Ambulante que xingou passageiros no ES já foi preso por agredir filho em 2012

O vendedor de balas Thiago Nielsen Teixeira, de 35 anos, que foi detido após ser filmado enquanto xingava e ofendia passageiros no Transcol, passou um ano e dois meses na prisão, entre 2012 e 2013, suspeito de agredir o filho, que na época tinha 11 meses

Publicado em 29/07/2020 às 13h30
Thiago Nielsen Teixeira foi preso em 2012 por suspeita de agredir o filho de 11 meses
Thiago Nielsen Teixeira foi preso em 2012. Crédito: Reprodução / TV Gazeta

O vendedor ambulante Thiago Nielsen Teixeira, de 35 anos, que aparece em um vídeo ofendendo e coagindo passageiros do Sistema Transcol e que foi detido pela Polícia Civil para prestar esclarecimentos já se envolveu em outro episódio polêmico, que na época o levou à prisão. Em 26 de setembro de 2012, Thiago foi preso em flagrante suspeito de agredir o próprio filho, de 11 meses na ocasião, na casa em que viviam.

O delegado Marcelo Nolasco, responsável pelo caso na época, deu detalhes da investigação no dia da prisão de Thiago. “Nós temos a evidência da síndrome de 'baby shake', essa criança era violentamente sacudida pelo pai. O pai é um confesso usuário de cocaína. Ao sacudir a criança é que ele a levou a ter todos os sintomas que apresentou. Deslocamento de órbita ocular, convulsões, fraturas e edema cerebral”, explicou o delegado na época à reportagem da TV Gazeta.

De acordo com informações da TV Gazeta, na época o bebê foi internado e chegou a ficar intubado. Ele teve hemorragia, traumatismo craniano, e fraturas na clavícula. Na ocasião, Thiago negou as acusações e tentou se explicar na delegacia. “Não tenho culpa nisso. Foi um acidente doméstico, pode acontecer com qualquer um que tem filho aqui. Ele realmente caiu da cama. Nossa cama é alta”, disse.

No site do Tribunal de Justiça do Espírito Santo há um processo em andamento no nome do Thiago, mas detalhes sobre o caso não são divulgados no sistema. A Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), no entanto, confirmou que Thiago cumpriu pena de 26 de setembro de 2012 a 19 de novembro de 2013 no sistema prisional.

O Tribunal de Justiça foi procurado pela reportagem da TV Gazeta para mais detalhes do caso, mas, até o momento, não houve retorno.

VÍTIMAS AINDA NÃO REGISTRARAM OCORRÊNCIA

Sobre o caso das ameaças realizadas no Transcol, a Polícia Civil informou à reportagem da TV Gazeta que, até o momento, nenhuma vítima compareceu à Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra Transporte de Passageiros. E que, para que o caso dele seja investigado, as pessoas que se sentiram lesadas de alguma forma, devem procurar a delegacia e registrar o boletim de ocorrência.

Com informações de Aurélio de Freitas, da TV Gazeta

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.