ASSINE

Traficantes mataram porteiro na Serra por acharem que eram vigiados

Crime aconteceu em maio de 2021, na Serra. Polícia Civil divulgou imagens e falou sobre a prisão dos suspeitos nesta quinta-feira (23).

Tempo de leitura: 3min
Publicado em 23/06/2022 às 13h06
Felipe dos Anjos Santos, Felippe Silva França e Arlei Faria dos Santos de 19 anos são suspeitos de matar motociclista.
Felipe dos Anjos Santos, 26 anos, Felippe Silva França e Arlei Faria dos Santos, ambos de 19 anos, são suspeitos de matar motociclista. Crédito: Divulgação/Polícia Civil

Um vídeo divulgado pela Polícia Civil do Espírito Santo mostra o momento que o porteiro Lucas Dias Ribeiro, de 27 anos, e um outro homem, de 32, foram baleados em uma rua do Parque Residencial Laranjeiras, na Serra, em 25 de maio do ano passado. Lucas não resistiu aos ferimentos e morreu no local. O outro homem foi socorrido e levado para um hospital da região. Três suspeitos foram presos.

As imagens do crime e detalhes da investigação foram divulgados nesta quinta-feira (23), durante coletiva de imprensa. As vítimas, que estavam em uma moto, foram perseguidas por traficantes em um carro.

Nas imagens de uma câmera de segurança, Lucas e a outra vítima aparecem encurralados em um muro por um carro (veja vídeo abaixo). Após os criminosos dispararem, o porteiro caiu no chão e a outra vítima fugiu. Em seguida, o carro deixou o local. Os suspeitos do crime, Felipe dos Anjos Santos, de 26 anos; Felippe Silva França, de 19; e Arlei Faria dos Santos, conhecido como "Alemãozinho", de 19, atuam no tráfico de drogas da região de Chácara Parreiral, segundo a polícia, e foram presos entre os meses de fevereiro e maio deste ano.

De acordo com o delegado Rodrigo Sandi Mori, titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Serra, "Alemãozinho" atirou nas vítimas, Felippe dirigia o carro e Felipe estava no banco de trás do veículo utilizado o crime.

"Foi em um dia da semana, horário de pico em um dos bairros mais movimentados da Serra. No mesmo dia começamos a verificar as câmeras de videomonitoramento, tanto do local do crime como das redondezas da região. Ao analisarmos as imagens, identificamos o modelo e a placa e ao consultarmos verificamos que ele tinha sido roubado 40 minutos antes no bairro Jacaraípe. As imagens pegaram o exato momento da execução do Lucas que pilotava a motocicleta e do garupa que mesmo atingido nas costas conseguiu correr", contou o delegado.

O CRIME

Lucas Dias Ribeiro, de 27 anos, foi morto a tiros em maio de 2021, na Serra
Lucas Dias Ribeiro, de 27 anos, foi morto a tiros em maio de 2021, na Serra. Crédito: Polícia Civil/Divulgação

O delegado disse que Lucas era usuário de drogas, já teve envolvimento com o tráfico no passado e estava trabalhando como porteiro.

No dia do crime, ele e o amigo foram à Rua Santa Rosa comprar drogas para consumo próprio, mas os traficantes pensaram que eles tinham ido ao local para vigiá-los.

"Quando chegaram na Rua Santa Rosa, local intenso de tráfico, ele [Lucas] desceu, foi ao encontro dos traficantes enquanto o amigo ficou aguardando. Ele pediu quatro buchas de maconha e o traficante demorou. Enquanto isso, ele ficou conversando e olhando muito o local. Além disso, Lucas já tinha ido comprar droga uns dias antes. Essa atitude deles, de um ficar e outro descer na boca de fumo fez os traficantes desconfiarem que eles estavam ali para vigiar e mapear o tráfico deles, mas na verdade, eles não foram pra fazer isso. Foram pra comprar drogas mesmo", explicou.

Depois de pagar pelas drogas, Lucas e o carona saíram do bairro e foram perseguidos pelos traficantes. "Ele deu R$ 100, pegou R$ 80 de troco, subiu a rua, entrou na motocicleta e eles [outros traficantes] ligaram para os três suspeitos. Eles já foram pra executar. Perseguiram as vítimas por Chácara Parreiral. Quando saíram do Tobogã foram surpreendidos pelo veículo que bateu na traseira da moto e colidiu no portão de uma residência. Arlei, que estava no carona, efetuou dois disparos nas costas do carona e mais oito nas costas de Lucas, que morreu ali mesmo", contou.

Os três presos confessaram a participação no crime, segundo a polícia, e foram indiciados por homicídio por motivo torpe sem possibilidade de defesa da vítima e tentativa de homicídio. Os presos já são réus na ação penal que corre perante a 3ª Vara Criminal da Serra.

*Com informações de Fabiana Oliveira, do g1 ES.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.