Prefeituras fazem blitze em supermercados do ES para recolher cervejas Backer

A cervejaria Backer é investigada depois da morte de uma pessoa e a internação de outras dez que teriam consumido a cerveja Belorizontina, fabricada pela empresa de Minas Gerais

Publicado em 14/01/2020 às 12h36
Atualizado em 15/01/2020 às 09h22
Vigilância Sanitária de Cariacica vistoria supermercados depois de contaminação em cervejas da Backer. Crédito: Divulgação/ Prefeitura de Cariacica
Vigilância Sanitária de Cariacica vistoria supermercados depois de contaminação em cervejas da Backer. Crédito: Divulgação/ Prefeitura de Cariacica

As vigilâncias sanitárias dos municípios da Grande Vitória intensificaram a fiscalização em supermercados para recolher garrafas de cerveja da Backer. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento determinou na segunda-feira (13) a suspensão da comercialização de todos os produtos da cervejaria mineira, fabricados entre outubro de 2019 e 13 de janeiro de 2020.

A Backer é investigada depois da morte de uma pessoa e a internação de outras dez que teriam consumido a cerveja Belorizontina, fabricada pela empresa de Minas Gerais.

A Prefeitura de Cariacica relatou que a vigilância sanitária do município realizou, durante a manhã desta terça-feira (14), uma vistoria da comercialização dessas cervejas. De acordo com a equipe de fiscalização, nos supermercados onde eram vendidos  os produtos não foram encontradas as cervejas. "Os próprios supermercados recolheram os produtos. A vigilância sanitária de Cariacica notificou os estabelecimentos para que não façam a comercialização até que haja a liberação do Ministério da Agricultura", diz a nota.

Na Serra, as grandes redes de supermercados, bares e restaurantes também foram instruídos pela vigilância sanitária para não venderem os produtos mencionados na resolução do Ministério da Agricultura. A Prefeitura da Serra também informou que a vigilância sanitária intensificou a fiscalização para orientar e apreender as cervejas. No entanto, até o momento, em nenhum dos locais fiscalizados foram encontrados os produtos.

Já a Prefeitura de Vitória disse que os técnicos da vigilância sanitária do município já percorreram o comércio no sábado, visitando as grandes redes de supermercados em vários pontos da Capital, sem encontrar os lotes da cerveja impedidos de serem comercializados.

"O órgão destaca ainda que a ação de fiscalização é uma rotina, realizada todos os dias, que vai continuar o monitoramento e que as denúncias devem ser feitas pelo telefone Fala Vitória 156", pontuou a Prefeitura de Vitória.

A equipe da vigilância sanitária de Vila Velha afirmou que monitora se há ou não a comercialização do produto no município. Até o presente momento não houve registro de ocorrência de apreensão do produto

CAPIXABA INTERNADO

O capixaba Luiz Felippe Teles Ribeiro, de 37 anos, contaminado por dietilenoglicol, substância tóxica encontrada na cerveja Belorizontina, em Minas Gerais, continua internado em estado grave. De acordo com amigos, o quadro clínico do engenheiro é estável. Natural de Marataízes, Luiz Felippe vive em Belo Horizonte com a mulher, onde trabalha como engenheiro metalúrgico.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.