ASSINE

Preço do material escolar varia 164% em Vitória; veja dicas para a hora de comprar

Ao ir às compras, é importante pesquisar os preços em diferentes lojas, levando em consideração que existe uma infinidade de marcas e modelos do mesmo produto

Tempo de leitura: 4min
Vitória
Publicado em 27/01/2022 às 11h22
Lojinha da Lívia ultrapassou meta de vendas de materiais escolares para o mês no dia 12
Com o aumento na procura, a Lojinha da Lívia atingiu meta de vendas prevista para todo o mês de janeiro. Crédito: Lojinha da Lívia/Divulgação

Com a proximidade do início do ano letivo, a busca por material escolar disparou no Espírito Santo. Nas papelarias, as vendas de itens como cadernos, fichários, lápis, caneta, entre outros, estão mais que aquecidas. Mas além da procura, o preço também  aumentou, com variações que chegam até 164% entre as diferentes lojas.

De acordo com Lívia Vasconcelos, proprietária da Lojinha da Lívia, no último dia 12 de janeiro, o estabelecimento bateu a meta de vendas prevista para todo o mês. “O volume de vendas deste ano está surreal, estamos com expectativa de triplicar o faturamento de 2020”, disse, em alusão ao período pré-pandemia. A demanda, ela conta, tem sido tão grande que, recentemente, precisou reforçar o quadro de funcionários, tanto da loja física, quanto do e-commerce.

Mas a procura por materiais escolares também vem junto do aumento nos preços. Uma pesquisa realizada pelo Procon Municipal de Vitória mostrou que alguns dos materiais mais buscados no período que antecede à volta às aulas têm apresentado variações de preços de até 164% em diferentes lojas.

Pesquisa de preço dos materiais escolares

Confira o valor dos produtos pesquisados pelo Procon de Vitória

É o caso da régua plástica, cujos preços foram de R$2,50 a R$6,60 nos locais averiguados pelo órgão. Já um dos itens mais básicos no estojo de qualquer estudante, o lápis preto grafite, pode variar até 150%. O preço mais em conta para o produto foi R$ 1, mas em outra loja chega a R$ 2,50.

Este vídeo pode te interessar

Ainda segundo a pesquisa, produtos como cola branca e o giz de cera tiveram uma oscilação em torno de 120%, assim como o caderno universitário com capa dura e espiral.  Este último foi encontrado com os preços entre R$7,99 e R$17,50.

CUIDADOS NA HORA DA COMPRA DE MATERIAIS ESCOLARES

Movimento em papelaria: compra de material escolar vai pesar no bolso neste ano
Movimento em papelaria: compra de material escolar exige pesquisa de preço. Crédito: Marcelo Prest/Arquivo

Para evitar problemas na hora das compras, o Procon-ES também deu algumas orientações:

  • As escolas são obrigadas a fornecer as listas para que pesquisem os preços e comprem os produtos na loja de sua preferência.
  • Cobrar taxa para a compra do material não é irregular, desde que a escola disponibilize a relação com os itens, ficando a critério do consumidor adquirir o próprio produto.
  • Exigir marcas específicas ou só aceitar que o material seja adquirido numa determinada loja ou no próprio estabelecimento de ensino é uma prática abusiva e deve ser denunciada.
  • Na hora da compra, o consumidor deve verificar quais os itens que restaram do período letivo anterior e avaliar a possibilidade de reaproveitá-los.
  • É importante pesquisar os preços em diferentes lojas, levando em consideração que existe uma infinidade de marcas e modelos.
  • É importante considerar as taxas de juros quando optar por compras a prazo, priorizando o pagamento à vista, sempre que possível, para evitar dívidas.

O diretor-presidente do Procon-ES, Rogério Athayde, recomenda cautela na escolha dos materiais escolares, e reforça que produtos de marcas patenteadas de super-heróis e outros personagens, por exemplo, são bem mais caros, onerando o gasto final.

“Há uma variação de preços significativa dependendo da marca. Por isso, é fundamental que os pais tenham uma conversa com os filhos antes de ir às compras, tentando fugir dos apelos publicitários. Nem sempre o material mais caro e sofisticado é o melhor."

Vale lembrar ainda que materiais de uso coletivo, como de limpeza e higiene, bem como os utilizados na área administrativa, não podem constar na lista de material escolar dos alunos, pois esses gastos estão cobertos pela mensalidade. Além disso, se a instituição de ensino solicitar materiais que não fazem parte das atividades escolares rotineiras, o Procon-ES recomenda que o consumidor cheque a finalidade e se a quantidade solicitada é razoável. "A instituição de ensino também não pode impedir que o aluno participe das atividades escolares em razão da ausência de determinado material didático-escolar exigido."

ONDE DENUNCIAR IRREGULARIDADES

Os consumidores podem registrar suas reclamações junto ao Procon-ES, pelo e-mail [email protected] ou pessoalmente na sede do Procon do seu município ou do Procon Estadual, na Avenida Jerônimo Monteiro, nº 935, Centro, Vitória, de segunda a sexta-feira, mediante retirada de senha no local.

O Procon Estadual também tem uma unidade localizada no Faça Fácil Cariacica, que está atendendo por agendamento, e deve ser feito pelo site www.facafacil.es.gov.br. É preciso que o consumidor tenha disponível o RG (Carteira de Identidade), CPF, além de documentos que possam comprovar a reclamação. As dúvidas podem ser solucionadas pelo WhatsApp 27 3323-6237.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Educação Vitória (ES) Procon Núcleo ag Direito do Consumidor

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.