ASSINE

Pandemia deixa 162,5 mil trabalhadores sem remuneração no ES

Pesquisa do IBGE mostra que, ao todo, 49,5% dos trabalhadores afastados deixaram de receber remuneração durante o mês de maio

Publicado em 24/06/2020 às 16h07
Atualizado em 24/06/2020 às 18h40
Vitória - ES - Abertura do comércio na avenida Princesa Isabel no Centro da Capital.
Comércio no Centro de Vitória: paralisação das atividades por conta do isolamento impactou na renda dos trabalhadores. Crédito: Vitor Jubini

Com o avanço da pandemia do novo coronavírus e a paralisação das atividades comerciais devido à necessidade de isolamento social, quase 162,5 mil trabalhadores deixaram de ter remuneração no Espírito Santo. Os dados do mês de maio mostram que o número corresponde a 49,5% do total da força de trabalho que foi afastada de seus empregos no Estado.

As informações são da primeira divulgação mensal da Pnad Covid-19, realizada pelo IBGE, feita nesta quarta-feira (24). O levantamento é uma versão da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad-Contínua), realizada com apoio do Ministério da Saúde, para identificar os impactos da pandemia no mercado de trabalho e para quantificar as pessoas com sintomas associados à síndrome gripal.

Em todo o Espírito Santo, 328,3 mil pessoas estavam afastadas de seu trabalho em maio. Desse total, 258 mil se afastaram devido ao distanciamento social e 71 mil por outros motivos. Embora não traga esse recorte por Estado, a pesquisa apontou que, nacionalmente, os trabalhadores domésticos sem carteira assinada foram os mais atingidos, seguidos pelos empregados do setor público e do setor privado sem carteira.

O economista e presidente do Conselho Regional de Economia do Espírito Santo (Corecon-ES), Celso Bissoli Sessa, explica que os efeitos econômicos dessa crise são severos porque a pandemia está provocando desemprego, subutilização de trabalhadores e saída de muitas pessoas do mercado de trabalho, devido à necessidade de isolamento social. 

De acordo com o especialista, a diminuição da renda em circulação enfraquece o elo do consumo na economia. Sem demanda, as empresas não investem nem contratam e o desemprego reduz ainda mais a renda.

Celso Bissoli Sessa

economista e presidente do Conselho Regional de Economia do Espírito Santo (Corecon-ES)

"É uma espiral recessiva que atinge, primeiramente, trabalhadores informais e de baixa renda, que possuem pouco ou nenhum acesso à rede de proteção social. Sabemos que na crise são limitadas as ações para geração de empregos e a saída tem sido a transferência direta de recursos para os trabalhadores. Porém, também sabemos que essa saída não é suficiente e que a pandemia vai durar mais que o previsto"

O economista também aponta que é preciso voltar as atenções para as políticas de proteção do emprego e de assistência social para "garantir cobertura mais ampla da renda das pessoas nos próximos anos, sob o risco de agravar muito o processo de contração da renda".

PANDEMIA NO PAÍS

Os dados mostram que, em todo o país, o distanciamento social provocado pela pandemia de Covid-19 deixou 9,7 milhões de trabalhadores sem remuneração em maio de 2020. Isso corresponde a mais da metade (51,3%) das pessoas que estavam afastadas de seus trabalhos e a 11,7% da população ocupada do país, que totalizava 84,4 milhões.

A pesquisa mostrou que 19 milhões de pessoas (ou 22,5%) estavam afastadas de seu trabalho, sendo que 15,7 milhões (ou 18,6%) estavam afastadas devido ao distanciamento social. Além disso, o grupo etário com maior proporção de pessoas afastadas do trabalho foi o de 60 anos ou mais: 27,3%.

Trabalhadores domésticos sem carteira foram os mais afetados, registrando o maior percentual de pessoas afastadas devido à pandemia (33,6%), seguidos pelos empregados do setor público sem carteira (29,8%) e pelos empregados do setor privado sem carteira (22,9%). Já entre os trabalhadores domésticos com carteira, o percentual de afastados foi de 16,6%.

O diretor adjunto de pesquisas do IBGE, Cimar Azeredo, explica que os dados mostram o impacto da pandemia na queda da renda da população. “Nós já sabíamos que havia uma parcela da população afastada do trabalho e agora a gente sabe que mais da metade dela está sem rendimento. São pessoas que estão sendo consideradas na força, mas estão com salários suspensos. Isso não é favorável e tem efeitos na massa de rendimentos gerada, que está estimada abaixo de R$ 200 bilhões, no país”, comentou.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.