ASSINE

Pai que matou filho a facadas na Serra se entrega à polícia

Wilson Alves assassinou o próprio filho, Weverson Corrêa, após uma briga na noite de sábado (20); ele se entregou à Polícia Civil nesta terça-feira (23)

Vitória
Publicado em 24/11/2021 às 10h25
Wilson Alves afirmou que vai se entregar à polícia após matar seu filho, Weverson Corrêa
Wilson Alves afirmou que vai se entregar à polícia após matar seu filho, Weverson Corrêa. Crédito: Arquivo Pessoal

Wilson Alves, que matou o filho Weverson Corrêa, de 28 anos, a facadas depois de uma briga no bairro Jardim Tropical, na Serra, na noite do sábado (20), se entregou à Polícia Civil nesta terça-feira (23). O delegado Sandi Mori, titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Serra, informou que o inquérito foi concluído como legítima defesa e que Wilson foi liberado. A conclusão ainda será entregue ao Ministério Público Estadual, que, conforme Sandi Mori, deve acatar a tese da corporação.

Antes de se entregar, Wilson divulgado um vídeo. Na gravação, ele afirma que matar o próprio filho não era o objetivo e classificou o crime como uma fatalidade. Ele também explica que o crime aconteceu após ele tentar separar uma briga entre Weverson e a esposa.

"Houve essa fatalidade pelo motivo de que ele estava brigando com a esposa dele. Alguém na rua viu que ele estava brigando com a esposa, segundo o que fiquei sabendo desceram dois caras de um carro e bateram nele, ele chegou em casa sangrando. Conversei com ele para tentar ajudar, pedi para ele entrar em casa, tomar um banho, dormir, descansar. Ele pegou o celular da esposa, tacou no chão e começou a agredir fisicamente a esposa e a criança, enteado dele. eu entrei para separar a briga, ele me pegou pelo pescoço e tivemos uma luta corporal. Ele desferiu vários socos na minha cabeça e eu já não estava aguentando mais. Ele me deu uma gravata e desferiu vários socos", detalhou, na filmagem.

Pai que matou a facadas filho na Serra diz que vai se entregar à polícia

Em coletiva realizada nesta quarta-feira (24), o delegado Rodrigo Sandi Mori, responsável pela investigação,  deu mais detalhes sobre o homicídio e confirmou a versão que Wilson deu. 

Delegado fala sobre o crime

Rodrigo Sandi Mori

Delegado

"É importantíssimo frisar que o depoimento do Wilson está em perfeita consonância com os das duas testemunhas. Diante disso, nos entendemos que o Wilson agiu em legítima defesa. Primeiro em relação à sua nora e ao filho dela e, depois, a ele mesmo"

Sandi Mori explicou que Wilson e Weverson estavam bebendo durante um churrasco, quando o filho começou a fazer brincadeiras indelicadas. Ele foi repreendido pelo pai, que, em seguida, foi embora para casa. Logo depois, Weverson, a esposa e o enteado dele também saíram. No caminho, a vítima, que estava embriagada, atirou um copo de cerveja em um carro que passava pela rua e foi agredido pelos dois ocupantes do veículo.

Na casa deles, Weverson começou a brigar com a esposa. Segundo o delegado, ele jogou o celular da mulher no chão, momento no qual o enteado dele, de seis anos, entrou no meio para defender a mãe. Weverson, então, deu um tapa e uma cotovelada na cabeça do menino e um tapa no pescoço da mulher. Nesse momento, Wilson entrou para defender a mulher e, a partir disso, começou a ser agredido pelo filho.

Conforme conta o delegado, Wilson conseguiu se desvencilhar de Weverton e, dado o porte físico da vítima, pegou uma faca para se proteger. Wilson foi até o carro para sair de casa, mas o filho foi atrás dele e começou a bater na janela do veículo e tentar tirar o pai à força. Foi aí que Wilson esfaqueou Weverson três vezes, na axila, na coxa direita e no peito.

RELAÇÃO AMIGÁVEL

Segundo Sandi Mori, Wilson participou das diligências com a polícia e contribuiu para as investigações, inclusive levando os investigadores ao local onde dispensou a faca, nas proximidades do posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), na Serra. Na ocasião, quando se livrou do objeto, Wilson seguiu para Governador Valares, em Minas Gerais.

Sandi Mori também ressaltou que a relação de Wilson e Weverton sempre foi amigável e que eles nunca tiveram histórico de agressões. Para o delegado, a falta de diálogo entre pai e filho e o consumo de bebidas foram os principais motivos que acarretaram no crime.

Rodrigo Sandi Mori

Delegado

"A relação deles sempre foi amigável, nunca tiveram problemas e nunca entraram em vias de fato antes. A falta de diálogo e a ingestão de bebidas alcoólicas foi fator preponderante pra esse crime"
Delegado Rodrigo Sandi Mori falou sobre a conclusão do caso
Delegado Rodrigo Sandi Mori falou sobre a conclusão do caso. Crédito: Daniel Pasti

RELEMBRE O CASO

Um pai esfaqueou e matou o próprio filho, de 28 anos, na noite deste sábado (20), após um desentendimento no bairro Jardim Tropical, na Serra. Weverson Corrêa chegou a ser encaminhado para um hospital do município, mas não resistiu e morreu.

Segundo informações da Polícia Militar, o crime ocorreu no fim da noite. A corporação foi acionada e prosseguiu até o Hospital Dório Silva, na Serra, para verificar a informação de que um homem de 28 anos teria dado entrada com ferimentos causados por arma branca.

Local onde Wilson dispensou a faca, nas proximidades do posto da PRF na Serra
Local onde Wilson dispensou a faca, nas proximidades do posto da PRF na Serra. Crédito: Divulgação/PC

A esposa de Weverson relatou aos policiais, após o crime, que o marido estava bebendo com o pai, em Jardim Tropical, quando os dois discutiram e o homem desferiu golpes de faca contra o filho. Weverton não resistiu e veio a óbito. O corpo foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, para ser necropsiado e, posteriormente, liberado para os familiares.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.