ASSINE

Bolsonaro recebeu empresário do ES que apoiou negócio de Jair Renan

Sócio do filho do presidente da República foi presenteado com um carro elétrico. Já Jair Renan Bolsonaro esteve em cidade capixaba e visitou empresa de granito

Vitória
Publicado em 20/04/2021 às 17h42
Presidente Jair Bolsonaro e o empresário capixaba Wellington Leite, da WK
Presidente Jair Bolsonaro e o empresário capixaba Wellington Leite, da WK. Crédito: Reprodução/Instagram @wellington_leitewk

O empresário capixaba Wellington Leite, que presentou com um carro elétrico um dos sócios de Renan Bolsonaro, o filho 04 do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), foi recebido pelo chefe do Executivo federal no Palácio do Planalto. O encontro foi registrado em foto e publicado nas redes sociais de Leite no mês passado, no dia do aniversário de Bolsonaro.

O filho do presidente é investigado pela Polícia Federal sob a suspeita de tráfico de influência em relação ao governo. Segundo denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal, Renan Bolsonaro poderia estar atuando "para abrir as portas do governo federal" para empresários. 

Wellington Leite é presidente do grupo capixaba WK, que atua no ramo de linha de crédito imobiliário e automotivo. Em setembro do ano passado, ele se reuniu com Renan Bolsonaro para tratar de negócios, durante uma visita dele ao Espírito Santo. 

Na ocasião, o filho 04 do presidente estava em busca de parcerias para um projeto que seria lançado pela empresa dele, a Bolsonaro Junior Eventos, e a MOB, do sócio de Renan, Allan Lucena. Eles também se reuniram com representantes da empresa capixaba Gramazini Granitos e Mármores Thomazini, que tem sede em Barra de São Francisco. 

Wellington Leite e Jair Renan Bolsonaro durante visita do filho do presidente ao Espírito Santo
Wellington Leite e Jair Renan Bolsonaro durante visita do filho do presidente ao Espírito Santo. Crédito: Reprodução/Instagram @wellington_leitewk

Durante a visita, Wellington publicou fotos nas redes sociais com Renan Bolsonaro. Em uma das legendas escreveu "uma nova aliança". O empresário ainda citou que uma parceria seria construída entre as empresa MOB, a JB de Renan e o grupo WK.

"Estamos formando agora uma grande família. Tivemos uma reunião produtiva, tem muitas coisas para vir, para avançar", declarou, em vídeo publicado no Instagram.

O empresário da WK também chegou a divulgar um outro vídeo em que aparece Renan Bolsonaro e um dos sócios da Gramazini falando sobre um projeto que "estava a caminho de se desenvolver". 

Segundo informações divulgadas pela revista Veja, as duas empresas apresentaram um protótipo de construção de casas populares de pedra ao filho do presidente. Ele teria se comprometido em levar a sugestão ao pai.

"Tenho certeza que esse projeto vai ser um divisor de águas na vida de muita gente[...] Renan, seu pai [o presidente Bolsonaro], que está à frente desse governo, ele vai diretamente aprovar e agradecer por essa iniciativa e com certeza proporcionar uma vida mais digna para o povo brasileiro", disse, em vídeo publicado nas redes sociais no dia 26 de setembro.

DOAÇÃO DE CARRO

Semanas depois da visita de Renan, as duas empresas capixabas tiveram suas logomarcas impressas na decoração da parede de entrada do escritório de Renan, junto com outras que apoiaram o empreendimento, conforme divulgado pelo jornal Folha de São Paulo. Na ocasião, Wellington Leite e um dos sócios da Gramazini doaram um carro elétrico, no valor de R$ 90 mil, para o projeto MOB, de Allan Lucena. 

Em novembro, um representante da empresa de granito conseguiu um espaço na agenda do ministro de Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, para falar sobre um projeto de construção de casas populares. Marinho é responsável pelo programa Minha Casa Minha Vida. O encontro aconteceu no Palácio do Planalto e teria sido intermediada por Renan Bolsonaro.

No mês passado, a Polícia Federal decidiu abrir um inquérito para investigar se Renan teria atuado para facilitar o acesso de empresários do grupo ao governo federal. A denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal aponta possível tráfico de influência.

ENCONTRO COM BOLSONARO

A publicação da foto de Wellington Leite com o presidente foi feita no dia 21 de março, data do aniversário de Jair Bolsonaro. Não se sabe, contudo, quando os dois se reuniram.

Em resposta ao jornal Folha de São Paulo, a Secretaria de Comunicação da Presidência disse que não era possível saber a data do encontro nem o motivo da reunião.

A Gazeta tentou contato com Wellington Leite, mas ele não respondeu às mensagens e não atendeu às ligações. Para a Folha de São Paulo, o empresário disse que não se recordava quando se encontrou com Bolsonaro e nem quem o levou até ele.

"Visitei o Palácio do Planalto e tive a sorte de tirar uma foto com o presidente. Foi tudo muito rápido", disse, afirmando que tiveram apenas um encontro.

O empresário também disse à Folha que foi ele quem trouxe Allan e Renan ao Espírito Santo para a troca de ideias sobre projetos que poderiam ser tocados. Contudo, a parceria não se concretizou. “O Allan que trouxe o Renan, que veio falar sobre o projeto social do MOB e do JB, porém acabou que não foi adiante”, disse Wellington.

Sem fornecer valores, o empresário afirmou que arcou com as despesas da viagem do filho do presidente e de seu parceiro comercial. “Como eu convidei, mais do que justo arcar [com as despesas]”, disse. “Sobre o valor, eu não sei nem o que gastei ontem, vou saber o que gastei há quase oito meses?”, disse à Folha. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.