ASSINE

Empresário suspeito de esquema criminoso milionário é preso pela PF em Vitória

Segundo a Polícia Federal, ele e outro empresário que está foragido integravam uma organização criminosa que lavava dinheiro por meio da aquisição de imóveis, embarcações e veículos em nome de terceiros

Tempo de leitura: 2min
Vitória
Publicado em 13/01/2022 às 15h30

Um empresário capixaba de 44 anos, que não teve o nome divulgado, foi preso preventivamente pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira (3), em Vitória, no âmbito da terceira fase da Operação Masqué – que visa combater crimes contra o sistema financeiro nacional. 

Conforme apontado pelas investigações, ele e outro empresário que está foragido integravam uma organização criminosa que praticava evasão de divisas (operações financeiras não autorizadas) e lavava dinheiro por meio da aquisição de imóveis, embarcações e veículos em nome de terceiros.

De acordo com a Polícia Federal, a ação tinha como objetivo cumprir dois mandados de prisão preventiva. No entanto, o outro empresário, de 55 anos, não foi localizado em Vila Velha. "A partir de agora, ele passa a ser considerado foragido da Justiça e terá o nome inscrito na lista da Interpol."

Polícia Federal
Operação Masqué é resultado de investigações feitas pela Polícia Federal (sede acima) junto do Ministério Público Federal e da Receita Federal. Crédito: Carlos Alberto Silva

Ainda segundo a PF, ambos responderão por três crimes:

  • Lavagem de dinheiro, que prevê de três a dez anos de reclusão e pagamento de multa;
  • Organização criminosa, que prevê de três a oito anos de reclusão e pagamento de multa;
  • Evasão de divisas, que prevê de dois a seis anos de reclusão e pagamento de multa.

OPERAÇÃO MASQUÉ

primeira fase da Operação Masqué se deu em agosto de 2019. Na época, a investigação apurou um esquema de evasão de divisas por meio de empresas que falsificavam documentos para enviar dinheiro de forma ilegal para o exterior. A Justiça Federal chegou a bloquear dezenas de imóveis, avaliados em cerca de R$ 40 milhões.

Já a segunda fase consistiu em investigar lavagens de dinheiro praticadas pelos envolvidos na etapa anterior. Em especial, o crime era cometido por meio da compra de imóveis, embarcações e veículos em nome de "laranjas". Além de empréstimos feitos fora do mercado formal de crédito.

De acordo com a Polícia Federal, o nome da Operação Masqué faz referência à ação dos investigados – que buscavam "mascarar" a real propriedade do patrimônio adquirido ilegalmente por meio das atividades feitas pela organização criminosa. "Masqué", do francês, pode ser traduzido como "mascarar".

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.