ASSINE

Padrasto de menina estuprada no ES é solto, mas não pode ter contato com familiares

Restrições foram impostas para que o padrasto, que segue sendo investigado como suspeito do crime praticado contra a criança, pudesse ser liberado da prisão na noite desta sexta

Publicado em 29/08/2020 às 13h47
Atualizado em 29/08/2020 às 16h10
Viatura da Polícia Civil
Viatura da Polícia Civil. Crédito: Carlos Alberto Silva

padrasto da criança de 11 anos que foi estuprada no Norte do Estado foi liberado da prisão na noite desta sexta-feira (28), mas terá que se manter afastado dos familiares que cuidam da criança. Essa foi uma das exigências para que ele fosse solto.

Sem autorização judicial, ele não poderá sair da Comarca onde o crime está sendo investigado. Há ainda a determinação de se apresentar mensalmente à Justiça, a proibição de manter contato com a vítima por qualquer meio, tendo que ficar, no mínimo, 200 metros de distância dela. 

Segundo o Ministério Público, ele continua como suspeito do estupro da criança ocorrido em um município do Norte do Estado.

O outro suspeito, preso na manhã deste sábado (29), é o companheiro da avó, que possui a guarda da criança que foi estuprada. Segundo o Ministério Público, o homem estava sendo procurado pela polícia da Região Norte desde a última sexta-feira (28), e se apresentou à delegacia da região com seu advogado, na manhã deste sábado (29). Como havia um mandado de prisão contra ele, em aberto, foi preso pelo delegado local.

A identidade e fotografias dos suspeitos, assim como a cidade onde os fatos ocorreram, não estão sendo divulgadas nesta reportagem para evitar que a criança possa ser identificada.

PADRASTO NEGA AS ACUSAÇÕES

O advogado Henrique Bussu da Silva informou que o padrasto - de quem faz a defesa -, estava sendo trazido para o Complexo Penitenciário de Xuri, em Vila Velha. “Antes, conseguimos que ele fosse ouvido pelo delegado que está conduzindo as investigações. Com base nas informações por ele prestadas, foi decidido pelo relaxamento da prisão, com algumas restrições, como não sair da Comarca ou ter contato com o restante dos familiares. Ele foi liberado às 18h desta sexta-feira (28)”, informou Bussu.

Ao delegado, o padrasto negou as acusações de que teria estuprado a garota de 11 anos. “Ele nega todas as acusações. Diz que há conflitos envolvendo os demais familiares e que foi alvo de armações”, relata Bussu.

DISTÂNCIA ENTRE AS CASAS

Outra informação vinda do padrasto é de que ele reside distante da casa onde a criança mora. “A casa do meu cliente fica a uns quatro quilômetros de distância da residência da menina. E ele afirma que ela não visita a mãe com muita frequência e que teve muito pouco contato com ela”, explica o advogado.

EXAME DE DNA

A expectativa agora, segundo Bussu, é da realização do exame de DNA, caso seja realizado o procedimento de aborto na criança. “Meu cliente espera que o exame de DNA possa ser realizado, para que, assim, possa provar a sua inocência”, explica.

FATOS NO NORTE DO ES

A menina de 11 anos, moradora do Norte do Espírito Santo, foi estuprada e está na oitava semana de gestação. A descoberta ocorreu após a ela ser atendida em uma unidade de saúde da cidade, onde exames confirmaram a gravidez.

O caso segue sob segredo de Justiça, mas a reportagem de A Gazeta apurou que dois homens são suspeitos de abusar da criança: o padrasto, que chegou a ser preso e que foi liberado nesta sexta-feira (28), e o companheiro da avó da criança, que foi preso na manhã deste sábado (29).

Ainda de acordo com fontes de A Gazeta, a interrupção da gestação — aborto legal — foi pedida à Justiça já que a gestação coloca em risco a vida da criança. Exames teriam confirmado que a menina também está com descolamento de placenta.

FAMÍLIA DA GAROTA

O advogado da família, Décio de Oliveira, nega que a menina tenha sido conduzida para um hospital para realizar os procedimentos de aborto. “Ela foi levada para uma outra cidade onde está amparada pelos familiares”, informou.

Segundo ele, a criança mora com a avó, que possui a sua guarda. Ela seria cuidada ainda por uma tia. “No momento a criança está bem, sendo amparada pelos familiares”, explicou.

Em nota, o advogado acrescentou que nega o envolvimento do companheiro da avó. “É importante esclarecer que o caso está sendo investigado e existem informações repassadas não condizentes com o depoimento da menor, que afirmou a prática do fato por apenas um indivíduo”.

Disse ainda no mesmo texto que “não foi adotada nenhuma medida legal quanto à interrupção da gravidez ocasionada pelo crime, e que a vítima sequer foi submetida a atendimento médico por profissional ginecologista/obstetra até o presente momento”.

estupro de vulnerável

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.