judiciário, que destinou mais R$ 30 milhões para a obra do TRT. O valor total do investimento, em números atualizados, foi de R$ 222,17 milhões, o dobro do que havia sido previsto inicialmente.

A desembargadora frisou que o prédio agregará um salto na qualidade dos serviços prestados aos cidadãos, e detalhou outros números relacionados ao investimento.

Desembargadora Ana Paula Tauceda Branco, presidente do TRT-ES, discursou na inaguração da nova sede . Crédito: Divulgação/TJES
Desembargadora Ana Paula Tauceda Branco, presidente do TRT-ES, discursou na inaguração da nova sede . Crédito: Divulgação/TJES

"Essa obra revelou cifras que constituem prova inquestionável da sua contribuição para com a sociedade capixaba, e para superar uma crise econômica que assola todo o país. Nesse contrato, relativo à parte visível da obra, foram recolhidos mais de R$ 34 milhões em tributos, gerados mais de 1.200 empregos e 70% dos materiais empregados na construção são originários de empresas do Espírito Santo", afirmou.

Ela também defendeu a atuação deste ramo do Poder Judiciário.

"Nesse momento delicado da Justiça do Trabalho, vítima de ataques pautados em pós verdades, e na intenção de não ter o enorme abismo de desigualdade econômica e social do nosso país, damos nossa resposta trabalhando, pela melhoria dos serviços que prestamos à sociedade brasileira. Além das atividades genuínas da Justiça do Trabalho, só no último ano, essa instituição arrecadou R$ 172 milhões para os cofres públicos. Portanto, mesmo não sendo nossa função, nós contribuímos para desafogar o orçamento da União".

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro João Batista Brito Pereira, pontuou que as dificuldades para a conclusão da obra envolveram as falhas no primeiro projeto de fundação contratado, e a insuficiência de repasses de recursos pela União.

João Batista Brito Pereira, ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), discursa na inauguração da sede do TRT-ES. Crédito: Natalia Devens
João Batista Brito Pereira, ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), discursa na inauguração da sede do TRT-ES. Crédito: Natalia Devens

"Quem acompanhou a história da construção desse edifício, há de se recordar que ele guarda algumas marcas, como o tempo de duração das obras, alimentando um sonho de todos nós por muitos anos. Passou por percalços, mas trata-se de uma obra pública dependente de orçamento ‘vai e vens’ da economia", afirmou.

A NOVELA DA OBRA

O prédio da sede do TRT-ES começou a ser construído em 2011 e deveria ficar pronto em 2014. No entanto, houve falhas na fundação do edifício e foi preciso refazer todo o serviço. Naquela época, o novo prazo anunciado foi 2017.

O então presidente do órgão Mário Ribeiro Cantarino Neto explicou, na época, que o valor inicial de R$ 108 milhões chegou a R$ 171 milhões somente pela correção monetária. Depois, naquele ano, alcançou a cifra de R$ 211 milhões devido aos aditivos, ou seja, os serviços não previstos. "São R$ 40 milhões de aditivos, porque metade dele foi gasto com a fundação do prédio, onde houve problema", afirmou.

Como o projeto foi aprovado há mais de dez anos, em 2008, a Justiça do Trabalho passou por grandes mudanças. Atualmente, como todos os processos são eletrônicos, todo o espaço construído vai ser mais do que suficiente para o TRT. No entanto, descartou-se a possibilidade de compartilhá-lo com outros órgãos.

ESTRUTURA MODERNA

A nova sede teve dois edifícios construídos, um para a sede administrativa e o Tribunal Regional do Trabalho, com 19 andares, e um outro anexo para todas as varas do trabalho, com dez andares.

Ele tem um sistema automatizado de climatização, iluminação e controle dos elevadores, que são 15 ao todo, sendo um deles panorâmico. Toda a estrutura foi construída observando as normas de acessibilidade modernas.

A torre de 19 pavimentos foi toda coberta com pele de vidro. Trata-se de um vidro plano espelhado e refletivo, que reflete em torno de 60% do calor.

Além disso, terá iluminação será feita por lâmpadas de LED e uma cisterna com capacidade para armazenar 56 mil litros de água da chuva.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.