Justiça mantém prisão do assassino da jovem Luana Demonier

A decisão é da juíza Raquel de Almeida Valinho. A magistrada destacou que a soltura de Rodrigo seria "temerária" e que, caso fosse solto, poderia voltar a cometer os mesmos crimes, intimidar testemunhas e fugir

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 11/02/2021 às 13h02
Acusado de matar a namorada em Cariacica
Rodrigo Pires Rosa, preso acusado de matar a namorada. Crédito: Carlos Alberto Silva

A Justiça decidiu manter preso o assassino da jovem Luana Demonier, de 25 anos, morta a facadas em Cariacica. Rodrigo Pires Rosa passou por uma audiência de custódia na manhã desta quinta-feira (11) e teve sua prisão em flagrante pelo feminicídio convertida em preventiva, ou seja, sem prazo para acabar.

A decisão é da juíza Raquel de Almeida Valinho. A magistrada destacou que a soltura de Rodrigo seria "temerária" e que, caso fosse solto, poderia voltar a cometer os mesmos crimes, intimidar testemunhas e fugir.

Rodrigo Pires Rosa matou Luana a facadas no bairro Vila Capixaba, em Cariacica. Ele já respondia a oito inquéritos por violência doméstica, com um longo histórico de ameaças a vários outras ex-companheiras. Rodrigo também já tinha um mandado de prisão em aberto.

Luana Demonier foi morta a facadas quando chegava em casa em Cariacica
Luana Demonier foi morta a facadas c. Crédito: Reprodução/Instagram

O assassinato aconteceu na noite de terça-feira (9), quando a jovem voltava do trabalho. O ex-namorado a acompanhava, aparentemente de forma amigável, e de repente começou a esfaquear a vítima, na rua onde ela morava, no bairro Vila Capixaba, em Cariacica.

Luana morreu no local, com 19 perfurações profundas no corpo. Câmeras de segurança flagraram o momento exato em que tudo aconteceu, por volta das 19h20. Ao lembrar e comentar sobre as fortes imagens que viu, a delegada Rafaella Aguiar declarou: "Até eu... me deu uma dor no coração" . Apesar de divulgado, o vídeo passou por edição para preservar a família da jovem.

Rodrigo acabou preso em flagrante por homicídio duplamente qualificado: por impossibilitar a defesa da vítima e por feminicídio. De acordo com a delegada, o assassinato foi premeditado. "Ele pegou a faca depois do almoço e acompanhou Luana na volta do trabalho (à noite). Ele já sabia a rotina e não teve uma discussão entre os dois para ele ter agido com raiva no momento da ação. Por isso, acredito que ele premeditou", argumentou Aguiar.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.