ASSINE

Após reunião com Onyx e Osmar Terra, Lelo Coimbra diz que segue em ministério

Ex-deputado federal foi nomeado no Ministério da Cidadania por Osmar Terra (MDB), que deixou o cargo. Ainda sem equipe definida, Onyx Lorenzoni (DEM), que toma posse nesta terça (18), vai manter, por ora, Lelo à frente da secretaria de Desenvolvimento Social

Publicado em 17/02/2020 às 20h54
Atualizado em 18/02/2020 às 10h23
Lelo Coimbra, secretário especial do Ministério da Cidadania. Crédito: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Lelo Coimbra, secretário especial do Ministério da Cidadania. Crédito: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O secretário especial de Desenvolvimento Social, Lelo Coimbra (MDB), cargo abrigado no Ministério da Cidadania, ganhou uma sobrevida no governo federal pelo menos até o carnaval. Ele foi nomeado na vaga em 2019 pelo ex-ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB), que deixou a pasta e voltou para a Câmara dos Deputados. Nesta segunda-feira (17), Lelo, Osmar e o novo dirigente do ministério, Onyx Lorenzoni (DEM), se reuniram e o ex-deputado federal capixaba recebeu a garantia de que continua no cargo, pelo menos por enquanto.

Segundo Lelo, o encontro serviu para mostrar a Onyx o andamento dos projetos que estão sendo tocados no Ministério da Cidadania. A secretaria que o capixaba ocupa é a que cuida do Bolsa Família, que passa por reformulação. O novo ministro, que toma posse nesta terça-feira (18), disse na reunião que ainda não definiu sua nova equipe. Para Lelo, este processo de transição é natural e que Onyx demonstrou que vai trazer pessoas novas, mas que vai manter alguns nomes.

"Até a semana depois do carnaval, a gente vai seguir trabalhando, ouvindo o novo ministro, as estratégias e as proposições que vão ser trabalhadas no momento em que ele assumir. Não tem prazo estabelecido (para a transição). Onyx já demonstrou que terá alguns nomes para o setor executivo do ministério, mas que também que vai querer manter algumas pessoas, que já estão agregando. Ele disse que quer oxigenar o Bolsa Família, modernizá-lo, para que ele priorize sempre os mais pobres", explica o ex-parlamentar.

Onyx Lorenzoni assume o Ministério da Cidadania depois de ter sido fragilizado à frente da Casa Civil, que já havia perdido funções e protagonismo. O demista, no entanto, é um aliado de primeira hora de Bolsonaro e, assim, não ficou sem abrigo.

RELAÇÃO MDB E BOLSONARO

Os motivos da saída de Osmar Terra do ministério ainda não foram divulgados pelo governo federal. Sua retirada acontece após denúncias de que a pasta teria contratado uma empresa de Tecnologia da Informação suspeita de ter sido usada como fachada para desviar R$ 50 milhões durante o governo Temer. A informação foi revelada pelo jornal "O Estado de São Paulo".

Contudo, Lelo ressalta que a relação entre o MDB e o governo federal ainda é boa. "O governo federal não trabalha com indicações de partido, ainda que tenha alguns nomes de caciques partidários ocupando cargos importantes. O MDB tem votado com o governo, acredita nas iniciativas das reformas econômicas, primeiro com a Previdência e agora com a tributária. No mandato passado (com Temer), nós tentamos fazer algumas delas, mas, por ser um mandato tampão, nos tiraram a capacidade de tomar grandes decisões. Esse é o projeto único, virou uma agenda suprapartidária, e o MDB se encaixa neste desenho", afirma.

O cargo que ocupa no ministério dá direito a Lelo a uma remuneração, de acordo com o Portal da Transparência da União, de R$ 47.211,27. O salário ainda sofre um abate-teto, ou seja, um desconto, de R$ 7.919,94. Após todos os descontos, recebe R$ 32.433,88 (líquidos). A cifra é resultado não apenas do salário do cargo comissionado, mas da aposentadoria. A soma das remunerações, segundo Lelo, ultrapassaria o teto do funcionalismo. Por isso, "toda a diferença é glosada. O cargo não me agrega remuneração, pois fica no abate-teto", respondeu.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Bolsa Família MDB Onyx Lorenzoni Osmar Terra

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.