Mãe de jovem encontrada morta em cova rasa no ES já perdeu outro filho

A faxineira Nubia Barbosa Ribeiro Cardoso enfrenta pela segunda vez a dor de perder um filho. Em meados de 2018 ela viu um dos seis filhos, que na época tinha 21 anos, ser assassinato na Serra.

Publicado em 07/11/2019 às 16h42

A faxineira Nubia Barbosa Ribeiro Cardoso, 40, mãe da estudante Sulamita Ribeiro Cardoso, 15, que foi assassinada e encontrada em uma cova rasa, em Cariacica-Sede, na última quarta-feira (06), enfrenta pela segunda vez a dor de perder um filho. Em meados de 2018 ela viu um dos seis filhos, de 21 anos, ser assassinado na Serra.

Policiais da DHPP vão investigar o crime. Crédito: Fernando Madeira
Policiais da DHPP vão investigar o crime. Crédito: Fernando Madeira

De acordo com a faxineira, o filho foi morto no dia 30 de junho do ano passado, em Vista da Serra. Na época, ela ouviu várias versões sobre a motivação do crime. Alguns, diziam que o filho teria roubado na região. Outros, que ele estaria devendo dinheiro de drogas. 

"Meu filho trabalhava em um ferro velho. Eu não consegui acreditar que ele estava devendo dinheiro em droga. Mas o homem que o matou foi preso e disse que ganhou R$ 500 para matar meu filho porque estava devendo. Não sei se isso é verdade. Mas eu perdi o meu filho. E agora estou perdendo minha filha", lamentou. 

SEM AUXÍLIO PARA CRIAR OS FILHOS

A faxineira, que atualmente está desempregada, conta que teve a primeira filha aos 15 anos. Depois, teve mais dois filhos. Mas ao terminar a relação com o pai das crianças, ela conta que não recebeu nenhum apoio, tendo que arcar com a educação e despesas sozinha. Hoje, a filha mais velha tem 25 anos, um filho morreu aos 21 e outro, de 20 anos, está preso acusado de participação em um homicídio. 

Sem qualquer auxílio, Nubia casou-se novamente. Na segunda relação, que durou 18 anos, teve mais três filhos. Porém, ela conta que foram anos de uma relação abusiva com violência doméstica.

"Ele me batia. Um dia eu tomei coragem e denunciei. Consegui uma medida protetiva e como a casa era dele, eu tive que sair. Desde então, o pai dos meus três filhos mais novos também não ajuda em nada. Sou eu sozinha para tudo. Sempre tive que me virar", disse. 

EMPREGO PARA COMPRAR ROUPAS

Devido as dificuldades financeiras,  Nubia contou que uma das últimas conversas que teve com Sulamita foi sobre a vontade de conseguir um emprego para comprar roupas para os filhos.  

"Eu disse: 'Filha, mamãe tá colocando currículo nos lugares pra conseguir um emprego e comprar umas roupas para você esse fim de ano'. E ela me deu força. Falou: 'A gente pode ir no shopping só pra passear também, beber alguma coisa...' Mas não deu tempo", lamentou. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.