ASSINE

Paciente com coronavírus que desrespeitar isolamento pode ser preso no ES

O isolamento vale para casos suspeitos ou confirmados e visa a evitar que um número maior de pessoas sejam contaminadas

Publicado em 14/03/2020 às 11h20
Atualizado em 14/03/2020 às 14h25
 Profissional que atua em laboratório com placa do coronavírus. Crédito: Freepik
 Profissional que atua em laboratório com placa do coronavírus. Crédito: Freepik

Pacientes com suspeita ou infectados pelo coronavírus precisarão cumprir uma série de determinações dos órgãos de saúde para impedir que a doença se espalhe mais rapidamente. No Espírito Santo, quem sair do isolamento imposto pelas autoridades poderá sofrer sanções que vão de multas à prisão.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Polícia Federal localizaram em São Paulo o paciente do Espírito Santo contaminado pelo coronavírus que viajou sem autorização para a capital paulista.  O homem, de 31 anos,  cumpria isolamento na casa de familiares, em Vila Velha, e deixou o Estado sem informar às autoridades de saúde, segundo registro da Secretaria de Saúde do município. Mas, afinal, o que pode acontecer caso o isolamento seja descumprido?  

O secretário de Estado de Saúde, Nésio Fernandes, disse que o paciente que viajou agora está sob a responsabilidade das autoridades de São Paulo. "Ele cometeu uma infração legal, desrespeitou o regulamento sanitário brasileiro e está passível ao Código Penal", destacou.

Fernandes também informou que na quarta-feira o Ministério da Saúde publicou a portaria que estabeleceu o rito administrativo para determinar o isolamento. "Agora vai ter um termo de consentimento. Cada paciente, ao ser notificado como suspeito ou como confirmado, tem que assinar garantindo e se comprometendo ao isolamento. Se recusar a assinar, a autoridade sanitária pode acionar a polícia, o Ministério Público e o juiz a determinar o isolamento", pontuou o secretário.

O professor de Direito Penal, Almir Godinho,  explicou que já existe no Código Penal um artigo que pode ser aplicado a essa situação. "O artigo 268 é um tipo penal que objetiva tutelar a saúde pública, trata-se de crime de perigo comum e que  basta o mero descumprimento de determinações legais" , pontuou.

1 mês a 1 ano de reclusão

Pena prevista para o descumprimento de medidas para impedir propagação de doença

O artigo apontado pelo professor descreve que "infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa" cabe pena de detenção de um mês a um ano, e multa. 

As determinações legais neste caso, que completam o artigo 268, estão previstas na Lei n. 13.979/2020, publicada em 6 de fevereiro de 2020, que  dispõe sobre as medidas que poderão ser adotadas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus. Entre as medidas estão o isolamento e a quarentena

Godinho também explicou que por se tratar de interesse público evidenciado, pode o Ministério Público abrir ação pública contra o paciente que assim determinar, uma vez que é incondicionada à necessidade de provocação.  

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde SESA Coronavírus crime Coronavírus no ES

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.