ASSINE

Nenhuma cerveja artesanal feita no ES usa dietilenoglicol, diz associação

O presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva-ES), Paulo de Victa Alves, garante que o método de resfriamento de cervejarias capixabas não usa substância tóxica

Publicado em 14/01/2020 às 10h57
Atualizado em 20/01/2020 às 12h27
Espírito Santo conta 33 cervejarias artesanais, diz Abracerva-ES. Crédito: Arquivo/Agência Brasil
Espírito Santo conta 33 cervejarias artesanais, diz Abracerva-ES. Crédito: Arquivo/Agência Brasil

O dietilenoglicol – substância tóxica encontrada em amostras da cerveja Belorizontina, da cervejaria Backer, em Minas Gerais – não é utilizada em nenhuma das 33 empresas que fabricam a bebida de forma artesanal no Espírito Santo.

O presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva-ES), seccional Espírito Santo, Paulo de Victa Alves, disse que o processo de produção adotado no estado capixaba é o mesmo há mais de cinco anos.

Presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva-ES), Paulo de Victa Alves. Crédito: Isaac Ribeiro
Presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva-ES), Paulo de Victa Alves. Crédito: Isaac Ribeiro

“Nenhuma cervejaria capixaba usa essa substância. Usa o álcool misturado à  água numa proporção que mantém os tanques refrigerados. Nossa cerveja leva de 20 a 30 dias para ficar pronta. Durante esse período, o tanque é mantido em uma temperatura que vai transformando a cerveja. Não fazemos aditivo, transformamos os produtos”, garantiu Paulo.

O presidente do Conselho Regional de Farmácia (CRF-ES), Luiz Carlos Cavalcanti, explicou que o dietilenoglicol é uma substância sintética que funciona como anticongelante. Na fabricação da cerveja, evita o congelamento da água usada no resfriamento da bebida.

“A cerveja tem algumas etapas de fabricação: vai desde uma fervura em torno de 100 °C, depois um resfriamento de 10 °C a 18 ºC e depois outro resfriamento, este em torno de 0 ºC. É necessário um líquido refrigerante para isso. São substâncias que não devem entrar em contato com a cerveja”, disse.

CAPIXABA INTERNADO APÓS BEBER CERVEJA

O capixaba Luiz Felippe Teles Ribeiro, de 37 anos, contaminado por dietilenoglicol, substância tóxica encontrada na cerveja Belorizontina, em Minas Gerais, continua internado em estado grave. De acordo com amigos, o quadro clínico do engenheiro é estável. Natural de Marataízes, Luiz Felippe vive em Belo Horizonte com a mulher, onde trabalha como engenheiro metalúrgico.

Ele é uma das dez pessoas internadas, até o momento, por contaminação de dietilenoglicol, substância tóxica encontrada pela Polícia Civil em amostras da cerveja Belorizontina, da cervejaria Backer, em Minas Gerais. Após o caso, a empresa foi fechada pelo Ministério da Agricultura.

Espírito Santo Minas Gerais Cervejaria Backer Cerveja espírito santo Belo Horizonte (MG)

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.