ASSINE

Servidor do Detran preso por esquema ilegal é solto após pagar fiança

Homem de 32 anos é acusado de obter vantagem indevida de pessoas que pagavam pelo emplacamento de veículos em Sooretama, no Norte do Estado

Publicado em 22/10/2020 às 16h55
Atualizado em 22/10/2020 às 20h22
Material apreendido com funcionário do Detran que vendia placas ilegalmente em Sooretama
Material apreendido com funcionário do Detran que vendia placas ilegalmente em Sooretama . Crédito: Polícia Civil

O funcionário público do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) do Espírito Santo, preso pela Polícia Civil nesta quarta-feira (22), já está em liberdade. O homem de 32 anos, que trabalhava no Detran de Sooretama, no Norte do Estado, é acusado de obter vantagem financeira indevida de pessoas que pagavam pelo emplacamento de veículos. De acordo com a Polícia Civil, o acusado foi liberado após pagar R$ 8 mil de fiança e vai responder o processo em liberdade.

O corregedor do Detran no Estado, Jederson Carvalho Lobato, afirmou que o servidor não prestará mais serviços no órgão, já que o homem é funcionário da Prefeitura de Sooretama e estava cedido ao departamento de trânsito.

“Diante dessa situação, a diretoria do órgão decidiu devolver ele imediatamente para a prefeitura. Ele não vai mais desempenhar atividades no Detran", explicou o corregedor.

De acordo com o delegado Fabrício Lucindo, um dos responsáveis pela investigação, o servidor dizia para os clientes que a taxa de emplacamento deveria ser paga diretamente para ele. Depois de receber o dinheiro, o homem conseguia a placa por um valor mais barato em empresas licenciadas e ficava com a diferença do valor pago pelo cliente.

Lucindo afirmou que o acusado atuava no Detran de Sooretama há cinco anos e que, nos últimos meses, ele teria movimentado pelo menos R$ 8 mil com a venda ilegal de placas. O acusado foi autuado pelo crime de concussão, que acontece quando um servidor público exige para si vantagem indevida. Se condenado, o funcionário público pode pegar de dois a 12 anos de prisão, segundo o delegado. O nome do investigado não foi divulgado.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.