ASSINE

Preso por matar esposa a facadas em Cariacica diz que agiu por ciúmes

O assassinato aconteceu durante uma discussão, dentro de casa, na frente dos quatro filhos da vítima. O criminoso não aceitava o fim do relacionamento e deu 16 facadas no pescoço da camareira

Publicado em 12/12/2019 às 17h48
Atualizado em 12/12/2019 às 17h48
Antônio Junior Cruz da Silva é considerado o principal suspeito de matar Genaína. Crédito: Reprodução/ Redes sociais
Antônio Junior Cruz da Silva é considerado o principal suspeito de matar Genaína. Crédito: Reprodução/ Redes sociais

Após ser preso, acusado de matar a camareira Genaína Gomes dos Santos no último dia 5, em Rio Branco, Cariacica, Antônio Junior Cruz da Silva, que era marido da vítima, confessou o crime e disse ter agido por ciúmes.  O assassinato aconteceu durante uma discussão, dentro de casa, na frente dos quatro filhos da vítima. O criminoso não aceitava o fim do relacionamento e deu 16 facadas no pescoço da camareira. 

Antônio foi preso pela Polícia Militar no início da noite de quarta-feira (10), em Guarapari, após uma denúncia anônima. Ele chegou a fugir da polícia, mas foi encontrado escondido debaixo da cama, em uma casa no bairro Patura.

"O 10° Batalhão recebeu informações de que o acusado estava pelo bairro Patura andando normalmente. Fomos ao local e o vimos na avenida principal. Ao ver a guarnição, ele correu para a casa onde estava vivendo e se escondeu debaixo da cama, com medo. Logo ao ser preso ele confessou o crime", contou o tenente Gilberto, da 3ª Companhia do 10° Batalhão da PM.

A Polícia Civil informou que representou pela prisão temporária do acusado e depois pretende convertê-la para prisão preventiva. 

RELAÇÃO CONTURBADA

De acordo com a delegada Raffaela Almeida, titular da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM), a relação entre vítima e assassino era conturbada. Com uma extensa ficha criminal, que inclui tráfico, furto e roubo, Antônio Junior chegou a ficar preso por tráfico de drogas. Nesse tempo, Genaína teve outro relacionamento e engravidou.

"A relação era longa e conturbada. Quando o acusado foi solto, há cerca de dois anos e meio, os dois reataram, mas a relação nunca mais foi a mesma.  Ele estava sempre desconfiado dela. Depois de muitas brigas, a vítima disse que não queria mais o relacionamento, mas ele não aceitou e a matou. Ao ser preso, ele confessou e tentou manchar a imagem da vítima, como de costume. Justificou por conta do filho que a vítima teve com outro homem. Ele era abusivo, ciumento, e não acreditava que ela não o traía. Mas nada justifica um crime desse", contou. 

A delegada completou que além de ser abusivo com a  vítima, com constantes agressões, a ficha criminal de Antônia mostra que ele possui uma índole voltada para a criminalidade.  

Genaina foi assassinada na frente dos filhos. Crédito: Reprodução
Genaina foi assassinada na frente dos filhos. Crédito: Reprodução

O CRIME

Ainda segundo a delegada, na noite do crime o casal teve uma discussão, a vítima disse que não queria mais aquele relacionamento e expulsou o acusado de casa.

"Ele saiu de casa, depois retomou para a residência, eles tiveram mais uma discussão, quando ele avistou uma faca em cima do tanque da casa. Nesse momento, ele desferiu diversos golpes de faca. Foram 16 golpes no pescoço, o que mostra que ele é uma pessoa extremamente agressiva", concluiu. 

O crime foi presenciado pelos filhos do casal, entre eles duas crianças de 6 e 7 anos. Uma delas relatou à reportagem de A Gazeta que viu o momento em que o pai pulou o muro, discutiu com a mãe e a esfaqueou. Vizinhos ouviram os gritos das crianças e acionaram a polícia. Quando os militares chegaram, a vítima já estava morta.

De acordo com a família, o casal vivia há mais de 10 anos juntos, mas possuía um relacionamento conturbado. Horas antes de ser assassinada, Genaína chegou a chamar a Polícia Militar após ser ameaçada pelo marido. A mãe da vítima contou que o suspeito fazia uso de drogas, bebia bastante e já tinha agredido Genaína outras vezes. A camareira insistia para que o marido saísse de casa, mas ele não aceitava o fim do casamento.

cariacica espírito santo feminicídio mulher polícia civil violência contra a mulher espírito santo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.