ASSINE

"Não foi acidente, foi assassinato", diz tia de mulher morta em Guarapari

Aos 32 anos, Franciane Bueque da Silva morreu nesta quinta-feira (26) após uma motorista atingir, de propósito, a moto em que estavam ela e o companheiro

Publicado em 27/08/2021 às 15h00
Angelita Bueque da Silva é tia da Franciane Bueque da Silva, de 32 anos, que morreu nessa quinta-feira (26) no Centro de Guarapari
Angelita Bueque da Silva é tia da Franciane Bueque da Silva, de 32 anos, que morreu nessa quinta-feira (26) no Centro de Guarapari. Crédito: Fabrício Christ | Montagem A Gazeta

No dia seguinte à perda da sobrinha, o sentimento de Angelita Bueque da Silva é de indignação e revolta.  Ela é tia de Franciane Bueque da Silva, de 32 anos, que morreu nesta quinta-feira (26) após a moto em que ela estava com seu companheiro ser atingida por uma motorista, no Centro de Guarapari, depois de uma briga de trânsito. O motoboy Webster Luiz Santos Lopes, de 19 anos, que estava na direção, ficou ferido.

Em entrevista à reportagem da TV Gazeta, Angelita desabafou sobre o caso e lamentou a morte de Franciane.

Angelita Bueque da Silva

Tia de Franciane

"Foi uma grande covardia. Aquilo não foi um acidente de trânsito, foi um assassinato. Ela assassinou a minha sobrinha"

A condutora do carro que provocou a batida é a engenheira ambiental Karen Keithy Morais Ferreira, de 36 anos. Quando os primeiros atendimentos ainda eram prestados, ela afirmou à Polícia Militar que havia agido com raiva: "Fiz de propósito". Segundo o delegado Vitor Alano, a mulher não demonstrou arrependimento.

Karen Keith Moraes Ferreira é que dirigia o carro e perseguiu o casal, gerando o acidente em Guarapari
Karen Keith Moraes Ferreira é quem dirigia o carro e acabou presa por homicídio. Crédito: Telespectador | TV Gazeta

Algemada no local da colisão devido ao "comportamento estranho", Karen foi conduzida para a Delegacia Regional de Guarapari, onde foi autuada em flagrante por homicídio e tentativa de homicídio, ambos por motivo fútil. Sem direito a fiança, ela está presa no Centro Prisional Feminino de Cariacica.

Angelita Bueque da Silva

Tia de Franciane

"Ela é uma pessoa desequilibrada. Uma pessoa dessa não pode ter um veículo. Um carro na mão dela vira uma arma"

Ainda muito abalada, Angelita revelou que a sobrinha era batalhadora e deixa dois filhos menores de idade. "Um tem 15 anos e o outro, 12. Ela era uma menina guerreira, não tinha vício nenhum e trabalhava no quiosque. Sempre trabalhou para poder criar os filhos. Ela era pai e mãe deles", contou.

"Está todo mundo muito, muito, muito abalado com essa situação. Nós temos que correr atrás dos direitos dessas crianças. Queremos justiça", completou a tia. Franciane estava na garupa no momento da colisão. Seu companheiro, o motoboy Webster Luiz Santos Lopes, conduzia a moto e ficou ferido.

Webster Luiz Santos Lopes ficou ferido e Franciane Bueque da Silva morreu após briga de trânsito em Guarapari
Webster Luiz Santos Lopes ficou ferido e Franciane Bueque da Silva morreu após briga de trânsito em Guarapari. Crédito: Acervo pessoal

Ainda nesta quinta-feira, a estudante Ana Santos Matos, de 18 anos, irmã do motoboy, revelou que ele estava internado no Hospital Estadual de Urgência e Emergência, em Vitória, e que ainda passaria por exames. Segundo ela, o irmão, embora estivesse bem machucado, passava bem.

Na oportunidade, ela também comentou a briga de trânsito, que terminou com fim trágico. "Era questão de conversar, não de partir para violência, de tirar a vida de uma pessoa. A motorista não pensou se a Franciane ou meu irmão tinham família. Só pensou nela", desabafou.

DISCUSSÃO, PERSEGUIÇÃO E MORTE: RELEMBRE O CASO

De acordo com o relato da motorista Karen à Polícia Militar, a briga de trânsito teria começado quando o casal fez uma ultrapassagem pela direita, o que não é permitido pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Por causa disso, ela e a dupla teriam passado a trocar xingamentos e ofensas.

Em seguida, o motociclista Webster teria chutado o retrovisor do carro. A partir daí, a engenheira ambiental passou a perseguir os dois, segundo ela, com o intuito de filmar a placa. Na Rua Jacinto de Almeida, no Centro de Guarapari, ela bateu na traseira da moto e a arrastou por cerca de 800 metros.

Vídeo mostra batida entre carro e moto no Centro de Guarapari

Outros dois vídeos mostram o carro da Karen (um Volkswagen Fox branco) já estacionado, com a motocicleta presa embaixo do para-choque dianteiro. O veículo aparece vazio, com os vidros abertos, sem a placa da frente, com a dianteira bastante danificada e com o retrovisor quebrado. Veja:

Carro parou depois de arrastado a moto por metros no Centro de Guarapari

Segundo o registro da Polícia Militar, a condutora fez um teste do bafômetro que deu negativo, descartando a ingestão de álcool. Ainda segundo o boletim, embora estivesse dirigindo a moto, o jovem Webster não possuía Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

A Gazeta integra o

Saiba mais
Guarapari Polícia Civil Polícia Militar acidente homicídio trânsito

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.