ASSINE

Neto de fundador da JBS é novo presidente do Picpay

Mudança no comando do aplicativo capixaba de pagamentos veio em um momento de transformação do mercado com a popularização das transações digitais, provocado pela pandemia

Publicado em 03/08/2020 às 20h44
Sede da PicPay em Vitória
Sede da PicPay em Vitória. Crédito: PicPay | Divulgação

 O PicPay, aplicativo capixaba de pagamentos digitais, trocou de presidente. Gueitiro Genso, que estava no cargo há um ano, passou a cadeira, na última sexta-feira (31), para José Antônio Batista da Costa, herdeiro da JBS. A fintech é, atualmente, controlada pelo Banco Original, que pertence ao mesmo grupo que controla o frigorífico.

Segundo nota da empresa, Gueitiro permanecerá no Conselho de Administração da companhia. O novo presidente é neto de Zé Mineiro, patriarca da JBS.

No último ano, a empresa capixaba foi de 8 milhões para 28 milhões de usuários e quadruplicou o número de colaboradores. Foi também no ano passado que a empresa mudou a sede em Vitória para um local maior.

Na expansão, a empresa abriu mais de mil vagas de emprego tanto no Estado quanto em São Paulo, onde também mantém um escritório. O Picpay foi fundado em 2012 e, inicialmente, funcionava apenas como carteira digital. Atualmente, também oferece serviços de geração de boletos, transferências bancárias e outros

"José Antônio assume com um duplo desafio: sustentar o crescimento atingido na gestão do Gueitiro e ampliar ainda mais a gama de serviços oferecidos para esses novos usuários que chegaram ao universo dos pagamentos digitais no Brasil”, diz Anderson Chamon, fundador e Head de Tecnologia e Produtos da empresa.

Em live promovida pela Exame, Gueitiro afirmou que a pandemia do novo coronavírus fez acelerar o crescimento da empresa, atingindo públicos que talvez demorassem mais para se inteirar desse tipo de tecnologia.

Ele ressaltou ainda que o PicPay busca parcerias com bancos e varejistas para ampliar sua atuação para os mais variados setores econômicos.

A mudança na direção da fintech coincide com um período de transformação no setor de pagamentos digitais, impulsionado pela popularização do uso dos celulares para transações financeiras durante a pandemia da Covid-19.

Na última semana, o Banco Central autorizou a Visa e a Mastercard a começarem os testes de pagamento via Whatsapp. A autoridade monetária informou, contudo, que os testes não fazem parte do processo formal de pedido das empresas para operar essa solução.

A pandemia também obrigou o Banco Central a antecipar o lançamento do PIX, o sistema de pagamentos instantâneos, para outubro deste ano. Esse sistema permitirá transferências de valores entre bancos diferentes em poucos segundos, diferente do sistema atual (TED e DOC), que pode levar horas ou dias.

"Esse mercado está em fervura total. É um mercado novo para todo mundo e vai mudar o mercado financeiro como um todo. Aquilo que a gente aprendeu sobre banco, cheque, cartão, TED, DOC, tudo isso vai desaparecer como desapareceu a ficha telefônica", analisa o doutor em Controladoria e Contabilidade e cofundador da Fucape, Aridelmo Teixeira.

Segundo ele, a pandemia fez acelerar a utilização de tecnologias para a resolução dos mais diversos problemas. Essa adoção em "tempos normais" poderia ter demorado entre quatro e cinco anos. "A pandemia forçou esse processo em todos os segmentos, não só o bancário. Ninguém aceitava ser consultado por um médico pela internet. A pandemia obrigou e todos vimos que é possível", aponta.

O especialista em Direito bancário, pagamentos e fintech do FAS Advogados, Pedro Eroles, acrescenta que o Banco Central está tendo papel fundamental de dar apoio a essas inovações do setor financeiro catalisados pela crise do coronavírus.

Este vídeo pode te interessar

Ele acredita que, nesse contexto, deve haver uma diversificação dos serviços prestados pelas startups de finanças e até pelas empresas varejistas.  "Essas entidades já começavam a diversificar. Hoje, o Nubank tem financeira, tem uma série de outros produtos, assim como o Picpay. Já não há modelos estanques, temos modelos diversificados. A tendência é essa mesma", diz.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.