ASSINE

Capixaba apontado como "homem da mala" de Cunha é alvo de operação no ES

Mandado de busca foi cumprido em Muqui, no Sul do Estado, contra ex-motorista do ex-deputado. Investigações são sobre esquema de propina para redução de impostos em benefício de empresas aéreas

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 03/02/2021 às 12h19
Atualizado em 03/02/2021 às 15h33
Ministério Público cumpriu mandado de busca em fazenda de Muqui
Gaeco, do MPES, e PMES cumpriram mandado de busca e apreensão em fazenda de Muqui. Crédito: Divulgação/MPES

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) faz uma operação, nesta quarta-feira (3), contra o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (MDB-RJ) e o ex-vice-governador do Distrito Federal Tadeu Filippelli (MDB). São cumpridos 16 mandados de busca e apreensão em quatro Estados, entre eles o Espírito Santo, onde o alvo é ex-motorista de Cunha, capixaba apontado como "homem da mala" do ex-deputado. 

Cunha e Filippelli são suspeitos de integrarem um esquema de propina pago por companhias áreas para reduzir impostos de combustível para aviação na capital federal, entre 2012 e 2014. Além de Espírito Santo e Distrito Federal, também há busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MPDFT, recebeu apoio no Estado da Polícia Militar do Estado do Espírito Santo (PMES) e do Gaeco, do Ministério Público do Espírito Santo (MPES).

No Estado, de acordo com pessoas envolvidas na investigação, os agentes estiveram em um imóvel ligado a Altair Alves Pinto, em Muqui, no Sul do Estado, cidade natal do ex-motorista de Cunha. O capixaba foi citado por delatores como o "homem da mala" de ex-parlamentar, figura responsável por fazer o transporte de propinas pagas ao emedebista.  De acordo com o MPDFT, não houve prisão. O processo está sob sigilo.

As investigações que resultaram na Operação Antonov – nome do maior cargueiro de asa fixa do mundo – começaram a partir a delação premiada do doleiro Lúcio Bolonha Funaro, firmada com a Procuradoria Geral da República (PGR) em 2017. 

De acordo com as apurações, Filippelli e Cunha, que era deputado federal pelo Rio de Janeiro, teriam recebido propina para alterar uma lei distrital e reduzir a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do querosene da aviação de 25% para 12%. A alteração teria sido feita por Filippelli quando ele assumiu o cargo de vice-governador do Distrito Federal em 2013.

Há indícios de pagamento de propina pelas empresas Gol e Latam, na época Tam.

Ao jornal O Globo, a defesa do ex-deputado Eduardo Cunha classificou a operação de "pirotecnia" e disse que foi "fabricada politicamente". 

"A operação de hoje é um retorno ao famigerado período das pirotecnias acusatórias. Não há dúvida de que se trata de algo fabricado politicamente com o intuito de retaliar, de forma injusta, alguém que vem cumprindo rigorosamente todas as condições que lhe foram impostas pela Justiça ao conceder a prisão domiciliar", diz a nota enviada ao jornal pelos advogados elos advogados Ticiano Figueiredo, Pedro Ivo Velloso e Délio Lins e Silva.

Também para o Globo, o advogado Alexandre Queiroz, responsável pela defesa de Filippelli, informou que só vai se manifestar após ter acesso aos autos. A Latam informou em nota que "irá colaborar com as autoridades competentes". A empresa Gol não foi alvo de mandados de busca e apreensão.

RELEMBRE: CAPIXABA, "HOMEM DA MALA" DE CUNHA É DE MUQUI

Essa não é a primeira vez que Altair é alvo de uma operação que investiga indícios de corrupção supostamente cometida por Eduardo Cunha. Em maio de 2017, Altair teve a casa dele no Rio de Janeiro como um dos alvos em uma das fases da Operação Lava Jato.

"Seu Altair", como era conhecido no meio político, foi motorista de Cunha e era apontado como o "homem da mala", responsável pelo transporte das propinas pagas ao peemedebista. Cunha e Altair se conheceram nos anos 1980, em boates do Rio de Janeiro.

Na ação da PF em 2017, um táxi com placa de Nilópolis foi encontrado na garagem de Cunha. O Touareg, cujo valor de um novo é de cerca de R$ 200 mil, estava no nome de Altair. Ele foi motorista de Cunha nas campanhas, segundo pessoas que acompanharam a peregrinação por votos. A prestação de contas de 2014 mostra que ele ganhou R$ 28,7 mil por ter alugado carros para o parlamentar.

Empresas no nome de Altair e de parentes dele fecharam contratos na obra do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro, onde há indícios de que o ex-deputado tenha recebido propina durante a construção. Documentos encontrados pela Operação Lava Jato na casa de Altair revelam que duas empresas de sua família forneceram mármores para a concessionária Porto Novo, responsável pela execução do projeto de revitalização do Porto do Rio. A descoberta reforça as suspeitas da ligação de Cunha com o empreendimento.

O primeiro pedido de fornecimento de mármore, no valor de R$ 91 mil, é endereçado à Guarujá Mármores e Granitos. O segundo, em torno de R$ 500 mil, à Indústria Aladim. Os sócios das empresas são o próprio Altair, sua esposa e filhas. As duas empresas funcionam no mesmo endereço, na Fazenda Portal do Guarujá, em Muqui.

Atualização

3 de Fevereiro de 2021 às 15:32

O texto foi atualizado para acrescentar que Altair Alves Pinto, ex-motorista do presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, foi o alvo, em Muqui, da operação realizada nesta quarta-feira (3). A informação foi obtida após a publicação da primeira versão desta reportagem. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.