Coronavírus: projeto ajuda alunos da rede pública com foco no vestibular

Durante este momento de suspensão das aulas, projeto Salvaguarda disponibilizou quatro ferramentas para complementar a formação dos estudantes do ensino médio

Publicado em 22/04/2020 às 17h58
Atualizado em 22/04/2020 às 23h10
Atividades presenciais, como simulados e excursões, foram suspensas do programa Salvaguarda
Atividades presenciais, como simulados e excursões, foram suspensas do programa Salvaguarda. Crédito: Divulgação | Salvaguarda

Ainda sem previsão de retorno das aulas no Espírito Santo por causa da pandemia do novo coronavírus, os alunos que cursam o ensino médio em escolas públicas agora podem contar com o apoio do programa social Salvaguarda para ajudar a manter os estudos em dia – já de olho nos vestibulares.

No total, quatro ferramentas on-line foram disponibilizadas no último mês de março. São elas: monitoria para cada disciplina, contendo links de exercícios; treino semanal de redação; auxílio na elaboração de um cronograma de estudos; e tira-dúvidas com profissionais da área que o aluno pretende cursar.

Vinícius de Andrade.

Idealizador do programa Salvaguarda e estudante de economia da Universidade de São Paulo (USP)

"Eu sou de um bairro de periferia, onde o comum é não fazer faculdade. Eu mesmo por muitos anos não soube que existia universidade pública. Hoje, depois de ter entrado na USP, eu vivo em dois mundos completamente diferentes."

Antes do cenário de isolamento social, o projeto estava disponível apenas para os alunos de 40 escolas públicas de São Paulo e do Rio de Janeiro. “O nosso intuito é fornecer informações, complementar o ensino e motivar esses jovens a entrarem nas faculdades que eles quiserem”, explicou o criador Vinícius de Andrade.

De origem humilde e estudante de economia de uma das principais universidades do país, ele resolveu remodelar o programa para esse período de quarentena. “Eu gosto muito de pensar em soluções práticas em cenários caóticos. Já tinha interesse em expandir o projeto e entender a demanda de outros Estados”, explicou.

Grupos com os monitores são divididos por matéria e dúvidas são tiradas em conversas particulares para preservar o aluno
Grupos com os monitores são divididos por matéria e dúvidas são tiradas em conversas particulares para preservar o aluno. Crédito: Reprodução | Salvaguarda

Com as ferramentas presenciais paradas, o momento favoreceu as que são feitas por meio da internet. “Abrimos agora e, como nosso foco são os vestibulares, não faz sentido fechar quando tudo isso acabar. Então, essa ajuda vai ficar disponível para todos os alunos até o final do ano”, adiantou Vinícius.

Vinícius de Andrade

Idealizador do programa Salvaguarda e estudante de economia da Universidade de São Paulo (USP)

"A falta de informação é nacional. Quem tem subestima a importância; e quem não tem, simplesmente nem sabe que ela existe."

De acordo com ele, 130 alunos de 14 estados já passaram a integrar o programa. Com cerca de 600 monitores voluntários, ele não prevê problemas com a expansão. “Seria fácil conseguir mais mentores, mas o potencial dos atuais está longe de ser atingido, porque nem todos os alunos usufruem de todas as ferramentas”, garantiu.

COMO PARTICIPAR

Para aproveitar a abertura do programa Salvaguarda, o jovem precisa cursar o ensino médio em escola pública ou ter se formado na rede. Cumprindo esse único critério, basta enviar alguns dados pessoais (nome completo, idade, colégio em que estuda ou estudou, cidade e Estado) por WhatsApp para o número (16) 9 9390-7355.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.