ASSINE

Crime em Castelo: esposa e amante planejavam matar agricultor havia três meses

Crime aconteceu na casa do casal em Monte Alverne, interior de Castelo. Em duas situações anteriores, os amantes chegaram a esquematizar a morte de Alexandro, em uma delas para que parecesse um afogamento

Casamento
Thayla Bonicenha Crivelari Fim e o marido Alexandro Fim, no casamento. Crédito: Reprodução/Facebook

assassinato do agricultor Alexandro Fim, que deveria parecer um latrocínio - roubo com morte - estava sendo planejado havia três meses por Thayla Bonicenha Crivali Fim, 22, esposa da vítima, e Françoá de Souza Calabianqui, 25, com quem ela mantinha um relacionamento extraconjugal. O crime aconteceu na noite de sábado (24), em CasteloSul do Estado

Na madrugada de terça-feira (27), a polícia deteve Françoá e Thayla também em Castelo. A Polícia Civil chegou até o casal depois que um irmão de Thayla, de 14 anos, procurou a polícia e contou o que a irmã havia feito. De imediato, o delegado Marcelo Meurer solicitou à Justiça um mandando de prisão temporária contra o casal pela morte do agricultor.

Ao ser preso pela Polícia Militar, Françoá contou à polícia ele e Thayla tinham a intenção de matar o agricultor havia  aproximadamente três meses, mas somente no final de semana conseguiram realizar o plano. Em duas situações anteriores, os amantes chegaram a esquematizar a morte de Alexandro, em uma delas para que parecesse um afogamento.

O CRIME

A situação deveria parecer um assalto, no qual Alexandro seria morto, na localidade de Monte Alverne, zona rural de Castelo. Após o marido tomar vários remédios contra depressão, Thayla mandou uma mensagem a Françoá para executarem o plano. 

Como o marido não dormia, ela, em pé, o abraçou. O amante então se aproximou e esganou Alexandro até a morte.

Logo após o crime, Thayla ligou para os pais dela relatando o suposto latrocínio, inclusive acrescentando que tinha sido mantida trancada por uma hora em um dos cômodos da residência. Depois, ela confessou ter praticado o crime. 

“Ela e o amante deram a mesma versão dos fatos. Ela contou o caso sem remorso e com frieza, o que chama a atenção. Eles estavam planejando o crime há um tempo e ela decidiu que seria naquele sábado. Chamou o amante, colocou a filha de 2 anos para dormir e esperou o marido tomar o remédio. Como ele estava demorando a dormir, ela o abraçou e fez um sinal para o amante, que chegou por trás e matou a vítima”, disse o delegado.

FALSO ROUBO

Os objetos que Thayla afirmou que teriam sido roubados estavam no forro de gesso da casa onde ela morava com o marido. Foram recuperados: uma motosserra, uma televisão, um aspirador de pó, uma bomba de pressão de água e uma roçadeira.  

O material foi apreendido pela Polícia Civil.  Segundo o delegado, o crime foi motivado por dinheiro. Com a morte do marido, Thayla desejava herdar todos os bens do agricultor – um alqueire de terra com plantações de café e um carro. 

O casal preso foi encaminhado para exames de corpo de delito no Serviço Médico Legal (SML) de Cachoeiro de Itapemirim. Em seguida, Françoá e Thayla foram levados para as penitenciárias masculina e feminina da região. 

A Gazeta integra o

Saiba mais
Castelo Polícia Civil castelo crime homicídio

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.