ASSINE

Ex-policial é preso após agredir namorado da ex com garrafa em Vitória

O ex-policial e ex-assessor parlamentar Walter Matias Lopes, de 42 anos, tentou fugir do local, mas foi contido e preso em flagrante. Uma medida protetiva o impedia de se aproximar da ex-mulher

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 15/01/2022 às 17h14
Walter Matias Lopes foi preso em Vitória
Walter Matias Lopes foi preso em Vitória. Crédito: Reprodução / TV Gazeta

O ex-policial militar e ex-assessor parlamentar Walter Matias Lopes, de 42 anos, foi preso após atacar o namorado da sua ex-mulher com uma garrafa em um bar de Vitória, nesta sexta-feira (14).

As marcas da agressão ficaram na cabeça do atual namorado da mulher, bem perto do olho.

"Ele falou pro meu namorado: 'eu vim para te matar', 'hoje chegou seu dia', foi algo assim que ele disse, 'eu vim para te matar', ele ficava repetindo isso", disse a mulher, que preferiu não se identificar.

Após o ataque, Walter tentou fugir do local, mas foi contido. Ele foi preso em flagrante. Uma medida protetiva também o impedia de se aproximar da ex-mulher.

OUTRAS AGRESSÕES

Ele jogou uma pedra no carro do casal, em dezembro de 2021. A depredação do veículo foi gravada em um vídeo.

Este vídeo pode te interessar

Segundo a mulher, essa não foi a primeira agressão do ex-marido. De acordo com ela, o ex já mostrou uma arma para o filho deles, de cinco anos, para fazer ameaças a ela.

Ela conta que em todas as vezes que o ex a procurou e a ameaçou, ela fez boletim de ocorrência. Disse que o relacionamento deles durou oito anos e teve episódios de violência.

De acordo com o relato da mulher, Walter usa chamadas de vídeo com o filho para botar medo na ex. Uma delas foi registrada em fotos e o homem aparece segurando uma arma enquanto conversa com a criança.

Walter Matias Lopes foi preso em Vitória
Walter Matias Lopes foi preso em Vitória. Crédito: Reprodução / TV Gazeta

De acordo com a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), o homem já foi preso em 2017 pelo crime de peculato. O crime de peculato ocorre quando um funcionário público apropria-se ou desvia dinheiro, valor ou qualquer outro bem de que tenha posse em razão do cargo, em proveito próprio ou alheio. A pena é de reclusão de dois a 12 anos e multa.

O Portal da Transparência do Governo do Espírito Santo mostra que Walter já atuou como soldado da Polícia Militar, mas se encontra desligado da corporação.

Até a última atualização deste texto, a reportagem não havia obtido contato com o preso ou a defesa dele.

*Com informações do repórter Aurélio de Freitas, da TV Gazeta e do G1 ES

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.